quarta-feira, 9 de maio de 2018

Quem são afinal os Pretos Velhos na Umbanda?


       Preto-velho na Cultura Brasileira e na                                            Umbanda
por Alexandre Cumino


Pai Antonio foi o primeiro preto-velho a se manifestar na Religião de Umbanda em seu médium Zélio Fernandino de Morais onde se estabeleceu a Tenda Nossa Senhora da Piedade. Assim, ele abriu
esta “linha” para nossa religião, introduzindo o uso do cachimbo, guias e o culto aos Orixás.

O “Preto-velho” está ligado à cultura religiosa Afro Brasileira em geral e à Umbanda de forma específica, pois dentro da Religião Umbandista este termo identifica um dos elementos formadores de
sua liturgia, representa uma “linha de trabalho”, uma “falange de espíritos”, todo um grupo de mentores espirituais que se apresentam como negros anciões, ex-escravos, conhecedores dos Orixás Africanos.

São trabalhadores da espiritualidade, com características próprias e coletivas, que valorizam o grupo em detrimento do ego pessoal, ou seja, são simplesmente pretos e pretas velhas com Pai João e
Vó Maria, por exemplo.

Milhares de Pais João e de Avós Maria, o que mostra um trabalho despersonalizado do elemento individual valorizando o elemento coletivo identificado pelo termo genérico “preto-velho”. 

Muitos até dizem “nem tão preto e nem tão velho” ainda assim “preto velho fulano de tal”. 

A falta de informação é a mãe do preconceito, e, no caso do “preto-velho”, muitos que são leigos da cultura religiosa Umbandista ou de origem africana desconhecem o valor do “preto-velho” dentro das mesmas.

Preto é Cor e Negro é Raça, logo o termo “preto-velho” torna-se característico e com sentido apenas dentro de um contexto, já que fora de tal contexto o termo de uso amplo e irrestrito seria
“Negro Velho”, “Negro Ancião” ou ainda “Negro de idade avançada” para identificar o homem da raça negra que se encontra já na “terceira idade” (a melhor idade). 

Por conta disso alguns se sentem desconfortáveis em utilizar um termo que à primeira vista pode parecer desrespeitoso ao citar um amável senhor negro, já com suas madeixas brancas, cachimbo e sorriso fácil, por trás do olhar de homem sofrido, que na humildade da subjugação forçada e escrava encontrou a liberdade do espírito sobre a alma, através da sabedoria vinda da Mãe África, na figura de nossos Orixás, vindo de encontro à imagem e resignação de nosso senhor Jesus Cristo.

Alguns preferem chamá-los apenas de “Pais Velhos” o que é bonito ao ressaltar a paternidade, mas ao mesmo tempo oculta a raça que no caso é motivo de orgulho. 

São eles que souberam passar por uma vida de escravidão com honra e nobreza de caráter, mais um motivo de orgulho em se
autoafirmar “nêgo véio” e ex-escravo; talvez assim se mantenham para que nunca nos esqueçamos que em qualquer situação temos ainda oportunidade de evoluir. Quanto mais adversa maior a oportunidade de dar o testemunho de nossa fé.

O “preto-velho” é um ícone da Umbanda, resumindo em si boa parte da filosofia umbandista.

Assim, os espíritos desencarnados de ex-escravos se identificam e muitos outros que não foram escravos, nesta condição, assim se apresentam também em homenagem a eles, por tê-los como Mestres no astral.

No imaginário popular, por falta de informação ou por má fé de alguns formadores de opinião, a imagem do “preto-velho” pode estar associada por alguns a uma visão preconceituosa, há ainda os que se assustam “com estas coisas”, pois não sabem que a Umbanda é uma religião, e como tal tem a única proposta de nos religar a Deus, manifestando o espírito para a caridade e desenvolvendo o sentimento de amor ao próximo. 

Não existe uma Umbanda “boa” e uma Umbanda “ruim”, existe sim única  e exclusivamente uma única Umbanda que faz o bem, caso contrário não é Umbanda e assim é com os “Preto-velhos”, todos fazem o bem sem olhar a quem, caso contrário não é de fato um “preto-velho”, pode ser alguém disfarçado de “velho-negro”, o “preto velho” trabalha única e exclusivamente para a caridade espiritual.

São espíritos que se apresentam desta forma e que sabem que em essência não temos raça nem cor, a cada encarnação temos uma experiência diferente. 

Os pretos velhos trazem consigo o “mistério ancião”, pois não basta ter a forma de um velho, antes, precisam ser espíritos amadurecidos e reconhecidos como irmãos mais velhos na senda evolutiva.

