domingo, 27 de janeiro de 2019

Palestra na Bienal do Livro de Alexandre Cumino » Religião e Contemporan...

Ensinamento ditado por Fernando SEPE- UMBANDA

        
            Conversando Sobre Umbanda

POR FERNANDO SEPE


Umbanda é prática da caridade. Mas caridade não é colocar as pessoas no colo e resolver os problemas delas. Caridade não é apenas consolar, mas também esclarecer. 

É necessário que o movimento umbandista se conscientize disso. A Umbanda coloca inúmeras ferramentas energéticas, magísticas, espirituais e conscienciais a vossa disposição.

Repassem essas ferramentas. Façam com que não apenas os médiuns e integrantes da corrente conheçam as “mirongas de umbanda”, mas as ensine, de forma simples e prática, para que a assistência também se beneficie, quebrando a dependência dela em relação aos guias. 

Umbanda é esclarecer...

Esclarecer também em relação ao mundo espiritual, as leis cármicas, de afinidades, etc. Esclarecer a respeito dos Orixás, da família espiritual de cada um. 

Tantos são os assuntos que poderiam ser ventilados dentro dos terreiros para melhor desenvolvimento das pessoas. Mas os umbandistas estão mais preocupados com os fenômenos, com a manifestação, esquecendo de se voltar para a filosofia espiritualista que está no âmago e na sustentação da religião de Umbanda.

LEMBRE-SE

Tem coisa que nenhum passe, nenhuma magia, nenhum banho ou
defumação irá resolver. Mas talvez uma boa conversa, um bom livro ou apenas uma nova visão em relação à vida possa mudar. 

Umbanda está cheia de milagres e encantos. 

Mas esses milagres e encantos são simples, acontecem a todo momento. 

Uma pena que a maioria dos homens e mulheres não têm olhos para ver...

Aconteceu na Antiga África:

Uma vez um grande sacerdote tentou realizar uma cerimônia para ressuscitar seu filho, um grande guerreiro morto em guerra. Toda tribo se reuniu para ver tamanho feitiço. No meio da cerimônia o corpo do guerreiro, sacudiu, tremeu, estrebuchou, rolou e finalmente se levantou. 

Os olhos eram vidrados, mortos. A tribo estava quieta de tanta tensão.

Finalmente o corpo novamente caiu morto no chão.

A tribo ficou encantada. Aquele homem era milagroso, capaz de ressuscitar um homem, mesmo que por poucos segundos. 

Incrível...

Em um canto da tribo, perguntaram ao velho Meji o que ele achava de tudo aquilo:

- Ora, como alguém pode ressuscitar aquilo que nunca morreu? O milagre já está aí, acontecendo a todo momento. 

O espírito livre, a realidade imortal dele no coração do Orixá.

O maior milagre é a própria Vida. Mas vocês se perdem naquilo que os olhos podem ver... E assim é até hoje. 

A maioria busca por milagres, transitórios, opacos, sem vida, que nada acrescentam. 

Os terreiros de Umbanda estão cheios desses antigos sacerdotes vendedores de milagres, assim como de olhos obcecados por eles. 

Mas em todos os cantos, a palavra sábia do preto-velho ainda ecoa tentando despertar alguma coisa no coração espiritual das pessoas.

Onde está o milagre? 

No manifesto, ou no imanifesto? 

No transitório, ou no imortal? 

No finito, ou no absoluto? 

Na visão, audição, tato, paladar, olfato ou no coração?

Pense bem...

Trabalhe dentro da Lei de Umbanda, mas não faça desse trabalho um fim. 

Cresça, melhore, desenvolva-se como consciência. 

Médium ou não, você está cheio de potencialidades, capacidades, dons. 

Não dependa em tudo dos guias espirituais. 

Não faça dos Orixás e de seu culto, um mercado de troca de favores e vantagens.

