sexta-feira, 17 de abril de 2015

Admirem o que as cores podem nos influenciar, curar ou melhorar nosso modo de viver!!!!

AS PRINCIPAIS CORES TERAPÊUTICAS

VERDE

Pode curar congestões e bloqueios agudos;
Pode aliviar e curar processos de doenças quentes; os processos com inflamação, inchaços e dores, e os processos vermelhos;
Atua de modo favorável sobre os olhos hipertensos e fortalece a visualização dos níveis relacionados com a cor púrpura;
Pode harmonizar flutuações do estado de espírito e dar um novo equilíbrio nos casos de insatisfação e impaciência;
Estimula a glândula pituitária (hipófise) e a harmoniza (a hipófise é, junto com a epífise, a mais importante glândula controladora de todo o nosso sistema endócrino e, com isso, também dos chakras! Estes, por sua vez, exercem uma influência fundamental sobre a aura  fechando-se assim, o círculo);
Promove a regeneração das células musculares e das células dos tecidos conjuntivos;
Destrói germes e bactérias;
Purifica o organismo e, assim, inibe os processos de degeneração;
Atua de modo anti-séptico;
Atua de modo semelhante à clorofila (ou seja, como uma base para nossa absorção de oxigênio);
Protege contra influências mentais indesejadas.
O verde é a mais importante cor terapêutica.

VERMELHA

Pode reativar funções já degeneradas do organismo;
Estimula o metabolismo e promove os processos de eliminação;
Provoca a eliminação das substâncias residuais através da pele e, com isso, promove a purificação de eritemas, pústulas e pruridos;
Pode intensificar as funções do corpo, mas também pode excitar e super-estimular;
Aquece o corpo (roupas de baixo e meias vermelhas aquecem mais que as de outras cores);
Estimula a parte do sistema nervoso responsável pelos órgãos sensoriais (isto é, visão, audição, tato, paladar e olfato);
Fortalece a atividade do fígado (equivale à vitamina B12);
Promove a formação de Hemoglobina.
Segundo o Sistema Dinshah, o vermelho atua nas queimaduras através de raios X e raios ultravioleta.
A cor vermelha deve ser usada na cromoterapia de modo muito cauteloso e bem direcionado, pois ela é altamente eficaz e pode levar facilmente a fortes reações.


LARANJA

Pode transmitir a alegria de viver; atua, de modo geral, solucionando problemas e tomando a pessoa mais aberta e ativa;
Elimina o acúmulo de gases no tubo digestivo (efeito carminativo);
Estimula a boa atividade estomacal, ajuda a desintoxicar e a esvaziar o estômago:
Alivia câimbras e dores musculares;
É importante para os pulmões e estimula a capacidade respiratória;
Atua contra soluços;
Ajuda contra o raquitismo e fortalece a construção da estrutura óssea e dos dentes;
Equivale à ação do cálcio;
Promove a atividade de tiróide e atua de modo estimulante;
Ajuda na gravidez.
Muitas fontes da antiguidade afirmam que a cor laranja foi usada com sucesso no tratamento da tuberculose.


AMARELA

Estimula os intestinos e o pâncreas (também na diabete);
Ajuda o fígado a produzir suco biliar e promove a desintoxicação do organismo;
Tem ação estimulante sobre o estômago e os rins;
Estimula o movimento peristáltico dos intestinos;
Ajuda a eliminar vermes e parasitas;
Promove o fluxo linfático;
Estimula o sistema nervoso vegetativo (ou autônomo) e motor (a parte do sistema nervoso responsável pela locomoção);
Ajuda nos sintomas de paralisia;
Pode promover, nos casos de apatia e falta de interesse pelo presente, uma nova atenção ativa pelo mundo;
Pode despertar nova esperança nos casos de resignação e também com os doentes que desistiram de se curar;
Aplicada sobre o plexo solar, pode fortalecer a vontade de viver;
Acalma o baço.
Muitos terapeutas afirmam que o amarelo também fortalece os olhos e os ouvidos. Em certas circunstâncias, ele também ajuda na artrite e na neurite.


