quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012


                Conhecendo os Pretos Velhos
Escrito por Administrator   

As grandes metrópoles do período colonial: Portugal, Espanha, Inglaterra, França, etc, subjulgaram nações africanas, fazendo dos negros mercadorias, objetos sem direitos ou alma. Os negros africanos foram levados a diversas colônias espalhadas principalmente nas Américas, em plantações no Sul de Portugal e em serviços de casa na Inglaterra e França.
Os traficantes coloniais utilizavam-se de diversas técnicas para poder arrematar os negros: Chegavam de assalto e prendiam os mais jovens e mais fortes da tribo, que viviam principalmente no litoral Oeste, no Centro-oeste, Nordeste e Sul da África. Trocavam por mercadoria: espelhos, facas, bebidas, etc. Os cativos de uma tribo que fora vencida em guerras tribais, ou corrompiam os chefes da tribo financiando as guerras e fazendo dos vencidos, escravos. No Brasil os escravos negros chegavam por Recife e Salvador, nos séculos XVI e XVII, e no Rio de Janeiro, no século XVIII e XVIII. Os primeiros grupos que vieram para essas regiões foram os bantos, cabindos, sudaneses, iorubás, geges, hauçá, minas e malês.
A valorização do tráfico negreiro, fonte da riqueza colonial, custou muito caro, em quatro séculos, do XV ao XIX, a África perdeu, entre escravizados e mortos 65 a 75 milhões de pessoas, e estas constituiam uma parte selecionada da população. Arrancados de sua terra de origem, uma vida amarga e penosa esperava esses homens e mulheres na colônia: trabalho de sol a sol nas grandes fazendas de açúcar. Tanto esforço, que um africano aqui chegado durava, em média, de sete a dez anos! Em anos! Em troca de seu trabalho os negros recebiam três "pês": Pau, Pano e Pão. E reagiam a tantos tormentos suicidando-se, evitando a reprodução, assassinando feitores, capitães-do-mato e proprietários.
Em seus cultos, os escravos resistiam simbolicamente à dominação. A "macumba" era, e ainda é, um ritual de liberdade, protesto, reação à opressão. As rezas, rezas, batucadas, danças e cantos eram maneiras de aliviar a asfixia da escravidão. A resistência também acontecia na fuga das fazendas e na formação dos quilombos, onde os negros tentaram reconstituir sua vida africana. Um dos maiores quilombos foi o Quilombo dos Palmares onde reinou Ganga Zumba ao lado de seu guerreiro Zumbi (protegido de Ogum).
Os negros que se adaptavam mais facilmente à nova situação recebiam tarefas mais especializadas, reprodutores, caldeireiro, carpinteiros, tocheiros, trabalhador na casa grande (escravos domésticos) e outros, ganharam alforia pelos seus senhores ou pelas leis do Sexagenário, do Ventre livre e, enfim, pela Lei Áurea.
A Legião de espíritos chamados "Pretos-Velhos" foi formada no Brasil, devido a esse torpe comércio do tráfico de escravos arrebanhados da África. Estes negros aos poucos conseguiram envelhecer e constituir mesmo de maneira precária uma união representativa da língua, culto aos Orixás e aos antepassados e tornaram-se um elemento de referência para os mais novos, refletindo os velhos costumes da Mãe África.
Eles conseguiram preservar e até modificar, no sincretismo, sua cultura e sua religião. Idosos mesmo, poucos vieram, já que os escravagistas preferiam os jovens e fortes, tanto para resistirem ao trabalho braçal como às exemplificações com o látego. Porém, foi esta minoria o compêndio no qual os incipientes puderam ler e aprender a ciência e sabedoria milenar de seus ancestrais, tais como o conhecimento e emprego de ervas, plantas, raízes, enfim, tudo aquilo que nos dá graciosamente a mãe natureza. Mesmo contando com a religião, suas cerimônias, cânticos, esses moços logicamente não poderiam resistir à erosão que o grande mestre, o tempo, produz sobre o invólucro carnal, como todos os mortais. Mas a mente não envelhece, apenas amadurece. Não podendo mais trabalhar duro de sol a sol, constituíram-se a nata da sociedade negra subjugada.
Contudo, o peso dos anos é implacavelmente destruidor, como sempre acontece. O ato final da peça que encarnamos no vale de lágrimas que é o planeta Terra é a morte. Mas eles voltaram. A sua missão não estava ainda cumprida. Precisavam evoluir gradualmente no plano espiritual. Muitos ainda, usando seu linguajar característico, praticando os sagrados rituais do culto, utilizados desde tempos imemoriais, manifestaram-se em indivíduos previamente selecionados de acordo com a sua ascendência (linhagem), costumes, tradições e cultura. Teriam que possuir a essência intrínseca da civilização que se aprimorou após incontáveis anos de vivência.
