1. Todos os espíritos encarnados na Terra já fizeram muito mau para outras pessoas


                              Escravizar pessoas ou torná-los servos foi
                               de quase toda cultura por milhares de anos.
Regis Mesquita


“Todos nós já fomos vitimizadores. Fizemos as outras pessoas sofrerem, porque escolhemos mal os pensamentos, os sentimentos, as emoções, as sensações e as crenças a serem cultivadas”.

Trecho do livro Nascer Várias Vezes


Um assaltante mata um homem honesto. Uma tragédia, com certeza. Uma injustiça, pois ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém. O espírito se desprende do corpo sem vida e segue sua vida espiritual. Muito provavelmente o espírito que hoje é vítima se lembrará das muitas mortes que foi o responsável (foi o vitimizador).

Os espíritos encarnados na face do planeta Terra já tiveram dezenas ou centenas de outras encarnações. Já viveram em muitas culturas, com características corporais e sociais diferentes. Partiram de uma condição menos evoluída e foram adquirindo habilidades e qualidades nobres aos poucos. Ou seja, vivendo em culturas diferentes e em níveis menos evoluídos de consciência cometeram atrocidades e deixaram um rastro de vítimas de suas ações.

Todos nós já matamos alguém, já abusamos de alguém, já prejudicamos muito alguém.

Este passado faz parte da vida do espírito que somos nós.

Mesmo tendo praticado muitas violências estamos encarnados com a vida que temos hoje. Será que a merecemos? Sim e não, é a resposta.

Nossos espíritos se esforçaram muito, seja no plano espiritual, seja em encarnações passadas, para evoluir, amadurecer e superar traumas, bloqueios e condicionamentos.

Nós também somos beneficiados pela misericórdia divina. Deus sabe que somos limitados e mais propensos ao erro por causa de nossas imaturidades. Deus sabe que precisamos do seu perdão e apoio. Ele age para diminuir nosso sofrimento, pois sabe que o positivo gera muito mais evolução que o negativo (o amor ensina mais que o ódio, o perdão mais que o rancor, e assim por diante). Ele nos ajuda propiciando ensinamentos, experiências benéficas, emanando boas vibrações, entre outros benefícios.

Deus organizou a vida encarnada já pensando em nos ajudar. Uma parte dos conteúdos do espírito não influencia a vida encarnada, ou seja, fica isolada e sem ação sobre a vida da pessoa. Jamais conseguiríamos progredir se tivéssemos que enfrentar todos os desafios e todas as nossas dívidas e imaturidades de uma única vez. A encarnação protegida e com a missão previamente planejada, é uma forma de dar boas condições para o espírito superar dificuldades e desenvolver habilidades e qualidades. Em cada encarnação enfrentamos alguns desafios, enquanto outros desafios ficam inertes.

Por exemplo: mesmo que ao longo de várias encarnações a pessoa desenvolva muita agressividade, ela pode renascer como uma pessoa pacífica, desde que a agressividade do espírito fique isolada e sem ação sobre a vida encarnada. Desta forma, durante a encarnação, o espírito pode desenvolver algumas habilidades que serão úteis, no futuro, para superar a agressividade.

A vida que temos, com suas dificuldades, é uma vida planejada e muito melhor do que teríamos se não fôssemos protegidos pela misericórdia de Deus.

Já erramos muito, agora é hora de melhorar muito. Cada um segundo seu planejamento e suas possibilidades. Cada um com seus desafios e sofrimentos a serem aceitos e superados.

Em muitas encarnações fizemos muitas coisas erradas. Já pagamos uma parte da “dívida”, talvez estejamos pagando mais um pouco agora. Tudo depende do total da vida espiritual de cada um, pois JAMAIS podemos julgar alguém apenas pela vida que ele apresenta no momento presente.

A vida encarnada que temos é apenas uma faceta, uma parte, da vida do espírito. A maior parte está inerte, sem ação na vida atual. Outra parte está presente no inconsciente de cada indivíduo. Aquilo que demonstramos é uma parte ínfima, muito ínfima, da vida total do espírito.



Perguntas e Respostas
Tira-dúvidas em Terapia de Vidas Passadas, Regressão, Hipmose




Respostas

1 - O que é a Terapia de Vidas Passadas? 