LIMÃO

É utilizada em todos os problemas crônicos, para restabelecer o fluxo normal nos casos de bloqueios e congestões;
Ajuda a expelir o muco através da tosse;
Atua purificando os brônquios (e também como expectorante);
Estimula a glândula timo e, com isso, estimula o sistema imunológico;
Promove a atividade cerebral e o fluxo de pensamentos;
Ajuda a soltar muitos coágulos sanguíneos;
Atua como laxante suave e estimula o aparelho digestivo;
Ajuda o sistema nervoso motor (como complemento de outros métodos naturoterapêuticos, na doença de Parkinson);
De modo geral, a cor limão auxilia a restabelecer o fluxo normal nos processos estagnados e nas funções psicossomáticas bloqueadas.
(Obs: Tanto a doença de Parkinson quanto a de Alzheimer têm relação com o alumínio no cérebro. Por isso, evite usar panelas e utensílios de cozinha de alumínio e remédios (ou cosméticos) que contêm alumínio).

AZUL

Pode baixar pressão arterial alta;
Ajuda nas alergias cutâneas de fundo nervoso;
Acalma, traz clareza mental e pode equilibrar explosões emocionais;
Pode resolver tensões e problemas orgânicos de fundo nervoso;
Proporciona um sono tranqüilo (use também, como calmante, roupa de cama azul);
Pode baixar a febre e tem efeito antiinflamatório (efeito antiflogístico). Dinshah diz que na febre, a cor azul atua como sudorífico e, assim, ajuda a expelir substâncias tóxicas;
Estimula a glândula pineal (epífise) e, com isso, constrói nova vitalidade. (A epífise é, junto com a hipófise  ver cor verde - , a mais importante glândula controladora do nosso sistema endócrino.)


ÍNDIGO

Acalma a hiperatividade da tróide;
Harmoniza a respiração irregular e pesada;
Alivia as hemorróidas (aplicar no local);
Atua de modo adstringente;
Pode estancar as secreções e assim, prevenir a propagação de abscessos;
Estimula a formação de fagócitos (úteis células devoradoras que exterminam os microorganismos) ajudando, portanto, na cura mais rápida de feridas;
Reduz a produção de leite, eventualmente excessiva, na lactante;
Atua de modo calmante na agitação excessiva e na hiperatividade;
Alivia dores fortes e agudas;
Ajuda a reduzir inchaços e tumores;
Pode deter sangramentos nasais;
Ajuda na cura de inflamações nervosas (em aplicações alternadas com a cor turquesa).
O índigo é um azul-profundo, mesclado a um pouco de violeta.

VIOLETA

Atua purificando o organismo, tanto nas impurezas exteriormente visíveis (por exemplo, a acne) quanto nos sentimentos interiormente perceptíveis que, de um modo ou de outro, queremos eliminar;
Fortalece a atividade do baço e, com isso, as capacidades de defesa do organismo;
Atua de modo calmante sobre os músculos do coração e sobre outros músculos;
Harmoniza a hiperatividade do pâncreas;
Equilibra os vasos linfáticos sobrecarregados;
Promove  a formação de leucócitos (glóbulos brancos do sangue que agem como o exército de defesa do organismo  é interessante notar que, nos livros com ilustrações do sangue, os glóbulos brancos geralmente são representados na cor violeta);
Promove o equilíbrio vibracional (a sincronização) entre os dois hemisférios do cérebro;
Pode ser útil (assim como as cores magenta, branco e ouro) para a abertura da nossa consciência às experiências em níveis não- matérias e para o estímulo da intuição e da inspiração;
Acalma a superexcitação nervosa; é assim preferível aos tranqüilizantes químico-farmacêuticos.



"Nascer, morrer, renascer ainda, e progredir sempre, tal 頡 lei"
Allan Kardec.

Salve meu Amado OGUM !!!!