Formação da Falange dos Pretos-Velhos na Umbanda
Depois de mortos, passaram a surgir em lugares adequados, principalmente para se manifestarem. Ao se incorporarem, trazem os Pretos-Velhos os sinais característicos das tribos a que pertenciam. Os Pretos-velhos são nossos Guias ou Protetores, mas no Candomblé, são considerados Eguns (almas desencarnadas), e decorrente disso, só têm fio de conta (Guia) na Umbanda. Usam branco ou preto e branco. Essas cores são usadas porque, sendo os Pretos-Velhos almas de escravos, lembram que eles só podiam andar de branco ou xadrez preto e branco, em sua maioria.
Temos também a Guia de lágrima de Nossa Senhora, semente cinza com uma palha dentro. Essa Guia vem dos tempos dos cativeiros, porque era o material mais fácil de se encontrar na época dos escravos, cuja planta era encontrada em quase todos os lugares. O dia em que a Umbanda homenageia os Pretos-Velhos é 13 de maio, que é a data em que foi assinada a Lei Áurea (libertação dos escravos).
Os nomes dos Preto-Velhos
Há muita controvérsia sobre o fato de o nome do Preto-Velho ser uma miscelânea de palavras portuguesas e africanas. Voltemos ao passado, na época que cognominamos "A Idade das Trevas" no Brasil, dos feitores e senhores, senzalas e quilombos, sendo os senhores feudais brasileiros católicos ferrenhos (devido à influência portuguesa) não permitiam a seus escravos a liberdade de culto. Eram obrigados a aprender e praticar os dogmas religiosos dos amos. Porém eles seguiram a velha norma: contra a força não há resistência, só a inteligência vence.
Faziam seus rituais às ocultas, deixando que os déspotas em miniatura acreditassem estar eles doutrinados para o catolicismo, cujas cerimônias assistiam forçados. As crianças escravas recém-nascidas, na época, eram batizadas duas vezes. A primeira, ocultamente, na nação a que pertenciam seus pais, recebendo o nome de acordo com a seita. A segunda vez, na pia batismal católica, sendo esta obrigatória e nela a criança recebia o primeiro nome dado pelo seu senhor, sendo o sobrenome composto de codnome ganho pela Fazenda onde nascera (Ex.: Antônio da Coroa Grande), ou então da região africana de onde vieram (Ex.: Joaquim D'Angola).
O termo "Velho", "Vovô" e "Vovó" é para sinalizar sua experiência, pois quando pensamos em alguém mais velho, como um vovô ou uma vovó subentendemos que essa pessoa já tenha vivido mais tempo, adquirindo assim sabedoria, paciência, compreensão. É baseado nesses fatores que as pessoas mais velhas aconselham. No mundo espiritual é bastante semelhante, a grande característica dessa linha é o conselho. É devido a esse fator que carinhosamente dizemos que são os "Psicólogos da Umbanda".
                         Eis aqui, como exemplo, o nome de alguns Pretos-Velhos:
Pai Cambinda (ou Cambina), Pai Roberto, Pai Cipriano, Pai João ,Pai Congo, Pai José D'Angola, Pai Benguela, Pai Jerônimo, Pai Francisco, Pai Guiné, Pai Joaquim, Pai Antônio, Pai Serafim, Pai Firmino D'Angola, Pai Serapião, Pai Serapião, Pai Fabrício das Almas, Pai Benedito, Pai Julião, Pai Jobim, Pai Jobá, Pai Jacó, Pai Caetano, Pai Tomaz, Pai Tomé, Pai Malaquias, Pai Dindó, Vovó Maria Conga, Vovó Manuela, Vovó Chica, Vovó Cambinda (ou Cambina), Vovó Ana, Vovó Maria, Vovó Redonda, Vovó Catarina, Vovó Luiza, Vovó Rita, Vovó Gabriela, Vovó Quitéria, Vovó Gabriela, Vovó Mariana, Vovó Maria da Serra, Vovó Maria de Minas, Vovó Rosa da Bahia, Vovó Maria do Rosário, Vovó Benedita
Obs: Normalmente os Pretos-Velhos tratados por Vovô ou Vovó são mais "velhos" do que aqueles tratados por Pai, Mãe, Tio ou Tia.
Atribuições
Eles representam a humildade, força de vontade, a resignação, a sabedoria, o amor e a caridade. São um ponto referência para todos aqueles que necessitam: curam, ensinam, educam pessoas e espíritos sem luz. Não têm raiva ou ódio pelas humilhações, atrocidades e torturas a que foram  submetidos no passado.
Com seus cachimbos, fala pausada, tranqüilidade nos gestos, eles escutam e ajudam àqueles que necessitam, independentes de sua cor, idade, sexo e de religião. São extremamente pacientes com os seus filhos e, como poucos, sabem incutir-lhes os conceitos de karma e ensinar-lhes resignação.