Quanto menos valor se dá a forma, mais valor se dá à mensagem, e “preto-velho” fala devagar, bem baixinho; quando assim se pronuncia, todos se aquietam para ouvi-lo, parece-nos ouvir na língua Yorubá a palavra “Atotô”, saudação a Obaluaê que quer dizer exatamente isso: “silêncio”.

Nas culturas antigas o “velho” era sempre respeitado e ouvido como fonte viva do conhecimento ancestral. 

Hoje ainda vemos este costume nas culturas indígenas e ciganas. 

Algumas tradições religiosas mantêm esta postura frente o sacerdote mais velho, trata-se de uma herança cultural religiosa tão antiga quanto nossa memória ou nossa história pode ir buscar, tão antigos também são alguns dos pretos-velhos que se manifestam na Umbanda.

Muitos já estão fora do ciclo reencarnacionista, estão libertos do Karma, já desvendaram o manto da ilusão da carne que nos cobre com paixões e apegos que inexoravelmente ficarão para trás
no caminho evolutivo.

Por tudo isso e muito mais, no dia 13 de Maio, dia da libertação dos escravos eu os saúdo: 

“Salve os Pretos Velhos! Salve as Pretas Velhas! Adorei as Almas! Salve nosso Amado Pai Obaluaê, Atotô meu Pai! Salve nossa Amada Mãe Nanã Boroquê, Saluba Nanã!”.

Usamos para eles velas brancas ou bicolores, metade preta e metade branca, tomam café e fumam cachimbo.

BANHO DE MANJERICÃO


·        
              BANHOS DE DESCARREGO

Banho de manjericão

Você já ouviu falar em banho de manjericão? Sabe dos seus poderes curativos tanto a nível orgânico como espiritual? Então leia o artigo com bastante atenção, pois terá contato com um ensinamento muito interessante e oportuno.
manjericão é popularmente usado na culinária brasileira como um agradável e suave tempero natural. Serve para dar aquele sabor especial nas carnes, sopas e, especialmente nas massas em geral. Contudo, ela não é utilizada apenas para fins culinários, ao contrário, seus poderes são muito conhecidos e utilizados em vários tipos de banho.
Mas então para que serve o banho com manjericão?

Banho de manjericão, para que serve?
O banho de manjericão é um poderoso aliado quando queremos não só reequilibrar as energias, mas também pacificar, ou seja, acalmar o corpo, a mente e a alma.
Esse banho é muito eficaz quando estamos tensos por qualquer situação da vida, pois é extremamente relaxante ou muito usado também antes de acontecimentos que já sabemos serem desagradáveis: apresentação de trabalhos (para os tímidos), reuniões carregadas, estar na presença de pessoas desagradáveis, etc.
Quem pratica o banho de manjericão com regularidade afirma categoricamente que as energias negativas vão embora e os resultados são imediatos!
Em que momento devo fazer o banho de manjericão?
Você deve fazer o banho de manjericão sempre que sentir necessidade, ou seja, que se sentir carregada, sem paz ou até mesmo como prevenção de momentos inevitáveis de estresse, como uma reunião chata de condomínio por exemplo. Não existe contra indicação para esse banho, portanto, faça-o sempre que desejar, mas lembre-se: sempre deva banhar-se dos ombros para baixo, nunca molhe a cabeça.
Como fazer banho de manjericão?
Apesar de ser extremamente benéfico e eficiente, o banho de manjericão é muito simples de ser preparado e executado. Quer saber como fazer o banho de manjericão? Então continue lendo o presente artigo.
Itens necessários: uma panela, um ramo de manjericão e água filtrada.
Modo de fazer: Coloque a água filtrada na panela e leve ao fogo médio até que ferva. Após levantar fervura, coloque o ramo de manjericão e tampe a panela. Após a efusão deixe o conteúdo esfriar até que fique na temperatura ambiente, coe e transporte todo o líquido para uma vasilha bem grande, para que possa levar ao banheiro.
O banho de manjericão em si
Tome o seu banho diário normalmente, com os produtos de higiene corporal que sempre usa. Ao final, desligue o chuveiro, pegue o caldo com o manjericão e derrame o líquido, conforme já orientamos aqui no artigo, sempre dos ombros para baixo. Certifique-se que todo o seu corpo foi “contemplado” pelo banho.
Quando terminar, não procure se enxugar, se seque apenas de leve com a toalha de banho (que de preferência deve ser recém lavada) e vista a roupa.
Verás como em muito pouco tempo você se sentirá mais leve, tranqüilo e com aquela sensação de paz de espírito que todos nós sempre buscamos e adoramos. Além, é claro, de um forte sentimento de poder pessoal, de força de realização, etc.
Banho de manjericão com açúcar
O banho de manjericão com açúcar é a versão do banho de manjericão tradicional só que mais específico para as questões do amor.
Se por acaso você esta passando por problemas tensos em seu relacionamento, esse banho pode ser de grande ajuda. Se até mesmo seu casamento estiver ameaçado e o clima em casa não estiver bom, tal banho é sim muito eficaz.
Para realizar esse banho, basta fazer o banho de manjericão tradicional, só que no mesmo momento em que você colocar na panela o ramo da planta, coloque um copo de 250ml de açúcar também! O restante dos procedimentos é igual!
Links úteis:
Você verá como muita coisa irá mudar para melhor após esse banho!