A Terapia de Vidas Passadas é uma forma de terapia que utiliza memórias inconscientes de fatos passados para solucionar problemas e dificuldades das pessoas.
Estas memórias podem ser de origem recente (todas as memórias da vida atual a partir do nascimento) ou remota (memórias da vida intra-uterina, vidas passadas e intervidas).

A TVP busca no passado a origem de problemas que nos afetam no presente.




2 - O que é regressão de memória?

É uma das técnicas utilizadas na TVP. Nela o paciente relembra e revivencia fatos ocorridos no seu passado e que estão atrapalhando sua vida presente. Estes fatos passados podem ter ocorrido há um mês, um ano, dez anos, no nascimento, no útero, numa vida passada.
Durante a regressão o paciente continua consciente, percebe tudo o que revivencia e pode julgar e avaliar o que acontece.

Durante a regressão a memória do passado aflora na nossa consciência.






3 - Usa-se hipnose na regressão?

A hipnose, conduzida até estágios mais profundos, é utilizada somente em casos específicos. Na maioria das vezes utilizamos técnicas denominadas indutivas.
O uso das técnicas indutivas permite com que o paciente mantenha-se plenamente consciente durante a regressão. Este estado de plena consciência ajuda, e muito, a atingir a cura.

Através de técnicas indutivas acessamos as memórias passadas com o paciente plenamente consciente.




4 - Vou melhorar se eu recordar meu passado?
Muitas vezes o passado continua atuando sobre o presente produzindo sofrimento e dificuldades. Nestes casos, o motivo para recordar e reviver o passado é justamente conseguir com que o mesmo deixe de ter esta atuação negativa na vida da pessoa.
Num processo terapêutico a recordação e revivência do passado são o primeiro momento. O segundo momento é ajudar a mente a se reorganizar. É com esta reorganização que conseguimos atingir os resultados positivos.

Para “arrancar o mal pela raiz” a TVP vai na origem do problema.




5 - O que são Intervidas?  
Intervidas é o período entre duas encarnações. Ou seja, é o período em que estamos no mundo espiritual.
É possível, durante a regressão, “recuperar” memórias relacionadas à este período. Normalmente, buscamos nesta fase memórias relacionadas ao planejamento da vida atual.  
Note bem: os conceitos de TVP buscam dar uma explicação teórica para conteúdos mentais que afloram durante a regressão. Portanto, são hipóteses teóricas.

No período intervidas encontramos o Plano de Vida desta vida atual.




6 - O que eu lembrar na regressão pode ser apenas fantasia?

Pode. Tudo dependerá de como a regressão for feita, o tipo de técnica utilizada e a patologia do paciente. Fantasias são mais comuns quando o trabalho não está sendo bem feito.
Algumas vezes as fantasias são utilizadas, propositalmente, pelo terapeuta para produzir a cura. Ou seja, nem sempre a fantasia é algo ruim na TVP.

Um bom terapeuta conduzirá o paciente até suas memórias de vidas passadas, diminuindo as chances de fantasias atrapalharem.




7 - Sofro com dor de cabeça, a TVP pode me ajudar?

A procura pela TVP deve acontecer em conjunto com o diagnóstico médico tradicional. Nesta situação a TVP funciona como uma terapia complementar ao tratamento médico da doença.
Muitos casos respondem muito bem ao tratamento com TVP. Principalmente aqueles nas quais a dor de cabeça se origina em situações traumáticas vividas nos primórdios da infância, na vida intrauterina ou em vidas passadas. Um paciente foi (em outra encarnação) submetido a um tipo de tortura onde sua cabeça era prensada. Ao trabalharmos este trauma ele se viu livre de um problema de enxaqueca que durava mais de uma dezena de anos.

A TVP pode ser útil em vários casos onde existem problemas físicos, mas não substitui o tratamento médico e nem é uma panacéia.




8 - A Terapia de Vidas Passadas está ligada a alguma religião?

Não. A TVP é totalmente desvinculada de qualquer religião. A hipótese filosófica da reencarnação é utilizada porque é a que melhor explica os fenômenos que acontecem durante o processo terapêutico.
Pessoas de todas as religiões têm se submetido à esta técnica e alcançado curas e melhoras em suas vidas. Não é necessário e nem solicitado que a pessoa mude suas crenças.
O que nós, praticantes sérios de TVP, queremos é chegar a resultados terapêuticos muito positivos. Nosso objetivo é a melhora do paciente. Nós não misturamos religião com terapia.

