quinta-feira, 1 de novembro de 2012


‎20 EXERCÍCIOS PARA A REFORMA ÍNTIMA


1 - Executar alegremente as próprias obrigações.

2 - Silenciar diante da ofensa.

3 - Esquecer o favor prestado.

4 - Exonerar os amigos de qualquer gentileza para conosco.

5 - Emudecer a nossa agressividade.

6 - Não condenar as opiniões que divergem da nossa

7 - Abolir qualquer pergunta maliciosa ou desnecessária.

8 - Repetir informações e ensinamentos sem qualquer azedume.

9 - Treinar a paciência constante.

10 - Ouvir fraternalmente as mágoas dos companheiros sem biografar nossas dores.

11 - Buscar sem afetação o meio de ser mais útil.

12 - Desculpar sem desculpar-se.

13 - Não dizer mal de ninguém.

14 - Buscar a melhor parte das pessoas que nos comungam a experiência.

15 - Alegrar-se com a alegria dos outros.

16 - Não aborrecer quem trabalha.

17 - Ajudar espontaneamente.

18 - Respeitar o serviço alheio.

19 - Reduzir os problemas particulares.

20 - Servir de boa mente quando a enfermidade nos fira.



O aprendiz da experiência terrena que quiser e puder aplicar-se, pelo menos,

a alguns dos vinte exercícios aqui propostos, certamente receberá do Divino Mestre,

em plena escola da vida,

as mais distintas notas no curso da Caridade.


(pelo Espírito Scheilla – Do livro: Ideal Espírita, Médium: Francisco Cândido Xavier – Espíritos Diversos.)

Novo Post em Zerando Karma

Link to Zerando Karma

Posted: 31 Oct 2012 10:00 AM PDT

Para algumas pessoas é um tanto desconfortável assumir-se como um agente indispensável da Criação... Parece que assumir-se tão importante pode ser arriscado... Sabe como é: orgulho, arrogância... E aprendemos desde cedo que o melhor é a humildade.

Mas humildade não significa falar como menor, agir como menor, pensar como alguém insignificante... Até porque se pensarmos como menores, precisaremos eleger os maiores, ou, ao menos, ignorar a existência de maiores. E isso cria uma distância tão grande...

E, convenhamos: muitas vezes é preciso assumir o gosto bom de ter certeza da própria humildade para continuar com a ação e o discurso de insignificância...

“Eu me sinto importante ao me convencer de que convenço o mundo de que sou desimportante... um nada”... É muito estranho... Mas acontece... “o gosto bom (vaidade) de se apresentar como menor ou insignificante”... Vivemos contradições... hehehe...

Além disso, Deus existe? Uma Inteligência Infinita que permeia tudo e todas as coisas existe? Acreditamos Nessa Inteligência? Ela é insignificante? Nãaaaao!!!! E o que ela criou? (olha que se é infinita, toda a criação faz parte dela) Não mesmo! Você não é insignificante... É sagrado, essencial para o Todo... Divino!

Mas e o caos em que está mergulhada a humanidade? Karma, desordem... Será que não é somente um mundo aparente e complexo ao nosso entendimento, porém regido por Leis? Será mesmo que há alguma parte do Todo alheia a essa Inteligência Infinita? Não precisamos compreender para acreditar, mas acreditar pode possibilitar a compreensão... E é delicioso acreditar (trataremos desses assuntos em breve).

Voltando à insignificância: você não é importante? Não tem significado? Não tem um sentido existencial ou Razão de Ser? É fraquinho e incompetente? Vamos rever essa autoimagem? Vamos!

Limitações transitórias geram oportunidades de superação, mas parta da sacada de que você é uma expressão da Vontade de uma Inteligência Infinita... E faz parte Dela... Então você é um Ser Sagrado, Divino, Espetacular... Fantástico... Maravilhoso... Admirável... Eis a partida!!!

E as limitações? Aprendizado nelas!!! E vamos que vamos, pois nada melhor do que agir para sentir!!!

Um afetuoso abraço, do amigo Lucius Agustus

Um Mestre Ascenso baixou no terreiro?!?

Um Mestre Ascenso baixou no terreiro?!?: Mestres ascencionados (Mestres Ascensos) ou avataras (do sânscrito avatara, que significa “descida”; de avatarati, “ele desce”; de ava...

Zerando Karma: O Significado da Significância

Zerando Karma: O Significado da Significância: Para algumas pessoas é um tanto desconfortável assumir-se como um agente indispensável da Criação... Parece que ...

Catimbó ou Jurema Sagrada?