VAMPIRISMO LEIAM

Se você pudesse ver a energia das pessoas, não dormiria com qualquer um!

 

Compartilhar no Facebook 
É muito importante saber e conhecer aqueles com quem nos relacionamos.

Há aqueles que somam com a nossa energia e nos trazem sensações incríveis, elevando nossas vibrações e atraindo acontecimentos positivos para nossas vidas.

Porém há vampiros energéticos que além de nos sugar, deixam como um presente nada positivo, seus lixos mentais, emocionais e espirituais.

Ser seletivo é importante.

Não em questão de beleza, mas sim quanto ao que há por trás dela.

A alma guarda todos os segredos de alguém.

Portanto, busque não apenas estar perto, mas se relacionar com pessoas cuja energia te agradem e te façam bem.

Procure conhecer o que há em seu interior, quais seus medos e inseguranças, seus pensamentos (positivos ou negativos).
Pois é isso que será transmitido para nós.

A energia não pode ser vista, mas se pudesse, ela mostraria mais sobre nós do que imaginamos.

Por que os sensitivos se sentem mal perto de algumas pessoas?

Os sensitivos são seres humanos que possuem sensibilidade emocional aumentada.

Esse conceito foi apontado pela psicóloga Dra. Elaine Aron em 1991, que apontou através de estudos que entre 15% e 20% da população mundial possui esse tipo de sensibilidade mais aflorada porque os seus cérebros processam informações sensoriais de forma diferente e por isso possuem habilidades e expressas de maneira mais intensas que os demais.

Os sensitivos – também chamados de empatas – são portanto mais sensíveis a emoções, comportamentos e energias de pessoas e lugares. A presença de algumas pessoas ou a entrada em lugares específicos podem fazer com que um empata se sinta mal. Entenda mais sobre isso.

A sensibilidade aflorada dos sensitivos e o que isso pode causar

Normalmente, quem é considerado um sensitivo considera isso como uma qualidade, uma habilidade positiva.

São normalmente excelentes ouvintes, pessoas caridosas com muita clareza de pensamento, conhecidos por darem bons conselhos.
Leia mais: 30 traços de uma pessoa SENSITIVA

Mas devido à sua sensibilidade emocional aumentada eles são muito influenciáveis pelo ambiente ou por pessoas, são capazes de detectar energias carregadas que estão impregnadas no lugar, detectam mais facilmente comportamentos falsos e não conseguem lidar com pessoas pretensiosas e/ou mentirosas.

Comportamentos e situações em que um sensitivo se sente mal

Todo mundo pode ser capaz de identificar sinais de falsidade no discurso humano, os empatas possuem maior facilidade devido à sua extrema sensibilidade.

Lidar com alguém hipócrita ou falso pode ser tolerável para pessoas comuns, mesmo que eles saibam dessa característica da pessoa, para os sensitivos, isso é praticamente uma tortura, um desconforto intenso.

Sentem-se cansados, sentem que sua energia foi drenada, sentem-se frustrados, muitas vezes ficam com as mãos úmidas, com o coração disparado e o bocejo é uma reação muito freqüente.

Veja abaixo algumas situações que fazem com que um sensitivo se sinta mal:

- Falsos elogios – eles detectam logo a falsidade e mal conseguem disfarçar a sua decepção
- Pessoas que aumentam suas vitórias para ganhar aprovação e reconhecimentos dos outros
- Pessoas que renunciam à sua personalidade ou tentam ser aquilo que não são para se sentirem por cima
- Falsas delicadezas com intenção de receber algo em troca
- Pessoas que estimulam a inveja e o ressentimento
- Quem age de forma dura e insensível para ocultar dos outros a própria dor ou sensibilidade

Reações comuns dos sensitivos nestas situações

Muitas vezes os sensitivos nem conseguem explicar o porquê de estar se sentindo mal e o que está causando isso nele.

Alguns deles conseguem identificar o foco, mas outros só conseguem pensar em se afastar do ambiente e das pessoas que ali estão, e normalmente ouvem: “O que aconteceu? O que ele(a) te fez de mal?” sem saber explicar exatamente o porquê. Ficam nervosos, tensos e têm dificuldades de formar frases com clareza, o que em situações normais eles têm muita facilidade.