Não se pode dizer que em sua totalidade esses espíritos são diretamente os mesmos Pretos-Velhos da escravidão. Pois, no processo cíclico da reencarnação passaram por muitas vidas anteriores foram: negros escravos, filósofos, médicos, ricos, pobres, iluminados, e outros. Mas, para ajudar aqueles que necessitam escolheram ou foram escolhidos para voltar a terra em forma incorporada de Preto-Velho.Outros, nem negros foram, mas escolheram como missão voltar nessa pseudo-forma. Outros foram até mesmo Exus, que evoluíram e tomaram as formas de um Preto-Velho.
Este comentário pode deixar algumas pessoas, do culto e fora dele, meio confusas: "então o Preto-Velho não é um Preto-Velho, ou é, ou o que acontece?".
Esses espíritos assumem esta forma com o objetivo de manter uma perfeita comunicação com aqueles que os vão procurar em busca de ajuda. O espírito que evoluiu tem a capacidade de assumir qualquer forma, pois ele é energia viva e conduzente de luz, a forma é apenas uma conseqüência do que eles tenham que fazer na terra.
Esses espíritos podem se apresentar, por exemplo, em lugares como um médico e em outros como um Preto-Velho ou até mesmo um caboclo ou exu. Tudo isso vai de acordo com o seu trabalho, sua missão. Não é uma forma de enganar ou má fé com relação àqueles que acreditam, muito pelo  contrário, quando se conversa sinceramente, eles mesmos nos dizem quem são, caso tenham autorização. Por isso, se você for falar com um Preto-Velho, tenha humildade e saiba escutar, não queira milagres ou que ele resolva seus problemas, como em um passe de mágica, entenda que qualquer solução tem o princípio dentro de você mesmo, tenha fé, acredite em você, tenha amor a Deus e a você mesmo.
Para muitos os Pretos-Velhos são conselheiros mostrando a vida e seus caminhos, para outros, são pisicólogos, amigos, confidentes, mentores espirituais. Para outros, são os exorcistas que lutam com suas mirongas, banhos de ervas, pontos de fogo, pontos riscados e outros, apoiados pelos exus desfazendo trabalhos. Também combatem as forças negativas (o mal), espíritos obssessores e kiumbas.
A mensagem dos Pretos-Velhos
A figura do Preto-Velho é um símbolo magnífico. Ela representa o espírito de humildade, de serenidade e de paciência que devemos ter sempre em mente para que possamos evoluir espiritualmente.
Certa vez, em um centro do interior de Minas-Gerais, uma senhora consultando-se com um Preto-Velho comentou que ficava muito triste ao ver no terreiro pessoas unicamente interessadas em resolver seus problemas particulares de cunho material, usando os trabalhos de Umbanda sem pensar no próximo e, só retornavam ao terreiro, quando estavam com outros problemas.
O Preto-Velho deu uma baforada com seu cachimbo e respondeu tranquilamente:
"Sabe filha, essas pessoas preocupadas consigo próprias, são escravas do egoísmo. Procuramos ajudá-las, resolvendo seus problemas, mas, aquelas que podem ser aproveitadas, depois de algum tempo, sem que percebam, estarão vestidas de roupa branca, descalças, fazendo parte do terreiro.Muitas pessoas vem aqui buscar lã e saem tosqueadas, acabam nos ajudando nos trabalhos de caridade".
Essa é a sabedoria dos Pretos-Velhos... Os Pretos-Velhos levam a força de Deus (Zambi) a todos que queiram aprender e encontrar uma fé. Sem ver a quem, sem julgar, ou colocando pecados.
Mostrando que o amor a Deus, o respeito ao próximo, o respeito a si mesmo , a força de vontade e encarar o ciclo da reencarnação, podem aliviar os sofrimentos do karma e elevar o espírito para a luz divina, fazendo com que as pessoas entendam e encarem seus problemas procurando suas soluções da melhor maneira possível dentro da lei do dharma e da causa e efeito.
Eles aliviam o fardo espiritual de cada pessoa fazendo com que ela se fortaleça espiritualmente. Se a pessoa se fortalece, e cresce, consegue carregar mais comodamente o peso de seus sofrimentos.
Ao passo que se ela se entrega ao sofrimento e ao desespero, enfraquece e sucumbe por terra pelo peso que carrega. Então cada um pode fazer com que seu sofrimento diminua ou aumente de acordo como encare seu destino e os acontecimentos de sua vida:
"Cada um colherá aquilo que plantou. Se tu plantaste vento colherás tempestade. Mas, se tu entenderes que com luta o sofrimento pode tornar-se alegria vereis que deveis tomar consciência do que foste teu passado aprendendo com teus erros e visando o crescimento e a felicidade do futuro. Não sejais egoísta, aquilo que te fores ensinado passai aos outros e aquilo que recebeste de graça, de graça tu darás. Porque só no amor, na caridade e na fé é que tu podeis encontrar o teu caminho interior, a luz e DEUS"
(Pai Cipriano).
CARACTERISTICAS:

Irradiação
Todos os Pretos-Velhos vem na linha das Almas, mas cada um vem na irradiação de um Orixá diferente.

Fios de Contas (Guias)
Muitos dos Pretos-Velhos Gostam de Guias com Contas de Rosário de Nossa Senhora, alguns misturam favas e colocam Cruzes ou Figas feitas de Guiné ou Arruda.
Roupas
Preta e branca; carijó (xadrez preto e branco). As Pretas-Velhas às vezes usam lenços na cabeça e/ou batas; e os Pretos-Velhos às vezes usam chapéude palha.

Bebida
Café preto, vinho tinto, vinho moscatel, cachaça com mel (às vezes misturam ervas, sal, alho e outros elementos na bebida).

Dia da semana: Segunda-feira
Chakra atuante: Básico ou sacro
Cor representativa: Preto e branco;
Fumo: Cachimbos ou cigarros de palha.

Obs:Os Pretos-Velhos às vezes usam bengalas ou cajados.
 Texto de: Marco Boeing
ASSEMA CURITIBA

FALSO PAI DE SANTO . EMBORA EXISTA EM TODAS CLASSES......


não caiam nessa ladainha.


Desabafo e depois: Falso pai de santo é preso no RJ por suspeita de extorsão







Escrito por Administração   
Sex, 03 de Fevereiro de 2012 01:18
Pessoal que frequenta o site, muito cuidado com esses anúncios de "Trago seu amor de volta", "Pagamento após resultado", 
por favor,
Essa histório de trabalho para beneficiar ou prejudicar alguém que esse povo oferece, os famosos "Pai de poste" não funcionam, não sejam inocentes, não caiam nesse circuito de bobagem.
A Umbanda como todas as religiões busca a evolução do espírito e o despertar da bondade no coração das pessoas.
Leiam o caso dessa senhora, você quer passar por algo semelhante?
Esse tipo de pessoa que "vende trabalhos" utiliza do medo que as pessoas tem do desconhecido para extorquir, sim safados mesmo, bandidos.

Digo e repito, nenhum espiritualista sério irá cobrar de você alguma coisa, muito menos fazer o mal, se você realmente quiser isso achará quem faça, pois tem vários infelizes e safados que não sabem onde estão se metendo.
Chegará o dia que todos serão desmascarados de maneiras assustadoramente reais. Aí sim eu quero ver.
Não seja ignorante, não seja enganado, enfim, não seja burro para cair nessa.