Posted: 16 Apr 2015 05:35 AM PDT


A origem do nome
São Jorge nasceu no século III, na Capadócia  – atual Turquia – de origem romana. Seu nome original do santo é Georgius. Jorge vem de geos (terra) e orge (cultivar) que significa, literalmente, cultivando a terra. Outras origens de seu nome podem ser:
  • a junção dos termos gerar (“sagrado”) e gyon (areia), o que nos dá “Areia Sagrada”;
  • o termo gyon pode ainda assumir o significado de “luta”, o que mudaria o significado anterior para “Lutador Sagrado”;
  • por fim, o nome Jorge viria da junção de outros três termos gero, gír e ys (Gerogírys) onde gero = “peregrino”, gír = “cortado” e ys = “conselheiro”, pois Jorge foi peregrino por seu desprezo ao mundo, foi cortado em seu martírio foi e conselheiro na prédica do Reino de Deus.
A vida de São Jorge
O Concílio de Nicéia considerou a legenda de São Jorge apócrifa, pois vários fatos relatados são discrepantes e impossíveis de serem confirmados como verídicos. Assim nos relata Jacoppo em sua Legenda Áurea e, de fato, não há muito como mudar essa situação, em virtude da carência de fontes.
Mas o importante é saber que São Jorge realmente existiu e foi um grande exemplo de vida cristã, muito embora não seja mais possível resconstruir todos os seus passos sobre a terra, como podemos fazer com certa facilidade com outros grandes santos antigos, como São Cipriano e Santo Agostinho. Que falta fazia um Power Point no século III, não é, meus amigos?
São Jorge era um tribuno romano. As fontes antigas dizem que ele teria sido martirizado na cidade persa de Diáspolis, chamada anteriormente de Lida, perto de outra cidade persa chamada Jope. Essa é a versão do calendário de São Beda (em breve, aqui nO Catequista, mais detalhes sobre a vida desse outro grande santo).  Outras versões dizem que seu martírio ocorreu sob os imperadores Dioclesiano (sem a participação dele) e Maximiano. Outros dizem ainda que teria sido sob o Governador Daciano, nos tempos de Dioclesiano e Maximiano.
A lenda do dragão
Essa é a parte que o povo gosta. Foi certa vez, em Silena, cidade da província romana da Líbia, que um dragão chamado Kadafi …não, não, desculpem essa é uma outra história. Mas vamos continuar na Líbia. Às margens de um lago grande como um mar escondia-se uma enorme e pestilento dragão, que aterrorizava a população local.
donzela
A donzela salva pelo santo, segundo a lenda. Detalhe de pintura de Jost Haller
Para impedí-lo de procurar alimentos na cidade, os moradores ofereciam em holocausto à fera um tributo de duas ovelhas por dia. Mas em pouco tempo passou a faltar ovelhas e, para compensar o bicho, que deveria ser chamado de Imposto de Renda, passaram a oferecer uma ovelha e um humano – um rapaz ou uma moça. Só que, depois de algum tempo, também passou a faltar gente, e o sorteio designou a filha do rei para ser entregue ao monstro.
Desesperado o rei implorou ao povo que não oferecesse ao dragão sua filha, só que o povo manteve-se irredutível. O rei apenas conseguiu um prazo de oito dias para prantear sua amada filha. Depois desse período, nada podendo fazer, contra a turba enlouquecida, o rei entregou sua filha ao seu destino e ela dirigiu-se ao lago onde habitava a fera.
Um certo Jorge passava casualmente pelo local e viu a jovem princesa chorando às margens do lago. Ao longe, a galera, como não podia deixar de ser, esperava para ver o bicho vir cobrar seu tributo (devia ter gente vendendo pipoca e cachorro-quente). A jovem avisou ao Santo que ele deveria sair correndo o mais rápido possível dali. São Jorge insistiu para que ela explicasse o quê estava acontecendo, enquando isso, o monstro surgiu, vindo de dentro do lago. O Guerreiro montou em seu cavalo, fez o sinal da cruz e, recomendando-se a Deus, atingiu o monstro na cabeça com força, fazendo-o cair no chão.
Em seguida, Jorge mandou que a princesa colocasse seu cinto no pescoço do dragão, sem medo. Depois disso, o bicho começo a segui-la como segue um cão manso, seu cinto servindo de coleira guia.  Ambos então foram para a cidade, e o povo entrou em pânico ao ver o cavaleiro, a dama e o dragão. São Jorge tratou de acalmá-los, exortando as pessoas a aceitarem o Salvador através do batismo. A cidade toda o fez. Fato consumado, em seguida, São Jorge matou o dragão. Sem contar mulheres e crianças, 20 mil homens foram batizados.