Se o sensitivo precisa estar em um ambiente ou perto de alguém que lhe faz mal, ao se afastar ele se sente enjoado, tonto, podendo inclusive ter ânsia de vômito. Ficam muito calados, sem querer continuar a conversa e muitas vezes, ao se afastar da pessoa ou do ambiente sentem um inexplicável sentimento de culpa.

AB Responde | MINHAS DORES NO CORPO SÃO ESPIRITUAIS?

ENTENDA E RESPEITE SEMPRE OS MAIS VELHOS !





UMA VISÃO ESPIRITUAL DO ENVELHECIMENTO

Gerrit Gielen
 


Se você aceitar o que a mídia fala sobre envelhecer, poderá achar que isso é a pior coisa que pode acontecer a um ser humano. Para a sociedade em geral, uma população idosa é considerada um desastre. Lares para idosos lotados, cuidados com a saúde inacessíveis, demência e deterioração geral é o que vem sendo associado com o envelhecimento.
Todos nós estamos envelhecendo. A cada segundo que passa, perdemos um pouco da nossa juventude. Este é um processo natural, ao qual todas as criaturas vivas estão sujeitas. Como foi que chegamos ao ponto de abominar um processo tão natural? Existe algo de errado com a natureza? Ou existe algo de errado em nós, com a nossa maneira de pensar sobre o envelhecimento?
Como será que as próprias pessoas idosas se sentem em relação à “tão temida” velhice? Pesquisas científicas que medem a felicidade relativa à idade mostram uma curva em forma de U. Pessoas jovens e idosas são as mais felizes. Durante a meia-idade é mais provável que você seja mais infeliz do que quando você é jovem. As pesquisas mostram que as pessoas idosas são até mais felizes do que as jovens!(1) Como é possível isto? Como pode ser que, apesar do envelhecimento ser associado a tantos problemas, as pessoas geralmente comecem a sentir-se mais felizes assim mesmo? Examinemos o ciclo da vida de um ser humano a partir de uma perspectiva espiritual.


NASCIMENTO: A PERDA DE NÓS MESMOS

Do ponto de vista espiritual, nascer é deixar o reino da alma – uma atmosfera de alegria e paz – e dar um mergulho na matéria. No reino da alma, as restrições de tempo e espaço e o sentimento de separação que experimentamos na Terra não existem. Liberdade é uma dádiva natural. Além disto, tudo ao nosso redor irradia beleza, amor e harmonia; medo e sofrimento estão ausentes. No entanto, em algum momento, nós aceitamos o convite da Mãe Terra para nascer como ser humano. A cada nascimento, nós iniciamos um longo processo de descida e conexão com a atmosfera física. Na literatura antiga, o nascimento de uma alma encarnada é chamado de “o aprisionamento da alma”. A alma pousa no reino denso e limitador da matéria, no qual cada ser parece separado do outro. A alma tem dificuldade para manter sua vibração natural nesta atmosfera; ela não pertence a este lugar, e só pode sobreviver afastando-se dele regularmente. Este afastamento é o que chamamos de sono, e é essencial não apenas para o nosso corpo, mas para o nosso espírito.
Embora o nascimento marque o inicio de uma nova encarnação, nesse momento o processo de descida da alma ainda está longe de ter se completado. A descida continua até por volta dos 40 anos de idade, quando o mergulho na matéria chega ao seu pico: como adulto, você habita totalmente o plano da matéria e a sociedade humana. Do ponto de vista da sua alma, você está então no ponto mais distante da sua fonte, do reino celeste de onde você veio. Na fase de encarnação mais profunda, a distância da sua origem é a maior. Na infância, o vínculo com a esfera original da alma ainda é forte. As crianças geralmente são intuitivas, espontaneamente alegres e totalmente concentradas no momento presente: estas qualidades são naturais da alma. Desfrutar e explorar a vida de forma alegre e desinibida é natural para a criança, assim como para a alma. Infelizmente, nossa sociedade foi dominada por uma noção distorcida, masculina, da espiritualidade, que não reconhece essas qualidades como espirituais, mas como sinais de imaturidade. Este retrato pesado e grave da espiritualidade realmente não vem do Cristianismo original. Na Bíblia ainda existem vestígios da perspectiva da alma. Em Marcos 10:14, por exemplo, Jeshua dia: “Deixai vir a mim as criancinhas, não as impeçais, pois elas pertencem ao Reino de Deus.”
 

