sábado, 11 de maio de 2013

13 de maio: quem são os Pretos velhos?

13 de maio: quem são os Pretos velhos?

13 de maio: quem são os Pretos velhos?

13 de maio: quem são os Pretos velhos?

INTERESSANTE EM NOSSA AMADA UMBANDA.

Não quero com minhas palavras, vir a favor ou contra qualquer segmento de minha amada UMBANDA.

Todavia neste longos anos que venho praticando a mesma, oriunda do Caboclo 7 Encruzilhadas, que tudo era um tripé : humildade, caridade e amor a tudo que nos cerca; no decorrer dos mesmos anos, com estudos, pesquisas, e até mesmo para ganhar dinheiro, a nossa amada Umbanda, começo a ramificar-se em diversos tipo, quer kardecista, quer Ramatis, exorcista, maçônica, etc. Nada a Contestar.

Com isto começaram os cursos para formar estes ou aqueles, cursos de aperfeiçoamento, e tantas modalidades que a meu ver poderiam e deveriam ser ministrados por estes dirigentes de cada segmento sem o intuito de cobrar, tendo em vista que rebemos de graça de nossos guias, mestres, protetores e portanto deveríamos sim transmitir também de graça. 

Mas não sou eu que vou e quero julgar se essa forma está ou não correta, para mim coloco-as como estranhas!

Ao contrário, vemos em terreiros, centro templos, médiuns, que não sabem primeiro como se preparar para ir atender em uma sessão. Não sabe o significado de uma vela, de sua cor, o que representante o Congá, o porque o médiuns ao trabalharem, o fazem descalços, quais os banhos que devem ser tomados de descargas e de energia. 
Não saber que ao dar um passe a um consulente,que este deve ficar de frente para o congá e não de costas,que não se deve interpelar seja qual for a entidade de modo grosseiro,que em uma sessão de pretos velhos não se deve fazer desobsessão, que a esta, normalmente é feita separada por médiuns pré qualificados em dias e hora determinadas separadas dos demais principalmente de outros consulentes, crianças, e tantas outras coisas simples que se fossem palestradas comumente não haveriam tantos erros que verificamos em terreiros e centos, onde se mistura tudo.

Entra no terreiro, no Centro, no Templo, e verá quantos médiuns estão executando sua funções sem conhecimento algum.

Então vem o preceito de que para ser médium , é necessário cursar tantos meses, normalmente pagos para aprender essa pequenas coisas que nosso fundador passou a todos sem nada cobrar do havia recebido para seu terreiro e os demais que veio a criar.

Então é uma enxurrada de Livros, de ensinamentos , de argumentos, que se o médium não sabe o básico o que importa aprofundar-se em determinados assuntos se não possui o inicial?

Volto a insistir. 

Não sou contra a nada do que está ocorrendo no meio Umbandista, se uns trabalham de uma forma e outros de outra. o que me baseio é que seja realmente dentro dos preceitos da Umbanda que nos foram legadas pelo nosso Caboclo Sete Encruzilhadas.

O resto é um direito que cada um  de querer se aprofundar, como foi Roger Feraudy em a Umbanda de Todos Nós, veio rastrear a mesma desde 700.000 antes de Cristo, mas isto são estudos que não dizem respeito a nossa Umbanda Brasileira.

Foram minhas considerações, que espero não ter com  ter com as mesmas ferido a quem quer que seja, sob qualquer aspecto. Apenas a de este gesto, cada movimento, cada atitude nossa ter uma finalidade e muito mais como médium.

Esclarecer aos nossos estudiosos, aos nossos dirigentes, que tomem uma direção e procurem seguir procurando transmitir aos seus colaboradores as verdade sublimes que cada um achar correta, sempre dentro dos princípios básicos que rege sua tenda, seu terreiro, deu templo: Humildade- Caridade e Amor Universal.
Antonio Carlos Evangelista.

ACADEMIA: TEXTO de Hermes de Sousa Veras

Dear Antonio, You read the paper " O CABOCLO FORTE TUPINAMBÁ Aparelhagem sonora, agência e religião em Belém do Pará "...