A maior riqueza que os Orixás podem doar a vocês não é acessada através de uma oferenda. Mas é sim, encontrada, no coração limpo, no terreiro simples e aconchegante que existe aí dentro, na sala de iniciação amorosa que ele É.

Limpe os pés, sujos pela lama do ego, antes de entrar.

Limpe as mãos, sujas pela treva da ignorância, antes de tocar e abrir o pórtico de acesso.

E principalmente, vá de intenção nobre a altruísta. Vá de alma e espírito brilhando. 

verdadeira iniciação dos Orixás acontece aí dentro. A todo momento. É como um milagre.

Escute, ouça, sinta...

Seja Um com Ele! Nisso reside todo mistério.

O que é Umbanda?

Umbanda é como aquela pérola bonita.

Não pode ser vista, pois seu brilho é capaz de cegar.

É como aquela poesia que nunca será escrita. As palavras são pobres para descrevê-la.

É como a canção silenciosa cantada pelas estrelas. Só o coração pode escutar.

É como a simplicidade do preto-velho.
Tão natural.

É como a alegria da criança. Tão ingênua.

É como o sorriso do Exu. Tão enigmático.

Umbanda é uma imensidão de povos e culturas. 

É uma imensidão de rostos.

Uma imensidão... É o Todo.

É a banda que trabalha pelo UM.

É singela assim...

Quando a individualidade desaparece

A Luz de Oxalá inunda seu ser.

Você é a Luz, A Luz é você!

Quando o amor surge como uma flor,

Os lírios de Mamãe Oxum brotam em seu coração.
Você é a Flor, A Flor é Você!

Quando a ignorância é eliminada,

As Flechas do Caçador te guiam.

O Caçador é você. A Caça também!

Quando a alma vence sua própria treva

O Raio de Xangô é vivo no espírito.

Você é o Rei, o Rei é Você!

Quando o tufão do discernimento surgir

Não mais a sombra da alma há de te possuir.

Você é a Guerreira, a Guerreira é você.

Quando as cabeças do vício forem cortadas

A Espada do guerreiro iluminará o caminho!

Você é a Senda, A Senda é Você.

Quando a cruz viva do “Velho” te marcar
O peso do mundo em suas costas cairá.

Você é Caridade, A Caridade é você!

Quando a Anciã do destino, em ti existir
Não mais mistérios hão de te possuir.

Você é o Fim e também o Começo!

Quando a estrela brilhar,
e o canto encantar
Nas praias de Aruanda a Mãe Divina
você verá.

Você é a Umbanda, Umbanda é Você!

E então, no fim da jornada,
Onde os caminhos se entrecruzam,
E as Sete Encruzilhadas são contempladas,
O Amor que a Tudo gera lá estará!

Você é Olorum, Olorum é Você!

Assim cantava-se na velha Luanda...
Assim ainda se canta,
Na querida Aruanda...

Pai Antonio de Aruanda - Mensagem recebida por Fernando Sepe em 19/10/06

O que Pai Rodrigo Queirós tem para nos ensinar sobre a Umbanda !


No que a Umbanda acredita?

Orixás
Ritualística


Assine
Home Arquivos Mediunidade 
O que você sabe sobre Mediunidade de Umbanda?

Por Rodrigo Queiroz



A mediunidade é um assunto que permite infinitos desdobramentos e, portanto, é sempre pertinente, necessário e explorável.

Allan Kardec ao escrever O Livro dos Médiuns, apesar do título ser pretensioso, não esgota em si o assunto Médium e Mediunidade, muito pelo contrário, nesta obra temos o início da exploração e discussão deste assunto importante para a espécie humana.

Mais de 150 anos se passaram da publicação desta obra, assim muitos fenômenos ocorreram e muitos tipos de médiuns passaram e passam por este plano físico da existência.

Entendemos que a mediunidade está presente em todos os indivíduos, pois a mediunidade não é propriedade de nenhuma religião ou segmento espiritualista.