PUBERDADE: A DESCIDA

Antes da idade adulta, há uma fase de transição de puberdade, seguida pela juventude. A consciência desce mais profundamente na atmosfera material; a distância da nossa Fonte aumenta. A felicidade e autoconfiança naturais da infância se perdem. Surgem dúvidas e medos; nada mais é tido como garantido e confiável. Haverá rebeldia e incerteza, geralmente relacionadas com o ambiente em que se vive: os pais, a escola, ou a sociedade em geral – tudo isto estará frequentemente sob julgamento crítico. Inconscientemente, eles levam a culpa da perda que é sentida pelo adolescente e jovem adulto. Mas, essencialmente, sua rebeldia é direcionada ao seu próprio desenvolvimento interior – à descida mais profunda na realidade terrena e uma separação maior da Fonte.
No reino da alma, ter um lugar único dentro do todo é um atributo natural. Você não duvida do seu direito a existir e sente intuitivamente qual é o seu papel no esquema maior das coisas. O conhecimento de que o cosmos não está completo sem você, de que você é parte integrante desse todo maior, faz com que se sinta seguro e bem cuidado. Na puberdade, esta percepção se perde e o resultado é uma crise de identidade. Esta crise pode ser tão massacrante, que alguns jovens tornam-se viciados em drogas ou álcool, e, em alguns casos, até cometem suicídio. Tais atos de desespero muitas vezes se originam de um desejo profundo de restabelecer a conexão com a alma.
Felizmente, no entanto, a rebeldia não é a única característica deste período. Puberdade e adolescência constituem também uma fase em que muitos aspectos da vida terrena são explorados com entusiasmo e curiosidade. Você pode começar a se interessar pela natureza, música, literatura, ou explorar ideias novas e provocativas. O interesse nos outros aumenta; você se apaixona pela primeira vez. Talvez o mais importante é que você começa a sentir sua própria originalidade, sua própria individualidade. Cada alma é única e traz suas próprias sementes para a Terra; sementes que germinam durante a infância e emergem do solo durante a adolescência. Geralmente, nesta fase da vida, surgem pensamentos e sentimentos originais, que terão um impacto durador no seu futuro e tomará forma definitiva na idade adulta.
Se tudo correr bem, a perda da infância coincidirá com um período de redescoberta de quem você é, independente dos seus pais e educação. Esta redescoberta garante que, em longo prazo, a rebelião desaparecerá e a corrente da Vida o levará a lugares novos e emocionantes. A dádiva mais valiosa que se pode oferecer a alguém que esteja passando pela puberdade e juventude é a confiança; confiar que existe um caminho e um lugar para ele neste mundo confuso, independentemente de quão “diferente” ele seja, independentemente de sua aparente incapacidade de se ajustar. É exatamente da sua originalidade e individualidade que o mundo precisa e são elas que guardam a contribuição única da sua alma.
 

IDADE ADULTA: O PONTO INFERIOR DA NOSSA VIDA

A idade adulta, o ponto alto da vida física é, na visão espiritual, o ponto inferior de nossa vida. A distância do reino da alma – da nossa própria alma – agora é a maior. Nesta fase, estamos no ponto mais distante da nossa origem espiritual; estamos totalmente imersos no reino material e nos identificamos com nossa personalidade humana e nossas conquistas. Durante esta fase, os humanos, em média, são mais infelizes. O mundo físico, com suas leis e restrições, é vivenciado como a única realidade. Muita preocupação se volta para o dinheiro e a propriedade, para o status social e o trabalho duro. Esta fixação faz com que as pessoas se esqueçam mais ainda de si mesmas. A identificação com o plano físico na idade adulta geralmente é tão forte que a pessoa tende a sentir que isto é tudo que existe, e que a vida gira em torno destas questões. Pode haver a presença de crenças espirituais, mas geralmente estas são derivadas de religiões tradicionais que, em grande parte, são baseadas no medo e dogmas. As religiões tradicionais têm uma imagem distorcida da espiritualidade e geralmente fazem mais mal do que bem. A coisa mais importante que um adulto pode conseguir, do ponto de vista espiritual, é cultivar as sementes que trouxe para a Terra como alma e permitir que elas cresçam e se transformem em belas flores. Esta é a nossa verdadeira missão, a qual só pode ser cumprida ao permanecermos fieis a nós mesmos, não nos deixando ser arrastados pelas pressões e regras da sociedade.
É bastante frequente que esta missão falhe. Na idade adulta, os ideais da adolescência e puberdade, assim como os desejos e sonhos da infância, geralmente são considerados inviáveis e ingênuos. Afinal, eles não se ajustam àquilo que a sociedade parece esperar de nós e considera realístico. Formas autênticas de auto-expressão que ainda permaneçam podem ser rotuladas de egoístas, irresponsáveis ou até insanas. “Aja normalmente, comporte-se como um adulto responsável!” Precisamos nos ajustar ao mundo social, caso contrário estaremos fora de lugar… trabalhar 40 horas por semana e tirar três semanas de férias por ano. Lembro-me da tristeza que senti no dia que entrei no jardim da infância. Com quatro anos de idade, eu já podia sentir o que estava planejado para mim: anos e anos de escola e depois trabalho. Ficava me perguntando quando eu voltaria a ser livre. Num teste no final da escola primária, me foi perguntado o que eu gostaria de ser mais tarde na vida, e minha resposta foi “rentista”. Eu só queria ser livre de novo; não queria ser forçado a entrar num sistema que me dissesse o que fazer e o que não fazer.
Felizmente, na minha vida adulta, consegui encontrar um trabalho confortável, em tempo parcial, que me permitia trabalhar não mais do que três dias por semana. Outras pessoas achavam estranho que eu, sendo um homem adulto, não tivesse nenhuma carreira e pouca ambição, e preferisse passear pela natureza, ler livros e ter conversas filosóficas com meus amigos. Só por volta dos quarenta anos fui perceber que era aceitável e até praticável ser tão diferente assim. Transformei meus hobbies (pensar em filosofia e espiritualidade, praticar hipnose) em trabalho. Acabei deixando meu trabalho em tempo parcial. Descobri que podia ser livre, fazer as coisas que eu realmente gostava e viver disso. A chave era a confiança: ter fé nos talentos originais e exclusivos que minha alma trazia consigo e confiar que a Terra me acolheria e recompensaria por compartilhar esses talentos. Com esta compreensão, comecei o caminho “para cima”, o caminho de volta à minha natureza espiritual.