Em homenagem a Maria e ao beato Jorge, o Rei mandou construir na cidade uma enorme igreja, sob cujo altar surgiu uma fonte de água curativa para todos os enfermos. O rei ofereceu a São Jorge muito dinheiro, mas o santo não aceitou e mandou que o rei o distribuisse aos pobres. Ao rei, Jorge deixou ainda quatro conselhos: cuidas das igrejas, honrar os padres, ouvir com atenção o ofício divino e nunca esquecer os pobres. Em seguida, beijou o rei e foi embora.
As perseguições romanas
O governador Daciano, nos tempos de Dioclesiano, em apenas um mês, martirizou 17 mil cristãos (falem mesmo da inquisição, papagaios de pirata!). Esse massacre seria muito maior se não tivesse havido muitos abjurações, em que cristãos amendrontados sacrificaram aos ídolos pagãos, como era a vontade do Imperador.
São Jorge ficou consternado com o que via. Distribuiu tudo que possuía, trocou suas vestes de tribuno pelas humildes vestes dos cristãos e chamou os deuses romanos de demônios, o que enfureceu o Governador puxa-saco. Jorge identificou-se a Daciano como vindo de nobre estirpe da Capadócia, que, com a ajuda de Deus, havia submetido a Palestina, mas que deixaria tudo para seguir ao Deus do Cristo.
sao_jorge_tortura_2
A tortura de São Jorge. Detalhe de pintura de Michael de Coxcien (séc. XVI)
Daciano mostrou toda a sua “civilidade” romana ao ouvir a declaração de Jorge. Mandou-o suspender no potro (um instrumento de tortura romano que recebeu esse nome por ser parecido com um cavalo) e que seus membro fossem dilacerados com garfos de ferro.  Para complementar, mandou ainda que Jorge fosse queimado com tochas e suas feridas salgadas. Na noite seguinte, o Senhor apareceu a São Jorge e o confortou de forma tal que os tormentos pelos quais passou pareciam não ter acontecido, pois mesmo alquebrado, Jorge permanecia fiel e sereno.
Um mágico foi convocado por Daciano, que julgava que os cristãos, na verdade, eram embusteiros, como ele o era (mais ou menos um ancestral debilóide de Richard Dawkins, que é outro debilóide). O mágico prometeu ao governador que dobraria São Jorge ou perderia sua cabeça (literalmente).  Envenenou vinho e deu para São Jorge beber. Fazendo o sinal da cruz sobre a bebida, o santo a tomou e nada lhe aconteceu. O mago se lançou aos pés de Jorge e pediu para tornar-se cristão. Foi decapitado em seguida.
A “farra” de Daciano continuou. Jorge foi colocado na roda de espadas, que quebrou e nada lhe ocorreu. Foi mergulhado em um caldeirão de chumbo derretido e retirado de lá como quem sai de um banho quente.
Daciano viu que, pela porrada, não dava. Então, tentou comprar Jorge e, com mansidão, procurou convertê-lo ao paganismo. Fingindo entrar no seu jogo, Jorge concordou. A cidade então compareceu ao templo para ver o impenitente abjurar. São Jorge então caiu de joelhos e pediu a Deus que castigasse os pagãos. O templo, seus deuses e seus altares foram destruídos por uma chuva de enxofre e os sacerdotes quedaram mortos.
A rainha Alexandrina, esposa de Daciano, vendo o sofrimento de Jorge e as crueldades de seu marido, resolveu abraçar a cruz, o que lhe custou a vida. Seu marido mandou pendurá-la pelos cabelos e surrá-la  duramente. Durante esse martírio, temeu Alexandrina o fato de não ter sido banhada nas águas batismais. Jorge acalmou-lhe o coração e disse-lhe que seu sangue mártir seria seu batismo. E assim foi.
sao_jorge_morte_3
São Jorge sendo decapitado. Afresco na igreja de S. Jorge, em Al Khader, perto de Belém
A Morte de São Jorge
No dia seguinte à morte de Alexandrina, Jorge foi condenado pelo governador a ser arrastado por toda a cidade e, ao final, ser decapitado.
Ele orou a Deus pedindo que todos aqueles que implorassem pedindo a assistência divina, por onde ele passasse teriam seus pedidos atendidos. A voz divina concedeu o seu pedido.  Terminada a horrenda tortura, São Jorge teve a cabeça decapitada. Era o ano de Nosso Senhor de 247.
Daciano não ficou sem castigo: nesse mesmo dia, o fogo do céu caiu sobre ele e sobre sua guarda pessoal, matando-os instantaneamente.

