terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Algumas Ramificações na UMBANDA segundo WIKIPEDIA

Ramificações

Umbanda possui algumas ramificações, caracterizadas por diferenças em rituais, métodos, hierarquia, etc.
Entre as vertentes mais conhecidas estão:[68][69]

  • Umbanda tradicional: criada por Zélio Fernandino de Morais, se baseia nos princípios da caridade e da fraternidade. É fundamentada em três entidades iniciais que são os Caboclos, os Preto-Velhos e as Crianças. Esta vertente originalmente não é adepta das práticas africanas.

  • Umbanda de almas e angola: além da Umbanda tradicional, se utiliza de ritos africanos[69]                           
  • Umbanda branca ou Umbanda de mesa: voltada ao Espiritismo com doutrinas baseadas na conduta kardecista. Não trabalha diretamente com Exús, pombo-giras nem se utilizam de fumo, álcool, imagens e atabaques.[69]
  • Umbanda de caboclo: tem influência da cultura indígena brasileira, trabalhando com Caboclos. Não trabalha com orixás.
  • Umbanda omolocô: do culto africanista aos orixás aos Guias e Linhas da Umbanda.
  • Umbanda esotérica: seu maior difusor foi W.W. da Matta e Silva (Mestre Yapacany), considerada como um conjunto de leis divinas.[70]
  • Umbanda iniciática: derivada da Umbanda esotérica, foi fundada por Pai Rivas (Mestre Umbanda Yamunisiddha Arhapiagha), com influência Iniciática oriental,como uso de mantras indianos e do Sânscrito.
  • Umbanda popular
  • Umbanda de preto-velho
  • Umbanda traçada ou Umbandomblé

Incorporação na Umbanda | Médium de Terreiro

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

ACADEMIA: tratado sobre Caboclo Tupinambá- Ofeitiço da cura: Por Iris Verena Oliveira.

Academia.edu



Dear Antonio,

You read the paper "O CABOCLO FORTE TUPINAMBÁ Aparelhagem sonora, agência e religião em Belém do Pará". A related Candomblé paper was uploaded to Academia.
O feitiço da cura. Histórias do povo de santo, feiticeiras e curandeiros da Bahia (1930-1960)
 Iris Verena Oliveira
757 Views 
Paper Thumbnail
297 Pages
ABSTRACT
A tese teve como objetivo, a análise do universo religioso afro-brasileiro na Bahia entre 1930 e 1960, a partir dos indícios de práticas religiosas identificadas nos processos criminais e jornais que envolveram supostos curandeiros, adeptos do candomblé e feiticeiros. Buscando diversificar as práticas religiosas...
Bahia • Candomblé • Feitiçaria • curandeirismo • Historia Cultural

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

Preceitos e Resguardos na Umbanda- Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira: Por Cristina Alves