ENVELHECIMENTO: O CAMINHO “PARA CIMA” NOVAMENTE

Quando envelhecemos, iniciamos o caminho “para cima” de novo, o caminho de volta para a alma. O ponto inferior, em que estávamos totalmente encarnados e identificados com o plano material, passou. Podemos liberar esse foco unilateral, e geralmente somos estimulados a fazer isso pelos desafios que encontramos na vida, ou ao nos confrontarmos com a crescente fragilidade do nosso corpo. Estamos voltando “para cima”, para finalmente retornarmos à Fonte. O movimento natural do envelhecimento é o crescimento em direção à Luz, identificando-nos com a realidade maior da alma em vez de com a realidade limitada do corpo e personalidade. Portanto, de um ponto de vista espiritual, tornamo-nos mais e não menos, quando envelhecemos: sabedoria, confiança e alegria têm mais probabilidade de aumentar.
O ser humano que envelhece natural e honradamente está ciente de que é muito mais do que seu eu terreno; compreende que seu eu verdadeiro se eleva acima dos papéis que ele desempenhou no plano material da Terra. À medida que o apego a esta realidade diminui, ele começa a perceber novamente quem ele realmente é: um ser eterno de Luz viva. Infelizmente, este processo natural e honroso muitas vezes é dificultado por crenças sociais profundamente enraizadas. Vivemos numa sociedade que, de modo geral, acredita que a realidade física é tudo o que existe, que não há nenhum eu verdadeiro além do eu terreno e, portanto, envelhecer é uma coisa ruim. As pessoas se tornaram completamente identificadas com a personalidade e o corpo físicos. O envelhecimento é associado à perda e decadência, a um movimento em direção ao nada.  Assim, muitas pessoas se opõem ao próprio processo de envelhecimento, e esta resistência interrompe a ascensão natural em direção à alma, a mais alegria e luz. Resistir ao processo de envelhecimento cria uma profecia que se cumpre por si mesma: aquilo que você teme torna-se realidade porque você o teme. A resistência faz com que a pessoa se apegue à dimensão física e ao corpo. Este apego é uma negação e uma fuga da sua luz interior, e isto tem uma série de consequências trágicas para o ser humano que envelhece.
 - Primeiro, o corpo idoso poderia se beneficiar enormemente de uma conexão profunda com a alma. Quando uma pessoa se conecta com o plano da alma durante o processo de envelhecimento, a energia do reino espiritual flui com mais intensidade para seu corpo.  O corpo é elevado e revitalizado pela luz e alegria desse reino e adquire força e saúde extras a partir disso; as doenças da idade idosa têm menos efeitos sobre ele.  Mas se a consciência não se concentra no que existe para além do aspecto terreno e se agarra desesperadamente ao físico, o corpo tem que se manter sem essa energia adicional. Isto aumenta o risco de problemas de saúde.
- Em segundo lugar, na sociedade em geral, as pessoas mais velhas poderiam desempenhar um papel importante: o de transmitir conscientização espiritual e sabedoria para as gerações mais jovens que estão concentradas no reino físico e nas exigências da sociedade. Através de sua experiência de vida e crescente conexão com a dimensão da alma, o idoso tem uma influência positiva nos mais jovens ao compartilhar sua luz, suas percepções e sua compaixão. Ele pode oferecer uma perspectiva mais ampla das coisas e ouvir com paciência. Por natureza, todo mundo sente mais sabedoria, paz e serenidade nas pessoas mais velhas.
A influência positiva do idoso pode se expressar de diversas formas: desde uma personalidade espiritual influente até uma doce e sábia vovó para a qual toda a família se volta em busca de conselho. Inclusive, existem escritores, artistas e terapeutas de idade avançada, que estão fazendo um trabalho excepcional e, sem saber, inspirando muitas outras pessoas. Os idosos são a ponte entre o reino do atemporal e o mundo prático da vida cotidiana. A sociedade na qual o valor do idoso não é reconhecido é uma sociedade que perdeu a conexão com o espiritual. Vemos, então, uma sociedade que vive correndo freneticamente… olhe à sua volta.
Quando a pessoa que está envelhecendo não consegue assumir seu lugar natural na sociedade, tanto a sociedade quanto a própria pessoa sofrem. A vida de um idoso tende a se tornar solitária, pequena e aborrecida. Não é trágico que, justo na idade em que o ser humano está idealmente pronto para o trabalho espiritual, ele seja relegado a segundo plano? Você já ouviu falar de algum escritor ou artista que desistiu quando completou 65 anos? Imagine quantos livros maravilhosos e trabalhos de arte nós deixaríamos de ter se essas pessoas se deixassem levar pela regra insana de ter que parar de trabalhar a partir dessa idade! Neste momento, estou lendo as memórias de Claude Lanzmann, nascido em 1925, produtor do filme Shoah(2). A cada página fico mais encantado e comovido com a erudição, sabedoria e riqueza deste livro. De acordo com os padrões da nossa sociedade, este homem deveria ter se aposentado há vinte anos e não fazer mais nada. Absurdo! Os idosos estão sendo rebaixados e se rebaixando… o resultado é a degeneração física e mental.


