segunda-feira, 14 de maio de 2018

Quem são pretos velhos na umbanda?

O Preto Velho na cultura brasileira está ligado a raízes afro brasileiras em geral e à Umbanda de forma específica.
Pois dentro da religião umbandista este termo identifica um dos elementos formadores de sua liturgia.
Representa uma Linha de Trabalho, uma “falange de espíritos”, todo um grupo de mentores espirituais que se apresentam como negros anciões, ex-escravos, conhecedores dos Orixás Africanos.

São trabalhadores da espiritualidade, com características próprias e coletivas.
Eles valorizam o grupo em detrimento do ego pessoal, ou seja, são simplesmente Pretos e Pretas Velhas como Pai João e Vó Maria, por exemplo.
Milhares de Pais João e de Avós Maria mostram um trabalho despersonalizado do elemento individual, valorizando o elemento coletivo identificado pelo termo genérico “Preto Velho”.
Muitos até dizem “nem tão preto e nem tão velho” ainda assim “Preto Velho fulano de tal”.
A falta de informação é a mãe do preconceito.
E, no caso do Preto Velho, muitos que são leigos da cultura religiosa umbandista desconhecem seu valor dentro das mesmas.

E Preto Velho na cultura brasileira
e na Umbanda fala devagar,
bem baixinho.

Quando assim se pronuncia, todos se aquietam para ouvi-lo.
Parece-nos ouvir na língua Iorubá a palavra “Atotô”, saudação a Obaluayê que quer dizer exatamente isso: “silêncio”.

Nas culturas antigas, o “velho” era sempre respeitado e ouvido como fonte viva do conhecimento ancestral.
Hoje ainda vemos este costume nas culturas indígenas e ciganas.
Algumas tradições religiosas mantêm esta postura frente o sacerdote mais velho, pois trata-se de uma herança cultural religiosa tão antiga quanto nossa memória ou nossa história pode ir buscar; tão antigos também são alguns dos Pretos Velhos que se manifestam na Umbanda.

Muitos já estão fora do ciclo reencarnacionista, estão libertos do karma.
Já desvendaram o manto da ilusão da carne que nos cobre com paixões e apegos que ficarão para trás no caminho evolutivo.
Por tudo isso e muito mais, no dia 13 de Maio, dia em que se comemora a libertação dos escravos negros no Brasil eu os saúdo:
“Salve os Pretos Velhos!
Salve as Pretas Velhas!
Adorei as Almas!
Salve nosso Amado Pai Obaluayê!
Atotô meu Pai!
Salve nossa Amada Mãe Nanã Buroquê!
Saluba Nana!”
Usamos para eles velas brancas ou bicolores, metade preta e metade branca; tomam café e fumam cachimbo.
Trecho retirado do umbandaeucurto.com

SERVIÇO DE DESENCARNE | CALUNGA - LUIZ GASPARETTO

AINDA EXISTE PRECONCEITO DENTRO DA UMBANDA?

A MINHA SENHORA O QUE ANDAM FAZENDO EM TEU NOME?

 Alguns toques conscienciais…
Algumas frases:
Meu filho virou homossexual, porque é médium de Umbanda e trabalha com pombogira. A pombogira fez isso com ele.
Trabalhei com a pombogira e fiquei afeminado.
Pombogira se o homem é hetero e trabalha com ela vira homossexual.
A Pombogira me levou a prostituição.
Algumas frases apenas de muitas que já tive o desprazer de ouvir.
Pombogira não mexe com gênero sexual de ninguém. O que acontece é que muitos que se dizem estar incorporados com elas, na realidade não estão incorporados é com nada, somente estão extravasando suas inclinações íntimas.
O que acontece é que muitos se escondem de suas famílias, mostrando serem heteros, e usam da entidade pombogira para justificar sua homossexualidade.
ACEITAÇÃO, muitos não se aceitam, e não aceitam a realidade e gênero sexual do outro.
É muito fácil usar da pombogira como desculpa, como degrau, como moleta.
Pombogira sua essência é sim extremamente feminina, mas ela não é responsável pelo que fazem em seu nome.
Pombogira entidade forte da Umbanda respeite.
Pombogira de verdade não gosta que brinquem e nem debochem em seu nome.
A triste realidade é que muitos que estão dentro de um terreiro, não estão por fé, nem amor, nem dedicação e muito menos espiritualidade, muitos que estão nela, estão nela por motivos bem escusos, e ficam usando da roupagem de entidades e guias sérios.
Cris Alves – Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.
A imagem pode conter: 1 pessoa

PROIBIÇÃO DE ESTUDO NO TERREIRO.

Os Guias Reencarnam?