Preceitos e Resguardos

790f52e5d1fb978fa48aa1f659d4f628 (1)Preceito (do latim praeceptum) é concebido como um comando ou proibição de realizar uma determinada ação ou omissão.
Deve-se frisar que toda religião tem seus preceitos religiosos, desde o tempo de Jesus Cristo, podendo ser semelhantes ou mesmo diferentes de acordo com a tradição das mesmas.
Bem, cada terreiro e casa de axé tem seus preceitos e resguardos. Estarei citando aqui de acordo com a Umbanda que pratico, somente alguns deles.
  • A abstenção do ato sexual nos dias de gira, e três dias antes da realização das obrigações primordiais e principais  dentro do terreiro.
No sexo há uma troca de fluidos corpóreos, uma troca energética podendo ser saudável ou não. Já li algumas literaturas que falam o seguinte: “…que é melhor liberar o ato sexual nos dias de giras para que se evite que a pessoa fique com maus pensamentos e más condutas, ou mesmo fique nervoso…”. Vejam bem, me perdoem a sinceridade,  para mim, um médium que não consegue se resguardar, se purificar para trabalhar com seus guias e Orixás não deveria nem estar na Umbanda, não é por causa de um dia de abstenção que a pessoa vai morrer, não é mesmo? Será que nossos guias e mentores não merecem esse resguardo. Pensemos.
  • A abstenção de carne, nos dias de gira e obrigações. Muitos dirão: é mais prejudicial o que sai da boca para fora do que entra pela boca adentro, é verdade, até concordo com essa afirmativa, certo ponto. Mas devemos evitar. Mas se o médium não tiver outra coisa para comer, que ele coma, mas coma pouco. Porque a digestão da carne é mais lenta e durante esses processos de digestão, alguns espíritos se alimentam dessa energia podendo ficar mais próximos, dificultando uma boa incorporação e os trabalhos dos guias e mentores. Fora que a produção de ectoplasma do médium fica comprometida para o tratamento de cura.
Quanto a preceitos referentes a alimentação, devemos também lembrar que um tratamento espiritual de cura por exemplo, devemos orientar aos consulentes que sigam tais prescrições para que se obtenha o melhor resultado. Esses preceitos podem variar de acordo com cada problema específico.
  • Banhos de ervas: é muito importante que sejam tomados, para que o campo energético desse médium, esteja equilibrado, energizado, limpo, descarregado. Mas vejam bem, algumas ervas podem causar um efeito ao contrário caso não sejam bem manipuladas, por isso que banhos de ervas devem ser prescritos pelo dirigente e pelos guias chefes, que indicaram os banhos de acordo com que cada filho necessite. Sempre é bom lembrar, que há ervas equilibradoras, frias, mornas, quentes. Nem sempre uma erva que é boa para um filho deverá ser prescrita para outro. Há também preceitos quanto a colheita das ervas quanto a horários, e tem toda uma forma de preparação, raízes são preparadas diferentemente de folhas frescas e secas. Devemos lembrar que algumas ervas depois do meio dia, se negativizam. Por isso que o conhecimento ritualístico sobre ervas é necessário. Outra dica que deixo, tomem cuidado onde compram suas ervas secas, infelizmente a maus comerciantes que andam vendendo mato como se fosse erva, fiquem atentos, principalmente quando se tratar de ervas medicinais essas então exige-se um conhecimento apuradíssimo.
  • A prece, a reza, a oração: para nós é um dos maiores preceitos, nos leva a sintonia, a vibração, a adoração. O ato da oração nos edifica,  nos fortalece, na oração, nos silenciamos e nos resguardamos do mundo profano para nos religar ao mundo espiritual.

  • O uso do uniforme adequado, o cumprimento de horários, o comprometimento também são preceitos e são normas que devem ser vistas com seriedade. Você não vai receber seus guias e mentores, com uma roupa inadequada, suja ou mesmo rasgada. A roupa do médium deve ser bem lavada, perfumada e descarregada, procedimentos que devem ser passados por cada dirigente de acordo com sua tradição. Em algumas tradições mais antigas não se deixa por ex. roupa de santo, pegar o sereno da noite. Uma dica: Lave a roupa branca normalmente, primeiramente para tirar a sujeira mas grossa, depois lave novamente com sal grosso, e no enxague coloque anil ou essências ou mesmo alfazema. Não as misture com outras roupas.

  • Existe todo um preceito até mesmo no acender uma vela da forma adequada, do preparar uma comida, Ex.: não se deve misturar comida de santo no sentido anti horário para não negativar, o médium que está preparando essa comida, deve ter pureza de sentimentos e intenções, não se usa colher de pau do salgado no doce, há os utensílios e itens de acordo com cada Orixá, eteceteras. Vejam que há preceitos dos pequenos atos até os grandes. Algumas comidas devem manter o silêncio absoluto por exemplo, certos preceitos além de serem preceitos são fundamentos, segredos ritualísticos.

  • Dentro da minha tradição pela qual sigo, quando há casal dentro do terreiro, procuramos logo de início trabalhar a individualidade de cada um, onde um não se meta na parte espiritual do outro, o respeito é fundamental. Então cada um respeitará o preceito e resguardo do outro.