Continua; Conceitos sobre outras Religiões....

8 - QUAL A POSIÇÃO DA DOUTRINA ESPÍRITA ENTRE AS DEMAIS FILOSOFIAS E RELIGIÕES = PARTE

Outras Filosofias

Islamismo

Origem = Arábia

Livro sagrado = Corão ou alcorão

Muçulmano tem o mesmo sentido de Islã

Fundador = Maomé = Mohamed ou Muhammad

Nasceu em Meca - Arábia no sec VI ( 570DC)

Ficou órfão quando criança

Meca tinha influências cristãs, tribais, Judaica e já se cultuava a pedra negra sagrada de Meca.

Todo ano Maomé retirava-se para meditar e um dia aos 40 anos o anjo Gabriel apareceu com um pergaminho e o mandou ler.

Maomé disse não saber ler e pela misericórdia de Deus ele passou a recitar em árabe.

Em árabe a palavra recitar tem a mesma raiz da palavra curam que significa ser alto
O Corão foi escrito após a morte de Maomé e tem 114 capítulos.

Maomé e expulso de Meca e vai para Mediana assim começa a assaltar caravanas para fortalecer seu povo e assim usurpar Meca. 

O nome dado foi Jihad ( luta) ( mais tarde chamado de guerra santa )

Morre em 632 conseguindo unificar as fronteiras e religião de seu povo.

Após sua morte diversos Califas lideraram seu povo .

Ali, parente próximo, foi líder do povo e deu base ao partido Ali ou Shiat Ali ao chamado Xiitas que adotam o Islã como religião oficial e acreditam que o sucessor do Califa tem que ser o parente mais próximo.

Outra facção os Sunitas julgam que a liderança cabe ao indivíduo e assim também o controle do poder.

Existem paralelos do Corão com a Bíblia.

Más não é o mesmo livro.

Ex. Abraão teve somente um filho chamado Ismael e este que Deus pediu para que ele fosse imolado.

Maomé dizia fazer parte de um grupo de profetas dentre eles Abraão, Moisés, Davi e Jesus e havia proximidade entre Cristãos, Judeus e Islã.

Só depois de algum tempo que houve o distanciamento.

Obrigações religiosas:

- credo = fé
- oração 5 vezes ao dia
- caridade = 2,5 % para os administradores
- Jejum = Ramadam = dia de jejum total.
- peregrinação para Meca pelo 1 vez na vida.


"Nascer, morrer, renascer ainda, e progredir sempre, tal 頡 lei"
Allan Kardec.

ACADEMIA: Texto= Renovação da Umbanda Urbana contemporânea: Por Luan Rocha de Campos

Dear Antonio, You read the paper " Algumas observações em torno da renovação na Umbanda urbana contemporânea "...