Agora, a matéria:

Quando leio esse tipo de matéria me indigno, pelo menos o título dela é real, "Falso pai de santo".
O Jornalista que escreveu merece os parabéns.
Um homem que se passava por pai de santo e mantinha uma mulher refém foi preso em Búzios, na Região dos Lagos do Rio. Ele obrigava a vítima a comprar vários bens sob ameaça. O prejuízo chega a pelo menos R$ 75 mil.

 Em depoimento à polícia, a vítima contou que os dois se conheceram em um site de relacionamento e que havia contratado o homem para fazer um trabalho espiritual. A partir daí, ela conta que começou a ser ameaçada.

“A todo o momento ele ficava sempre do lado dela. Durante as compras realizadas ele teria comprado algumas facas e essas facas sempre ficavam perto dele. A partir de um determinado momento, ele já passou a ameaçá-la, dizendo que a entidade iria matá-la, iria matar a família dela, e aí ela não conseguiu mais se libertar dele", explicou o delegado Mário Lamblet, da 127ª DP (Búzios).

Foram cinco dias refém do acusado. A vítima contou também que foi violentada. Os dois se hospedaram em hotéis do Rio, de Cabo Frio e por último Búzios. A história só chegou ao fim quando os dois foram ao banco, onde a mulher entregaria ao suspeito R$ 31.500.

A vítima chegou a sacar o valor da conta. No momento em que o suspeito contava o dinheiro, ela conseguiu escrever um bilhete pedindo socorro e entregar ao gerente do banco. A polícia foi chamada.

No bilhete, a mulher contou que ela e a família corriam risco.

“Quando a viatura encostou e a gente não sabia quem era, foi o momento que ele tentou fugir. Quando a vítima se pronunciou, a gente perguntou o que estava acontecendo, ela apontou para ele, e então, a gente fez a prisão dele", contou o policial militar Tyago Almeida.
Parte do dinheiro foi recuperada. O suspeito foi preso em flagrante. Segundo a polícia, ele já tem passagem pela polícia e vai responder a mais um inquérito.


Fonte: http://www.globo.com



Na aplicação de qualquer receita destinada à composição da felicidade, não te esqueças do aviso de que a felicidade nasce de ti mesmo.

Não aguardes do mundo a segurança que tão somente poderá ser construída por ti mesmo, dentro de ti.

Nunca menosprezes o trabalho que a vida te confiou.

A tarefa que desempenhas hoje é a base de teu apoio futuro.

Aceita-te como és e com aquilo de que disponhas para realizar o melhor que possas.

Observa que não existe criatura alguma destituída de valor e da qual não venhas a necessitar algum dia.

Quanto possível, conserva a luz da virtude que te norteia a elevação, mas não permitas que a tua virtude viva sem escadas para descer ao encontro daqueles que se debatem sob a ventania da adversidade a te pedirem socorro e compreensão.

Sê fiel ao campo da verdade que abraças, sem desconsiderar a parte da verdade em que os outros se encontram.

Usa a paciência nas pequenas dificuldades para que te não falte serenidade nas grandes crises que todos somos levados a facear nas trilhas do tempo.

Não te apegues aos anseios da juventude, nem te acomodes com o cansaço de muitos que ainda não aprenderam a viver com a criatividade da madureza.

Recorda que até hoje ninguém descobriu o ponto de interação onde termina a fadiga e começa a ociosidade.

Em qualquer tempo, exercita a fortaleza espiritual para que as tuas energias não se dissolvam, de inesperado, quando as calamidades da experiência humana se façam inevitáveis.

Resigna-te a transitar no mundo, entre os que se te revelem na condição de opositores naturais aos teus pontos de vista, mas não formes inimigos nem cultives ressentimentos.

Não abuses e nem brinques com os sentimentos alheios.

Guarda a tua paz, ainda mesmo nas grandes lutas.

Não creias em pessimismo e derrota, solidão e abandono, porque, se amas conforme determinam as Leis do Universo, descobrirás a beleza e a alegria em qualquer circunstância e em qualquer parte da Terra.