  • Abstenção de bebidas alcoólicas no dia da gira: a bebida ela mexe com o inconsciente do médium podendo abrir uma passagem de acesso e trazer presenças não desejáveis e provocando um desequilíbrio. Já vi vários relatos de médiuns de uma forma geral que chegam completamente bêbados dentro da corrente, isso é um absurdo e mais absurdo ainda é saber que há dirigentes coniventes com tais atitudes. Como você vai se apresentar perante seus Orixás e guias num estado de alcoolismo ou mesmo drogado? é no mínimo desrespeitoso. Devemos salientar que nossos guias fazem uso da bebida e do fumo, mas não por vício, no caso da bebida eles trabalham com a volatização da mesma.
Muita pessoas perguntam, porque existem esses preceitos e resguardos?
Porque devemos estar o máximo purificados para lidar com o espiritual, devemos nos aproximar o máximo de sua sintonia, e não eles a nossa. Um médium quando ele está com a matéria não adequada seu acoplamento espiritual fica comprometido, mas também não adianta somente fazer esses resguardos e preceitos somente no dia da gira, se durante o resto da semana, o médium leva uma vida desregrada. O médium deve levar uma vida saudável,  normal, mas deve evitar abusos.
  • Um outro preceito que temos dentro de nossa casa, é que o médium evite de entrar em cemitérios, igrejas, bares e hospitais em dias de gira, locais onde há uma circulação energética muito forte tanto de espíritos positivos quanto negativos. Nos bares há uma circulação de espíritos vampirescos, que adoram tomar um gole, fazendo médiuns de copo, um costume que acho imprudente é aquela mania de jogar um gole para o santo no chão, vão pensando que é santo que está ali. Sabem nada inocentes (risos).
Nas igrejas, todos os dias são rezadas as missas de sétimo dia, então imaginem o que tem de circulação espiritual nelas, no cemitério além de se rezarem missas, há todo um choque espiritual, onde se deve saber entrar e saber sair do campo santo. Veja bem não estou dizendo para não irem na Igreja não é isso, mas evitem de ir em dias de gira, porque muitos espíritos que estão ali podem vir agregados, nem sempre por mal, mas são atraídos pela luz que um bom médium emite. Vejo muitas pessoas dizendo que se sentem mal em igrejas, se sentem sufocadas, angustiadas, algumas pessoas são mais sensitivas que outras, e sentem com maior facilidade essa mudança energética, daí essa sensação de desconforto.
Nos hospitais, eu costumo dizer que há dois portais onde ao mesmo tempo em que se está se nascendo novas vidas, chegando novos espíritos, está também saindo do plano terreno outros. Dentro dos hospitais há uma série de choques emocionais desde o pior sofrimento, até o momento de maior alegria.
Claro que terá situações que serão inevitáveis, nesses casos o médium deverá consultar seu dirigente que saberá lhe orientar de como proceder nessas situações.
Esses lugares se puderem ser evitados em dias de trabalho é bom.
  • Na nossa casa temos muito respeito quanto a horários: Das 3:00 as 4:00hs – horário conhecido como hora da trindade, nesse horário é quando tanto espíritos positivos quanto negativos conseguem melhor acesso a nós encarnados, e quando os portais estão abertos, onde médiuns tem sonhos premonitórios, vidências e desdobramentos.
No horário do 12hs, é um horário que precisa-se tomar muito cuidado, um horário negativo, considerado o horário de Lúcifer o horário do anjo da luz, não se deve profanar nesse horário, com frases negativas, como dizem: se um anjo ruim passar, amém.
O Horário das 18:00hs considerado o horário dos anjos e da Virgem Maria, um dos melhores horários para se rezar e acender velas, horário muito positivo para se voltar a espiritualidade.
Há muitos relatos de caráter paranormal nesses horários, de aparições, horários que devem ser respeitados.
Observem que os preceitos não são meros tabus, existem aqueles que vieram culturalmente, que com o tempo foram descartados, mas outros não o são, e segui-los de forma adequada, pode significar a diferença do dar CERTO do não DAR.
Dentro da religião da Umbanda há ns. outros preceitos fora esses que são os básicos, existem outros que são passados de pai para filho, conhecimentos que entram na parte de fundamento ritualístico de cada casa e tradição, que não podem ser ensinados para qualquer um, somente aqueles que fazem parte daquela egregora.
Mas posso lhes afirmar que há preceitos e resguardos, desde o início até o fechar de uma gira de Umbanda, desde os mais sutis, até os mais complexos.
Espero que tenham gostado da matéria, e volto a frisar, esse é um pedacinho da tradição de Umbanda do nosso Templo.
Você não sabia que tinha tudo isso envolvido? pois é… está  é a diferença de se ter tido bons dirigentes a se espelhar, preceito também está na humildade do ensinamento onde o que sabe mais ensina o que sabe menos, e o mais bonito nisso tudo é que para quem quer e estiver disposto a aprender, na Umbanda nossos guias são exímios professores.

