segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Mirongas na Umbanda ? Para problemas Afetivos ?????

                           

                    Mironga de Umbanda para problemas afetivos

Por Fernando Sepe

Mironga é como chamamos o feitiço de preto-velho, a mandinga de negro em favor aos
filhos que o procuram. 

Aqui vão algumas mirongas que essa nêga véia tem a ensinar para resolver as dificuldades do coração. 

Leia tudo com muita atenção e principalmente, aplique isso no seu dia-dia. Grande é a força dessas pequenas dicas...

1 – Aprenda a viver sozinho. Caso você não consiga nem viver consigo mesmo, como poderá levar felicidade e alegria para outra pessoa? 

Primeiro relacione-se com seu eu interior. Depois busque alguém.

2 – Assuma a responsabilidade pelo seu relacionamento. Não é magia, inveja, ciúmes de  terceiros, etc, que irá separar aquilo que o amor uniu.

3 – É claro que também nenhuma simpatia, reza ou trabalho irá unir ou “amarrar” aquilo que a falta de carinho desuniu.

4 – Simplificando: quem procura as coisas ocultas para resolver problemas sentimentais é imaturo. Ruim do juízo e doente do coração.

5 – Desapegue-se! 

Ser humano é um bicho apegado. 

O único problema: amor é um sentimento livre. Um eterno querer bem. 

Um carinho incondicional. 

Quase um sentimento de devoção. 

Se você “gosta” tanto de alguém, que prefere ele “morto” do que feliz com outra pessoa, escute: Isso não é amor! Simples ilusão disfarçada...

6 – Aprenda que ninguém irá te completar. Você já é completo! Mas quando um relacionamento é calcado no mais puro amor, muito do amado vive no amante, e muito do amante pra sempre viverá no amado. 

Quer milagre maior que esse?

7 – Melhor sozinho do que mal acompanhado! Sabedoria popular, mas o que têm de doutor e doutora que não consegue entender isso.

8 – Ponha o pé no chão e esqueça essa história de alma gêmea. Pare de enfeitar suas próprias desilusões com devaneios ditos espiritualistas. 

Encare a realidade de frente.

9 – A vida vai passando, com ele/a, ou sem ele/a. 

E a morte se aproximando...


10 – Por isso, vão viver a vida meus filhos!

Quem sabe ela não está guardando um presente para vocês?

Não existe mironga maior que essa...

por Vó Dita - 11/02/2007
A Umbanda

O QUE É UMBANDA?
 È muito comum os filhos de fé não conhecerem a resposta para esta pergunta tão simples.
Umbanda é a manifestação do espírito para a caridade.
Caso deseje uma explicação técnica, podemos dizer que:
Umbanda é uma religião espiritualista, ritmada, ritualizada de origem euro-afro-brasileira.
É uma religião espiritualista por se comunicar com desencarnados;
É ritmada, pois usamos os atabaques para o desenvolvimento dos trabalhos;
É ritualizada por seguir procedimentos e modelos próprios para os trabalhos;
Tem origem européia por partilhar ensinamentos de Allan Kardec que era francês, africana, pois cultua divindades dessa origem e brasileira por ter como elementos o índio brasileiro (caboclo) e negro escravizado (preto-velho).
 Difere-se do Candomblé, principalmente, por permitir a incorporação de espíritos desencarnados (eguns). No Candomblé de raiz cultua-se apenas o Orixá, não há representantes nem consultas, o único a incorporar é o pai-de-santo que só incorpora o Orixá e as consultas são feitas apenas através dos búzios.
 Não se sabe exatamente nem como nem quando a Umbanda começou a ser praticada, mas a primeira manifestação documentada e considerada oficial data de 15 de novembro de 1908, ocasião na qual o então jovem Zélio de Moraes, foi levado à Fundação Kardecista de Niterói, a fim de verificar certos “ataques” que sofria. Lá se manifestou pela primeira vez o Caboclo das Sete Encruzilhadas. De toda mensagem que deixou eis alguns trechos
 “Eu sou apenas um caboclo brasileiro. (...) Se for preciso que eu tenha um nome digam que sou o Caboclo das Sete Encruzilhadas, pois para mim não existirão caminhos fechados. Venho trazer a Umbanda, uma religião que harmonizará as famílias e perdurará até o final dos tempos. (...) Amanhã, na casa onde o aparelho mora, haverá uma mesa posta pra toda e qualquer entidade que queira se manifestar. Independentemente daquilo que foram em vida, todos serão ouvidos, e nós aprenderemos com aqueles espíritos que souberem mais e ensinaremos aqueles que souberem menos,e a nenhum viraremos as costas nem diremos não, pois esta é a vontade do Pai”
 É fato que antes disso já existia a manifestação de caboclos e preto-velhos, porém foi com o Caboclo das Sete Encruzilhadas que foi definido um rito e as bases da nova religião, sendo por este motivo que Zélio Fernandino de Moraes é considerado o fundador da Umbanda e comemoramos no dia 15 de novembro o Dia Nacional da Umbanda.
 O que vem a ser a Lei de Umbanda?
 É a lei que rege o trabalho das entidades espirituais que trabalham na Umbanda. Baseia-se nas leis universais do plano espiritual, como a Lei da Evolução e a Lei de Ação e Reação, porém a diferença está em sua aplicação.
 A Lei de Umbanda prima pelo amor, renúncia, caridade, humildade e simplicidade. É desta forma que os representantes espirituais atuam e este é o comportamento esperado dos filhos de fé que se sujeitam a esta lei.
 Os sacramentos na Umbanda
 Como toda religião, a Umbanda também tem seus sacramentos que são o batismo, casamento e pompas fúnebres. Diferente de outros, estes sacramentos carregam uma forte identidade umbandista quanto ao ritual e a importância espiritual. O filho de fé deve conhecê-los e fazer uso deles, em especial do batismo.
 A trindade umbandista
 Tal qual outras religiões cristãs, a Umbanda possui uma trindade máxima representada por Olorun (o Deus único e criador de tudo), Oxalá (Jesus Cristo) e Ifá (oráculo divinatório sincretizado com o Espírito Santo).
 Então a trindade Pai-Filho-Espírito-Santo, largamente usada inclusive pelas entidades (não existindo nenhum erro nisso), na tradição umbandista é Olorun-Oxalá-Ifá.
 Assim sendo, quando o filho de fé desejar “abençoar” algo deve usar as costas da mão (a parte mais limpa) e, fazendo pequenos sinais da cruz deve proferir: “Por Olorun, por Oxalá e por Ifá”.
 Toda trindade tem sua representação na forma de um triângulo, e na Umbanda esse símbolo tem uma força ainda mais importante, sendo o símbolo maior da nossa religião representado como dois triângulos entrelaçados, ou como é popularmente conhecido, como uma “estrela-de-davi”.

Os Guias Reencarnam?