ENVELHECIMENTO: 5 SUGESTÕES PARA TORNAR O CAMINHO MAIS LEVE

Para se encontrar um modo mais natural e digno de se envelhecer, nesta sociedade que mantém quadros tão negativos sobre a velhice, é necessária uma mudança radical de pensamento. Aqui estão algumas sugestões:
1.    Esqueça tudo o que a sociedade lhe diz sobre envelhecer e ser idoso.
A visão da sociedade sobre o envelhecimento não é espiritual; não considera o ser humano como portador de uma alma eterna, mas como um organismo que gradualmente para de funcionar e se torna inútil. Entretanto, cada ser humano que vive a vida com o coração aberto e a mente aberta chegará à conclusão de que existe mais na vida do que apenas isso. A vida tem uma dimensão espiritual e, na verdade, esta dimensão é muito mais fundamental do que a física. Como idoso, você pode se conectar mais facilmente com essa dimensão e obter inspiração e força a partir dela.
2.    Compreenda que nada se perde nunca.
Nada nem ninguém ficam “perdidos na noite”; tudo o que tem valor permanece. Uma das primeiras coisas que descobrimos, quando morremos e temos acesso ao outro lado, é que tudo ainda está lá. Os membros da nossa família e amigos queridos, o mundo da nossa infância, nossas experiências mais queridas – tudo ainda está lá. E podemos nos conectar com nossos entes queridos e reviver algumas experiências, se assim escolhermos – tudo está lá para nós. Seguindo o fluxo da vida e nos entregando ao processo de envelhecimento, nós chegamos a esta dimensão atemporal onde tudo de real substância é preservado. Se tivermos a coragem de deixar ir, poderemos ter vislumbres dessa dimensão. Chegaremos, então, a compreender, no nível interno, que nada está perdido; e este conhecimento interior nos trará paz e serenidade.
3. Saia para o mundo. Este é o momento de deixar sua luz brilhar. Ela servirá à humanidade e aos seus companheiros humanos.
Os jovens geralmente não entendem os idosos. Como estes podem ser tão cordatos, pacíficos e felizes, enquanto enfrentam diariamente a perda da saúde e das capacidades, além da proximidade da morte? A resposta é que o idoso possui um conhecimento interior que o jovem não possui. O idoso geralmente foi marcado e amadurecido pelas experiências da vida que o tornaram mais manso e amável do que a média dos jovens. A pessoa idosa teve que se desapegar e entregar com mais frequência. A partir daí desenvolveu uma equanimidade que lhe traz paz e felicidade. O idoso prestaria um grande serviço à sociedade e aos seus companheiros humanos mais jovens, se estivesse consciente dos seus próprios talentos e os compartilhasse. Observe sinceramente o que o mundo precisa hoje. Telefones novos, carros mais velozes? Não. Sabedoria, calma e tranquilidade. Não é isto que o idoso tem a oferecer?
4. Veja a relatividade dos papéis que as pessoas desempenham. Não os leve tão a sério. 
A vida é um jogo. As pessoas (leia-se: os adultos), que estão completamente engajadas neste jogo, levam seus papéis muito a sério. Não se deixe levar demais pelo jogo; mantenha uma certa distância. Enxergue através dele; observe os jogadores desempenharem suas partes. Enxergar a sociedade humana como um jogo que as pessoas jogam faz com que seja mais fácil desapegar-se dos padrões e expectativas envolvidos; faz com que seja mais fácil liberar as regras que você usava para jogar – como pai ou mãe, empregador, empregado, etc…–  e abrir-se para um novo capítulo da sua vida. 
Confie na vida. Confie que a vida lhe trará novas experiências, novos papéis que se ajustam melhor à pessoa que você é agora, não à pessoa que você foi. Ao deixar ir o passado e se entregar, você se abre para o novo e pode descobrir aspectos diferentes de si mesmo. Se você se agarrar a algo que não mais lhe serve, poderá surgir um sentimento de vazio e perda. Confie na vida e desapegue-se.
5. Deixe de se identificar com seu corpo e o mundo físico, e passe a identificar-se com sua consciência.
Identificar-se com seu papel no mundo físico e social é divertido e interessante, desde que entenda que isso é um jogo. Por um tempo, você fica completamente absorvido nele, depois o libera de novo. Deste modo, você passa por toda uma série de experiências e sua alma se enriquece com isso. Durante certo período da sua vida, é natural identificar-se com os papéis que você desempenha, mas também é natural, num dado momento, perceber quem você é por trás desse papel. Isto deve acontecer quando você fica mais velho.
Imagine que você está dirigindo um carro. Se você pensar que é o carro e alguma coisa acontecer com ele, isto será terrível! Mas, se entender que é o motorista, não será tão ruim: sabendo que não é o carro, você poderá simplesmente sair dele.
Agora, fique de frente para um espelho e olhe para o seu reflexo: veja como seu rosto está ficando mais velho. Mas, por trás do seu rosto, dos seus olhos, há uma coisa que não envelhece e é atemporal: a sua consciência. Sinta-a. Ao se identificar com sua consciência e não com seu corpo que está envelhecendo, você segue o fluxo natural do envelhecimento. A conexão com aquele que você realmente é, com a dimensão da sua alma, se aprofunda. Esta conscientização faz com que você brilhe com sabedoria e paz.