Paz e Luz a todos. Axé.

Cristina Alves
Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.

O ato Sagrado de Acender uma Vela- Templo de Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira: Por Cristina Alves.

O ato sagrado de acender uma vela

Primeiramente quando acendemos uma vela seja para que Entidade ou Guia, Santo, Orixá que for estamos procurando com este ato realizar um religare. O ato de acender uma vela é algo sagrado contido em várias culturas religiosas pelo mundo a fora, e deve-se ser feito com profundo respeito. As velas antigas eram fabricadas utilizando Junco embebidas em sebo, símbolo de iluminação, nos tempos antigos foi considerada artigo de luxo, onde somente pessoas qualificadas tinham a autorização de fabricá-las. Hoje encontramos velas fabricadas de diferentes composições e formatos.
Vamos pegar por base a vela do Anjo da Guarda.
  • A cor da vela do Anjo da Guarda de praxe é branca, podendo também ser usadas velas de mel, é utilizado outras cores principalmente quando se está canalizando a força dos Anjos Cabalísticos.
  • Primeiramente deve-se se escolher um lugar apropriado, limpo. Não se deve acender vela para Anjo da guarda em solo que não seja sagrado, infelizmente já soube de casos de pessoas que acendiam a vela no chão do banheiro, só para constar o banheiro é o lugar mais negativo de uma residência, não se acende vela para entidades e guias nenhum no banheiro. Acredito que não precise se dizer do porquê.
  • No caso do Anjo da Guarda de preferência  utilizar um prato branco, eu particularmente quando compro um prato num estabelecimento seja ele de artigos religiosos ou não, eu costumo lavar bem primeiramente com água, e depois jogo um pouco de água com açúcar e lavo novamente. A água com sal descarrega, mas tira todas as energias tanto negativas quanto positivas, a água com açúcar mantém as positivas.
  • O prato não deve estar lascado, só lembrando que pratos lascados se usa para trabalhos de almas, então cuidado nesses pormenores.
  • Deve-se ungir a vela de preferência com azeite doce, lhe dando um propósito sagrado, fazemos o sinal da cruz, e esfregamos em nossas mãos onde mentalizamos o que queremos e o que estamos buscando alcançar com aquele ato, quando esfregamos as mãos estamos passando a nossa energia para a vela.
  • A árvore  da Oliveira é considera uma árvore sagrada em várias tradições e culturas, foi nela uma das primeiras aparições de Jesus Cristo.
  • Coloca-se um copo de água do lado da vela, a água é vida, não se deve beber a água do anjo da guarda, a não ser que ela tenha um propósito de cura, nesse caso é muito comum colocar umas gotinhas de azeite doce na água e ofertar para a corrente médica do espaço juntamente, caso contrário não se bebe, lembrando que essa forma de canalização sempre vem após uma recomendação de um guia que saberá orientar como deverá ser feito. Na água de anjo da guarda podemos notar que sua forma pode mudar apresentando um aspecto diferente de quando foi colocada, muitas vezes podem aparecer, bolhas, a água ficar turva, nebulosa, gordurosa, a água pode diminuir, pode sair fumaça dela, a água puxa muitas vezes a energia que a pessoa está, principalmente a negatividade que está sendo tirada. Lembrando que muitos desses sinais são ocorridos pela ação do magnetismo.
  • Num assentamento de Anjo da Guarda, que é uma firmeza diferenciada de Anjo da Guarda, essa água é colocada numa quartinha, é muito comum se ver sinais na quartinha como se o Anjo da Guarda estivesse mandando avisos, e ela reflete muitas vezes o próprio estado emocional do filho.  Nunca é bom envolta das quartinhas haverem e aparecerem formigas, caso isso aconteça o dirigente deverá ser comunicado. As formigas simbolizam perda, animais altamente contaminadores, por isso a nível de ritualística ele é considerado negativo. Numa obrigação de assentamento ou firmeza de Anjo da Guarda poderá ser utilizado outros utensílios de acordo com a tradição de cada casa, ex: incensos, essências, cristais, flores etc.
  • A mesma coisa é a presença de ratos, a coisa mais lamentável que existe é ver ratos onde há imagens, velas acesas, ibás etc.
  • Procure sempre depois que a vela apagar, jogar a água do copo no pé de uma planta forte e bonita, mas que não solte leite, e nem tenha espinhos.
  • O astral superior não entende nada de negativo, não pertence a sua sintonia energética. Então quando forem pedir algo sempre positivamente. Por exemplo: Ah meu Anjo da Guarda NÃO tenho saúde, NÃO consigo emprego, estou desesperado. Opte por rezar assim: Gratidão Meu Anjo da Guarda pela boa saúde, pela prosperidade e fartura, pela paz do meu lar. A força da palavra tem grande poder no plano astral.
Velas para guias e Orixás, deve-se ter o mesmo respeito, variando é claro as cores das velas de acordo com a raiz de cada casa. Eu particularmente todas as minhas velas são ungidas e consagradas.
Independente da cor, o que vale mesmo é a INTENÇÃO. Se você precisa acender uma vela para Iança e não tem a vela de sua cor, acenda o branco. Apenas um exemplo.
Esse grande detalhe juntamente com a questão de MERECIMENTO, fazem toda a diferença para que o RESULTADO  seja alcançado.
Um detalhe importantíssimo em toda firmeza para Orixá não deve faltar ÁGUA.
ÁGUA SIMBOLIZA A VIDA.