E jamais desesperes, porquanto sejas quem sejas e estejas onde estiveres, ninguém te pode furtar o privilégio da imortalidade e nem te arredar do esquema de Deus.


EMMANUEL
Página recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier, em reunião
pública da noite de 26 de Janeiro de 1973, na Comunhão
Espírita Cristã, em Uberaba, Minas Gerais


Especialistas tentam decifrar para que servem os pesadelos

Autoconhecimento.Tudo o que acontece no nível onírico tem a função de regular nossas emoções.
Mecanismo onírico ainda suscita pesquisas e investigações
Publicado no Jornal OTEMPO em 22/02/2012
Eles surgem do nada. Alguns são horripilantes, tenebrosos e nos fazem suar e acordar assustados. Na maioria das vezes, são angustiantes. Tentamos gritar, e a voz não sai. A sensação é de queda súbita e livre no abismo. Outras vezes, de aprisionamento. Pesadelo não marca hora e, às vezes, pode, literalmente (inevitável o trocadilho), tornar-se um pesadelo na vida das pessoas. A boa notícia é que os modernos avanços da neurologia já garantem à pessoa o poder de dirigir seus próprios sonhos de forma limitada.
Imagine se, em vez de um algoz, você possa colocar o Rodrigo Santoro ou o Murilo Rosa, por exemplo, no seu sonho ruim. Isso mesmo, os cientistas afirmam que alguém que tenha um pesadelo recorrente pode aprender a substituir seu script aterrorizante por uma versão mais amena.
Bons ou ruins, os sonhos são misturas criadas pelo inconsciente que processa, ordena e guarda emoções do dia, lembranças reprimidas e desejos ocultos.
“Se fossem mera atividade aleatória dos neurônios no córtex cerebral, não seria possível ter sonhos iguais mais de uma vez. Isso prova, como Freud disse, que eles têm significado e são motivados por experiências vividas durante a vigília”, diz o neurocientista Sidarta Ribeiro, 39, chefe do laboratório do Instituto Internacional de Neurociência de Natal e um dos principais pesquisadores do assunto no Brasil.
Persistência. Dizem os especialistas que é comum nos esquecermosdos pesadelos quando acordamos, mas a sensação de impotência e de angústia sem causa aparente perdura e incomoda durante o dia
“Nos levamos os problemas para dormir e trabalhamos durante a noite”, diz Rosalind Cartwright, professora de neurociência da Universidade Rush do Centro Médico de Chicago, que há 50 anos estuda o sono.
Em seu livro “The Twenty-Four Hour Mind” (“A Mente 24 Horas”), ela explica que o cérebro registra as questões emocionais inacabadas do dia e, durante o sono REM (em que os olhos se movem rapidamente e ocorrem os sonhos), as misturas com memórias antigas relacionadas. “O sonho serve para depurar a emoção negativa recente. É como se você limpasse o seu HD para sofrer menos durante o dia”, diz Rosalind.
“Na ioga tibetana, pratica-se sonho lúcido, aquele em que a pessoa tem consciência de estar sonhando, raciocina. Ele se comunica com o meio externo por movimentos oculares ou do polegar e decide o conteúdo do enredo”, diz Sidarta Ribeiro.
Outra técnica é a incubação do sonho pesquisada pela primeira vez nos anos 1990 por Deirdre Barret, da Harvard Medical School. Segundo a psicóloga, o paciente deve escrever seu problema em uma frase curta e colocar a anotação perto da cama. Antes de dormir, revise o problema e, deitado, visualize a questão. Enquanto cai no sono, deve dizer a si mesmo que quer sonhar com o problema. Ao acordar, deve ficar deitado, observando se há resquícios de sonho, e anotar o que lembrar.
Terapia semelhante é a de ensaio da imagem, desenvolvida por Barry Krakow, do Centro Maimonides de Artes e Ciência do Sono, no Novo México (EUA). Consiste em, no estado de vigília, relembrar o pesadelo em detalhes e escrevê-lo mudando o seu fim para um desfecho agradável ou até para um sonho diferente. Depois, a pessoa deve ensaiar a nova versão uma vez por dia, por 20 minutos, durante duas semanas.
Para a psicanalista lacaniana Fani Hisgail, há uma longa estrada a se percorrer “entre o sonho contado, que é o material trabalhado em terapia cognitiva, e o sonho sonhado, que guarda elementos recalcados”. Pesadelos nos dão pistas. Anote-os.
Números
58% das mulheres e 37% dos homens têm pesadelos.
80% das pessoas têm pesadelos esporádicos em resposta ao estresse.
10% dos adultos têm pesadelos frequentes que persistem em média por 12 anos.
PSICOLOGIA
Muitos adultos têm sonho ruim quando fazem tudo errado
Os pesadelos dependem da faixa etária. “Quando acontecem com bebês, são naturais. A consciência do bebê ainda é muito frágil e, para ele, o mundo é muito ameaçador, não é mais cor-de-rosa, como no útero. O bebê tem frio, fome, calor, dor, sente-se abandonado pela mãe”, explica o psicólogo Fernando Rocha Nobre. “Esse choque de realidade faz com que a psique produza sonhos para ajustar as emoções à realidade”, diz.
Depois dessa fase, os pesadelos são expressões do inconsciente para nos mostrar algo. “Os sonhos revelam que não estamos agindo ou reagindo da maneira como deveríamos. Surgem quando você se acomodou em algum momento da vida, adaptou-se a isso e não consegue se renovar. Mostram que você está agindo de maneira inadequada para a situação presente e que precisa se atualizar”, afirma Rocha Nobre.
O psicólogo explica que toda atualização gera dor. “As pessoas não mudam sem sofrimento, sem dor. Pode ser que as mudanças venham através de imagens de morte e, em geral, expressam angústia e dor. Se a pessoa não tiver a sensação de morte, não consegue mudar e, se muda, isso ocorre apenas no mental ou racional”, diz.
Por isso, afirma Rocha Nobre, é comum acordarmos com uma sensação vaga de angústia, de inadequação ao mundo. “O que não desconfiamos é que, durante a noite, pesadelos nos atormentaram para nos pedir mudanças já”. (AED)