O que se faz necessário explorar é o que chamo de Mediunismo Umbandista ou “Mediunidade de Terreiro”. Há alguns anos venho explorando o assunto mediunidade na realidade da Umbanda e percebemos que a maneira como a mediunidade é desdobrada na realidade da Umbanda é bastante diferente que em outros seguimentos com o uso consciente da mediunidade.

ESTUDE >> MEDIUNIDADE NA UMBANDA <<
UMBANDAEAD.COM.BR

Não se trata das particularidades do ritual e dinâmicas internas dos terreiros, vai além. Começamos a refletir sobre algo abaixo:

“Faz 06 meses que Fulano frequenta o Centro Espírita Luz e Amor. Participa regularmente dos estudos mediúnicos, agora vai participar das atividades práticas…

Após a leitura do Evangelho e das palavras explanadas pelo presidente da mesa iniciam as manifestações dos mentores, ao que Fulano “estremece” o corpo e uma entidade se manifesta:

– Boa noite a quem é de boa noite!
– Seja bem vindo irmão! Qual o seu nome?
– Eu vim para dizer que este meu cavalo deve procurar um terreiro para iniciar sua missão, somos gratos a todos, mas o caminho dele é na Umbanda, eu me chamo Exu…”

Histórias como estas são cada vez mais comuns entre Umbandistas que, antes de chegar ao terreiro, tiveram sua passagem pelo Espiritismo.

Neste caso cabe a pergunta: – Se a mediunidade é algo inerente ao indivíduo, podendo ser exercida em “qualquer” segmento, porque então há esta “exigência” de um determinado médium buscar a Umbanda?

Acaso, este é melhor ou pior que os outros irmãos do Centro Espírita?

Também não cabe, neste caso, apontar a discriminação de alguns centros em relação às entidades típicas da Umbanda. Já temos notícias de muitos e muitos centros espíritas que abrem as reuniões para manifestação de pretos velhos, caboclos etc.

Por que afinal o Sr. Caboclo das Sete Encruzilhadas teve como missão fundar a religião Umbanda?

ESTUDE >> MEDIUNIDADE NA UMBANDA <<
UMBANDAEAD.COM.BR

Com o advento da Umbanda acontece o rompimento de muitos médiuns espíritas que vão abarcar aos terreiros de Umbanda, também com o surgimento do ritual de Umbanda uma nova modalidade de mediunismo aflora, ou melhor, encontra solo fértil para desdobrar-se.

Por que, que mesmo querendo, muitos médiuns atuantes na seara espírita não conseguem incorporar um Exu ou um Caboclo? E por que, mesmo querendo, um médium que traz a companhia de guias típicos da Umbanda não consegue evitar a manifestação destas entidades e, em algum momento, estarão pisando um solo Umbandista?

Com isso é visto que há mais sobre Mediunidade, Mediunismo e Umbanda a se explorar, refletir e compreender.

Não se trata de classificar ou desclassificar a mediunidade de um campo ou outro, mas sim de buscar entender como e porque há esta diferença.

Os médiuns evangélicos encontram nas igrejas evangélicas um campo propício para esta mediunidade, da mesma maneira entre os médiuns católicos, os espíritas, os candomblecistas e, inclusive, os Umbandistas.

Mediunidade é algo global e universal, entretanto é importante compreender diferentes mediunismos e campos de ação. Para cada segmento há também uma ou outra faculdade mediúnica que é mais atuante ou característica. Da mesma maneira que cada segmento apresenta níveis vibratórios e magnéticos específicos, bem como campos de ação bem delineados.

Vou encerrando aqui este texto como uma provocação reflexiva, amplio esta discussão no estudo que desenvolvi para destrinchar todas esses questionamentos Mediunidade na Umbanda.

Grande abraço,
Rodrigo Queiroz


Orixás na Umbanda I Pai Alexandre Cumino

A Lei da Atração no budismo | O Mistério | Monja Coen Responde

Cantar pontos em casa.