Algumas pessoas optam por acender as velas nos campos naturais, vamos ter bom senso, e responsabilidade, não se acende velas por exemplo encostadas em troncos de árvores, deve-se limpar bem o chão tirando o excesso de folhas secas, tomando todo o cuidado para que essa vela queime com segurança.
Evitem de acender uma vela grudada na outra, a não ser que seja um trabalho especifico que exija esse tipo de manipulação.
Um outro detalhe importante, não é necessário acender velas de Anjo da Guarda acima da cabeça, tipo colocar em cima de armários, lugares altíssimos, é muito perigoso, porque se essa vela tombar poderá causar incêndios e provocar sérios danos. A vela deve estar na altura do chakra raiz.
Um outro detalhe, se for sair de casa é aconselhável colocar o prato dentro de uma forma, dessas de bolo, com água, porque se a vela tombar do prato, ou mesmo algum animal de estimação tocar nela e a derrubar, não irá causar danos porque irá estar amparada com uma forma cheia de água.
A forma de água é muito útil quando queremos deixar uma oferenda num altar, protege para que não chegue insetos na mesma.
Jamais deve-se acender uma vela sem ter um dono a qual está sendo ofertada. Caso contrário espíritos não muito idôneos podem se canalizar na mesma. Em caso de falta de luz elétrica é um caso aparte, mas assim que a luz voltar apague as velas.
As cores das velas fora a representação dos nossos Orixás, também possuem significados próprios, quanto a intenção e energia.
Vermelha: corresponde a pedidos mais urgentes e específicos
Amarela: sabedoria, prosperidade e discernimento
Verde: saúde
Azul: tranquilidade e paz
Lilás: corresponde a pedidos relacionados a mudanças na vida
Laranja: energia, vigor e força
Branca: neutra; pode ser usada para qualquer pedido, Universal.
Preta:  usada na alta magia (tanto para o bem quanto para o mal), podendo seu propósito variar de acordo com a intenção do manipulador.
(apenas alguns exemplos)
Uma vela bem acesa ela emite sinais que muitas vezes podem surpreender, algumas chegam a mudar a cor da chama ficando azuladas, outras aumentam absurdamente de tamanho suas chamas, algumas chamas podem partir em duas, outras cospem labaredas. A vela é um dos mais antigos instrumentos de magia por isso que o ato de acender uma vela tenha que ser visto com maior responsabilidade e cuidado. E muita concentração para que não haja desvios de canalização.
Muitas vezes as pessoas acendem uma vela para o Anjo da Guarda achando que o Anjo precisa da Luz da vela, mas na realidade essa Luz é para nós mesmos, com esse ato estamos nos iluminando nos religando ao sagrado, trazendo ele mais perto de nós e para nossa proteção.
Quando acendemos uma vela estamos a busca de Paz, de conforto, é o momento que estamos sobre as graças do divino.
Muitas pessoas ficam muito impressionadas por exemplo quando uma vela chora, derrete, sempre acham algo negativo, e nem sempre o é. Primeiramente precisamos verificar alguns detalhes, a qualidade da vela, do material e da parafina, tem velas que compramos para durar 7 dias elas duram 2 e olhe lá, entrada e correntes de ar podem provocar que essa vela queime de uma forma errada, vela acendidas juntas obviamente o calor de uma irá aquecer a outra, apesar de não ser uma regra porque já vi velas unidas queimarem perfeitamente. Muitas vezes as próprias entidades e guias mandam sinais pelas ceras das velas, uma recordação muito bonita que tenho foi uma vez que acendi uma vela para Iemanjá e na cera formou sua imagem.
O sagrado também lê seu coração, então não adianta estar acendendo uma vela e estar pensando bobagens e coisas ruins. Precisa-se ter firmeza, pureza de intenções e muita concentração.
Não entrarei no mérito dos reinos e povos de Exú e Pombogira, porque algumas questões quanto as suas firmezas já entram em méritos de fundamento. E devem ser aprendidos dentro do terreiro.
As cores das velas desses povos e reinos são de acordo com os campos de atuação e magia as quais pertençam. Apenas um ex. Um exú que responda ao reino das matas pode utilizar uma vela metade preta e verde por exemplo.
Um detalhe importante o ato de acender uma vela nunca fica impune, sempre a pessoa deixa seu magnetismo nela, cuidado e reveja para que objetivo esteja utilizando esse instrumento. Se for algo ruim lembre-se você deixou algo seu ali, uma parte sua, e algumas energias vão mas podem voltar e você sentir na própria pele suas intenções. Lembre-se sempre da história do carvão, o mal é como carvão, não ficamos de mãos limpas após tocá-lo. Muita prudência e seriedade neste momento, em caso de duvida consulte um guia idôneo ele saberá te orientar de como proceder.
Espero que com esses toques sutis, possam mostrar a todos que o ato de acender uma vela pode aparentemente ser algo simples mas não o é. Por isso muita cautela, comprometimento e seriedade, ao manipular elementos. A vela é um símbolo de alta magia, um dos instrumentos essenciais em vários ritos religiosos.
Basta enxergar quando nossos guias firmam seus pontos e colocam suas velas, a forma com que manipulam, usam os elementos, as vezes nas situações tão costumeiras que muitas vezes passam desapercebidas pela desatenção dos médiuns, os médiuns deixam de aprender lições preciosas. A vela muitas vezes simboliza a destruição, mas também o renascimento.
ANTES DE ACENDER A VELA NO PLANO FÍSICO OBSERVE SE A VELA QUE AQUECE SUA ALMA TAMBÉM ESTÁ ACESA.