A TVP não está ligada a nenhuma crença religiosa e nem induz à prática de nenhuma religião.




9 - Preciso acreditar em vidas passadas para a TVP dar certo?

De modo algum. A TVP é uma terapia que busca a cura e o aperfeiçoamento do paciente, de todos os pacientes. Ateus, católicos, evangélicos, pessoas das mais variadas religiões que não acreditam em reencarnação já obtiveram e estão obtendo ótimos resultados com o tratamento. A Terapia de Vidas Passadas é uma terapia, por isto visa exclusivamente a cura do paciente.

A TVP ajuda pacientes de todas as religiões, classes sociais e culturas.




10 - Existe risco de “não voltar” de uma regressão? 

Não. Simplesmente porque a pessoa “não vai”. O termo regressão é uma figura de linguagem, um forma de dizer que contatamos memórias antigas. São elas (as memórias) que vem até a consciência e ficam a disposição para o trabalho terapêutico. A consciência é mantida plena e ativa. Portanto, não existe risco da pessoa ficar “viajando” em outra época.
Existem, todavia, outros riscos. Riscos que podem ser evitados se o profissional for muito bem treinado, e tiver profundos conhecimentos de matérias como psicopatologia e psicodiagnóstico.  

Na regressão não somos nós que vamos até o "passado", é o "passado" que vem até nós.




11 - Eu sofro de síndrome do pânico. A TVP pode me ajudar?

Pode. O primeiro passo é você procurar um profissional treinado em TVP e que tenha formação profissional muito sólida. Ele fará seu diagnóstico e avaliará as condições de sua mente. Caso seja indicado a TVP o tratamento deverá se iniciar imediatamente.
Em nossa prática clínica temos tido bastante sucesso, sendo que a imensa maioria dos pacientes deixam de necessitar de remédios.

A TVP pode ajudar pacientes que sofrem de pânico, medos, compulsão alimentar, nervosismo e muitos outros problemas.




12 - A Terapia de Vidas Passadas é eficiente?

Sim, a TVP é altamente eficiente na maioria dos casos. Quando você procura um profissional habilitado (não um leigo) a primeira coisa que ele irá realizar é um diagnóstico. Através do diagnóstico ele poderá determinar se a TVP é indicada para o tratamento de seu problema.
Em um tratamento sério, realizado com um profissional sério e bem treinado a eficiência da TVP é bastante alta. A quantidade de pessoas que tem sido beneficiados por esta técnica é muito grande. E os depoimentos positivos dos pacientes têm se multiplicado.

A TVP é muito eficiente nos casos onde há indicação de uso desta terapia.




13 - Qualquer um pode ser paciente de TVP?

Sim, todos podem ser. Existem, porém, pacientes que exigem cuidados especiais: hipertensos, grávidas, cardiopatas, psicóticos e alguns outros. Nestes casos cabe ao profissional avaliar a conveniência ou não de realizar o processo de TVP, assim como selecionar as técnicas mais adequadas para tratar o paciente.

A partir do diagnóstico, o terapeuta propõe ao paciente qual o melhor tipo de tratamento para o seu caso específico.




14 - Quem são os maiores nomes em Terapia de Vidas Passadas no mundo?
   
São aqueles que estão desenvolvendo as bases metodológicas, teóricas e técnicas da TVP. São os seguintes:
- Morris Netherton - psicólogo norte-americano
- Roger Woolger - psicólogo inglês
- Edith Fiore - psicóloga norte-americana
- Hans Tendam - psicólogo holandês




15 - Quem foi o criador da Terapia de Vidas Passadas?

É considerado o criador da TVP o psicólogo, Phd, norte-americano Morris Netherton. Na década de 60 e 70 ele desenvolveu a metodologia básica da Terapia. Seu trabalho, que continua até hoje, é reconhecido em todo o mundo.
Antes dele existiam pesquisas sobre lembranças de vidas passadas e tentativas de utilizar estas lembranças terapeuticamente. Foi somente com as pesquisas de Netherton que foi possível criar-se um processo terapêutico que envolvesse o conhecimento de memórias de outras vidas.
Obs: a TVP se enquadra no campo das terapias alternativas e ainda não é reconhecida pelo Conselho Federal de Psicologia.