quinta-feira, 3 de setembro de 2015

                            Equívocos Culturais

autor desconhecido

 

“Uma vez um homem feriu a perna, e teve que andar de muletas.

Esta muletas lhe eram muito úteis, tanto para andar como para outras coisas.

Ele ensinou toda a sua família a usar muletas, e elas se tornaram parte da vida normal. Ter uma muleta ficou sendo parte da ambição de cada um. Algumas eram feitas de marfim, outras enfeitadas com ouro. Escolas foram abertas para treinar o povo no seu uso, cadeiras de universidades receberam doações para tratar dos aspectos mais elevados desta ciência...

Umas poucas pessoas, muito poucas, começaram a andar sem muletas. Isto foi considerado escandaloso, absurdo. Além do mais, havia tantas utilidades para as muletas...

Algumas replicaram e foram punidas. Tentaram mostrar que uma muleta poderia ser usada algumas vezes, quando necessário; ou que os muitos outros usos das muletas poderiam ser resolvidos de outra maneira.

Poucos ouviram.

A fim de superar os precon­ceitos, algumas das pessoas que podiam andar sem esse suporte, começaram a se comportar de forma totalmente diferente das sociedade estabelecida.

Ainda assim, permaneceram poucas.

Quando foi descoberto que, tendo usado muletas por tantas gerações, poucas pessoas, de fato, podiam andar sem elas, a maioria “provou” que elas eram necessárias. “Aqui”, disseram, “está um homem - tentem fazê-lo andar sem muletas. Vêem? - ele não con­segue!”

“Mas nós estamos andando sem muletas”, lembraram os que andavam normalmente.

“Isto não é verdade; é mera­mente uma fantasia de vocês”, disseram os aleijados, porque a essa altura eles estavam também ficando cegos - cegos porque não podiam ver”. (Texto da Sabedoria Oriental)

Caracteristica da Maturidade Extrafísica (Wagner Borges)

ACADEMIA: Texto= Renovação da Umbanda Urbana contemporânea: Por Luan Rocha de Campos

Dear Antonio, You read the paper " Algumas observações em torno da renovação na Umbanda urbana contemporânea "...