Cristina Alves
Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.

domingo, 22 de dezembro de 2019

�� Tradição e Contradição I Ed. 98 Ao Vivo Umbanda EAD com Pai Rodrigo Qu...

Cursos a serem realizados em 2020 pelo Colégio Pena Branca

Olá Antonio, temos novidades para o próximo ano!
E para você conseguir se programar, estamos mandando a nossa agenda do 1º Semestre de 2020 =)
Agradecemos a atenção e até breve!

Um abraço,
Colégio Pena Branca ❤️

Curso de UMBANDOLOGIA a ser iniciado por Sacerdote Rodrigo Queirós

Saravá

Se você já se questionou por que as Entidades não veem ao terreiro para "dar aulas" ou mesmo explicar o significado de determinado rito por exemplo.
Este e-mail é pra você!

Gostamos de Histórias...

Antonio, nos meus primeiros momentos na Umbanda eu achava que as Entidade iriam dizer algo muito particular da minha vida, tipo "eu sei o que você fez no verão passado" e eu era muito questionada por meus amigos sobre "o que os espíritos sabem sobre nós" 🤦🏾‍♀️
Naturalmente as pessoas são apegadas a adivinhações, contos, lendas e procuram razões místicas para tudo o que acontece em suas vidas.
É unânime!
Quem não tem uma lenda urbana preferida pra contar, adora recitar as passagens de Jesus no deserto por exemplo.
Nós gostamos de história... nos imaginamos em nossos pensamentos dentro de uma novela, e consumimos histórias de todos os jeitos.
Nos comerciais, nas músicas, nos filmes, no teatro, nos livros, no poema, acredito que não deixamos de ser história em nenhum segundo sequer, pois até nos sonhos...contamos história rs.