AS BÊNÇÃOS DA VELHICE

Não há nada de errado com uma população idosa. Para começar, porque pessoas mais velhas são, em média, mais felizes, portanto uma população idosa significa que a sociedade como um todo será mais satisfeita.
O aumento proporcional da população idosa também significa o fim da desastrosa explosão populacional que tem causado o desaparecimento de tantas espécies animais e vegetais. Estamos caminhando para um futuro com menos pessoas na Terra e, portanto, a humanidade e a natureza estarão em maior equilíbrio.
Como resultado do aumento do número de pessoas idosas, será impossível ignorar e menosprezá-las. A sociedade será forçada a dar aos idosos seu devido lugar. E os próprios idosos serão desafiados a assumir esse lugar. Terá fim a lógica absurda que coloca à margem da sociedade as pessoas que, do ponto de vista espiritual, estão em sua idade mais fértil. Isto significa que os idosos não mais se esconderão, mas deixarão sua luz brilhar.
Os idosos trarão sabedoria, paz e tranquilidade à sociedade. A humanidade se extraviou e precisa urgentemente se conectar com a realidade atemporal da alma. A sociedade que levar a sério as bênçãos e dons naturais da idade avançada será uma sociedade que se concentrará na harmonia entre os seres humanos e na harmonia com a Mãe Terra, em vez de perseguir o sucesso e exploração do nosso planeta. Será também uma sociedade na qual haverá menos medo da morte e da velhice. Envelhecer será percebido como um processo honroso e como um retorno à fonte de Luz da qual todos nós viemos.
© Gerrit Gielen
Tradução de Vera Corrêa veracorrea46@gmail.com

Centro de Iluminação Nosso Lar: Trabalho de Prosperidade - (Exu e Pomba-Gira)

Centro de Iluminação Nosso Lar: Trabalho de Prosperidade - (Exu e Pomba-Gira): Sexta - 11.05.2018 - 20:00 Trabalho com energias mais densas e telúricas, com as forças mais próximas de nós e que melhor entendem a...

ACADEMIA- Exu de Mensageiro a Diabo Reginaldo Prandi= Fagner Lante

Dear Antonio, Related to " “QUANDO O CERTO É ERRADO E O ERRADO É CERTO.” : REINAÇÕES E PERIPÉCIAS DE EXUS... ": E...