Capítulo VIII de O Livro dos Espíritos

Os sonhos são o produto da emancipação da alma, que se torna mais independente pela suspensão da vida ativa e de relação. Daí uma espécie de clarividência indefinida, que se estende aos lugares os mais distantes ou que jamais se viu, e algumas vezes mesmo a outros mundos. Daí também a lembrança que retraça na memória os acontecimentos verificados na existência presente ou nas existências anteriores. A extravagância das imagens referentes ao que se passa ou se passou em mundos desconhecidos, entremeadas de coisas do mundo atual, formam esses conjuntos bizarros e confusos que parecem não ter nem senso, nem nexo. A incoerência dos sonhos ainda se explica pelas lacunas decorrentes da lembrança incompleta do que nos apareceu no sonho. Tal como um relato ao qual se tivessem truncado frases ou partes de frases ao acaso: os fragmentos restantes, sendo reunidos, perderiam toda significação racional.

404. Que pensar da significação atribuída aos sonhos?

Os sonhos não são verdadeiros, como entendem os ledores da sorte, pelo que é absurdo admitir que sonhar com uma coisa anuncia outra. Eles são verdadeiros no sentido de apresentarem imagens reais para o Espírito, mas que, freqüentemente, não têm relação com o que se passa na vida corpórea. Muitas vezes, ainda, como já dissemos, são uma recordação. Podem ser. enfim, algumas vezes, um pressentimento do futuro, se Deus o permite, ou a visão do que se passa no momento em outro lugar, a que a alma se transporta. Não tendes numerosos exemplos de pessoas que aparecem em sonhos para advertir parentes e amigos do que lhes está acontecendo? O que são essas aparições, senão a alma ou o Espírito dessas pessoas que se comunicam com a vossa?
Quando adquiris a certeza de que aquilo que vistes realmente aconteceu, não é isso uma prova de que a imaginação nada tem com o fato, sobretudo se o ocorrido absolutamente não estava no vosso pensamento durante a vigília?
Percebemos que ao lermos os fragmentos acima, somos levados a crer que a significação dos sonhos não passam de demonstrações oportunistas para tirar proveito de alguém, em raras situações pode ser uma mensagem de Deus, mas sejamos racionais e vamos tentar viver nossas vidas sem atropelos.