Linguagem dos Espíritos 

Antonio, acho que Entidades sacaram esse nosso gosto por histórias, não é mesmo? 
E por isso, "a língua dos espíritos" de Umbanda, genialmente é repleta de metáforas. 
Quem nunca escutou de um Preto Velho uma boa história de sua vida passada ou alguma daquelas frases de Caboclo, que na hora você não entende muito, mas depois pensando sobre aquilo algo te acende uma luz e com essa inspiração você muda algo?
Pois bem, e se assim é, tem sua razão pra ser!

"O médico não chega ao corredor dos centros de emergência e começa a explicar para aquelas pessoas como ele fará o socorro. Ele simplesmente resolve o problema, sem que o indivíduo tenha a menor noção do que foi feito para, por exemplo, consertar uma fatura exposta."

Rodrigo Queiroz

Mas Então Não é Possível um Guia Palestrar Sobre Algo? 🤔

Sim, é possível.
Pai Rodrigo Queiroz explica que é possível que durante uma aula do terreiro, um Caboclo incorpore e traga o esclarecimento sobre a função das velas por exemplo, mas esse normalmente não é objetivo. 
E mesmo que isso aconteça a dinâmica de se passar esse conhecimento é outra.
Por isso também, existem pessoas vocacionadas para assimilar todos esses fundamentos e prepará-los de forma que o grande público possa entender. 
E com isso, há também àqueles que possuem a mediunidade pertinente a essa prática de assimilação e transmissão de conteúdos teóricos, filosóficos e mais densos.

"Estar com as Entidades Manifestadas é Algo Muito Caro e Grato. É Especial e Precisa Impactar a Alma das Pessoas."

Rodrigo Queiroz
Estude com Pai Rodrigo Queiroz 100% online
Antonio, e o que eu quero dizer com tudo isso?
É que tudo bem não encontrar as explicações teóricas e mais elaboradas durante a gira, o culto e a incorporação em si.
O argumento de que tudo o que temos que aprender é no terreiro e com as entidades já está até fora de moda rs.
É legítimo o ensino da Umbanda por meio de livros, fundamentos e aulas, assim como é legítimo em todas as outras religiões que se debruçam em estudar sua crença.
A catequese do católico, as células e grupos de estudos dos envangélicos e assim por diante.

Antonio , faz sentido isso pra você?

Estudo e prática caminharem juntos em prol de uma religião mais democrática, livre e respeitosa?
É só entendendo a religião num todo, que você consegue olhar para a prática de outros terreiros e reconhecer ali também a sua fé.
E pra mim, isso é o mais importante! 
A razão não precisa e não pode se distanciar da fé. É assim que nos conectamos.
A Carla me mandou esse e-mail explicando exatamente essa sensação, quando ela afirma que o conteúdo que teve contato a fez refletir ao mesmo tempo que a fez se emocionar.
Que cada vez mais tenhamos o estudo da Umbanda como forma de se desenvolver, se aproximar e aprender um com os outros.
Umbanda EAD é realmente um grande terreiro, ainda que virtual, que reúne milhares daqueles que buscam pela explicação lógica e congregadora.
O Que Não Te Ensinam no Terreiro é a frase slogan de Umbandalogia.
É por meio dessa provocação que convidamos você a pensar junto de nós e ser um confrade da Maior Assinatura de Conteúdos da Umbanda EAD, mentorada por Pai Rodrigo Queiroz. 
Para você saber tudo sobre Umbandalogia de forma simples (e bonita) criamos uma página especial! 😍
Clique no botão azul aqui embaixo e saiba como ser um Confrade! 👇
Assine Umbandalogia e Seja um Confrade
Saravá Antonio até breve!
Júlia.

Controlando a ANSIEDADE- aula 3- Grátis- por Dr. Marco ABUD

Olá, tudo bem? A aula 3 do Workshop Controlando a Ansiedade está disponível!  Nessa aula, você aprenderá sobre as causas da ansiedade. C...