terça-feira, 16 de abril de 2019

O Ato sagrado de acender uma Vela na Umbanda !

O ato sagrado de acender uma vela

Primeiramente quando acendemos uma vela seja para que Entidade ou Guia, Santo, Orixá que for estamos procurando com este ato realizar um religare. O ato de acender uma vela é algo sagrado contido em várias culturas religiosas pelo mundo a fora, e deve-se ser feito com profundo respeito. As velas antigas eram fabricadas utilizando Junco embebidas em sebo, símbolo de iluminação, nos tempos antigos foi considerada artigo de luxo, onde somente pessoas qualificadas tinham a autorização de fabricá-las. Hoje encontramos velas fabricadas de diferentes composições e formatos.
Vamos pegar por base a vela do Anjo da Guarda.
  • A cor da vela do Anjo da Guarda de praxe é branca, podendo também ser usadas velas de mel, é utilizado outras cores principalmente quando se está canalizando a força dos Anjos Cabalísticos.
  • Primeiramente deve-se se escolher um lugar apropriado, limpo. Não se deve acender vela para Anjo da guarda em solo que não seja sagrado, infelizmente já soube de casos de pessoas que acendiam a vela no chão do banheiro, só para constar o banheiro é o lugar mais negativo de uma residência, não se acende vela para entidades e guias nenhum no banheiro. Acredito que não precise se dizer do porquê.
  • No caso do Anjo da Guarda de preferência  utilizar um prato branco, eu particularmente quando compro um prato num estabelecimento seja ele de artigos religiosos ou não, eu costumo lavar bem primeiramente com água, e depois jogo um pouco de água com açúcar e lavo novamente. A água com sal descarrega, mas tira todas as energias tanto negativas quanto positivas, a água com açúcar mantém as positivas.
  • O prato não deve estar lascado, só lembrando que pratos lascados se usa para trabalhos de almas, então cuidado nesses pormenores.
  • Deve-se ungir a vela de preferência com azeite doce, lhe dando um propósito sagrado, fazemos o sinal da cruz, e esfregamos em nossas mãos onde mentalizamos o que queremos e o que estamos buscando alcançar com aquele ato, quando esfregamos as mãos estamos passando a nossa energia para a vela.
  • A árvore  da Oliveira é considera uma árvore sagrada em várias tradições e culturas, foi nela uma das primeiras aparições de Jesus Cristo.
  • Coloca-se um copo de água do lado da vela, a água é vida, não se deve beber a água do anjo da guarda, a não ser que ela tenha um propósito de cura, nesse caso é muito comum colocar umas gotinhas de azeite doce na água e ofertar para a corrente médica do espaço juntamente, caso contrário não se bebe, lembrando que essa forma de canalização sempre vem após uma recomendação de um guia que saberá orientar como deverá ser feito. Na água de anjo da guarda podemos notar que sua forma pode mudar apresentando um aspecto diferente de quando foi colocada, muitas vezes podem aparecer, bolhas, a água ficar turva, nebulosa, gordurosa, a água pode diminuir, pode sair fumaça dela, a água puxa muitas vezes a energia que a pessoa está, principalmente a negatividade que está sendo tirada. Lembrando que muitos desses sinais são ocorridos pela ação do magnetismo.
  • Num assentamento de Anjo da Guarda, que é uma firmeza diferenciada de Anjo da Guarda, essa água é colocada numa quartinha, é muito comum se ver sinais na quartinha como se o Anjo da Guarda estivesse mandando avisos, e ela reflete muitas vezes o próprio estado emocional do filho.  Nunca é bom envolta das quartinhas haverem e aparecerem formigas, caso isso aconteça o dirigente deverá ser comunicado. As formigas simbolizam perda, animais altamente contaminadores, por isso a nível de ritualística ele é considerado negativo. Numa obrigação de assentamento ou firmeza de Anjo da Guarda poderá ser utilizado outros utensílios de acordo com a tradição de cada casa, ex: incensos, essências, cristais, flores etc.
  • A mesma coisa é a presença de ratos, a coisa mais lamentável que existe é ver ratos onde há imagens, velas acesas, ibás etc.
  • Procure sempre depois que a vela apagar, jogar a água do copo no pé de uma planta forte e bonita, mas que não solte leite, e nem tenha espinhos.
  • O astral superior não entende nada de negativo, não pertence a sua sintonia energética. Então quando forem pedir algo sempre positivamente. Por exemplo: Ah meu Anjo da Guarda NÃO tenho saúde, NÃO consigo emprego, estou desesperado. Opte por rezar assim: Gratidão Meu Anjo da Guarda pela boa saúde, pela prosperidade e fartura, pela paz do meu lar. A força da palavra tem grande poder no plano astral.
Velas para guias e Orixás, deve-se ter o mesmo respeito, variando é claro as cores das velas de acordo com a raiz de cada casa. Eu particularmente todas as minhas velas são ungidas e consagradas.
Independente da cor, o que vale mesmo é a INTENÇÃO. Se você precisa acender uma vela para Iança e não tem a vela de sua cor, acenda o branco. Apenas um exemplo.
Esse grande detalhe juntamente com a questão de MERECIMENTO, fazem toda a diferença para que o RESULTADO  seja alcançado.
Um detalhe importantíssimo em toda firmeza para Orixá não deve faltar ÁGUA.
ÁGUA SIMBOLIZA A VIDA.
Algumas pessoas optam por acender as velas nos campos naturais, vamos ter bom senso, e responsabilidade, não se acende velas por exemplo encostadas em troncos de árvores, deve-se limpar bem o chão tirando o excesso de folhas secas, tomando todo o cuidado para que essa vela queime com segurança.
Evitem de acender uma vela grudada na outra, a não ser que seja um trabalho especifico que exija esse tipo de manipulação.
Um outro detalhe importante, não é necessário acender velas de Anjo da Guarda acima da cabeça, tipo colocar em cima de armários, lugares altíssimos, é muito perigoso, porque se essa vela tombar poderá causar incêndios e provocar sérios danos. A vela deve estar na altura do chakra raiz.
Um outro detalhe, se for sair de casa é aconselhável colocar o prato dentro de uma forma, dessas de bolo, com água, porque se a vela tombar do prato, ou mesmo algum animal de estimação tocar nela e a derrubar, não irá causar danos porque irá estar amparada com uma forma cheia de água.
A forma de água é muito útil quando queremos deixar uma oferenda num altar, protege para que não chegue insetos na mesma.
Jamais deve-se acender uma vela sem ter um dono a qual está sendo ofertada. Caso contrário espíritos não muito idôneos podem se canalizar na mesma. Em caso de falta de luz elétrica é um caso aparte, mas assim que a luz voltar apague as velas.
As cores das velas fora a representação dos nossos Orixás, também possuem significados próprios, quanto a intenção e energia.
Vermelha: corresponde a pedidos mais urgentes e específicos
Amarela: sabedoria, prosperidade e discernimento
Verde: saúde
Azul: tranquilidade e paz
Lilás: corresponde a pedidos relacionados a mudanças na vida
Laranja: energia, vigor e força
Branca: neutra; pode ser usada para qualquer pedido, Universal.
Preta:  usada na alta magia (tanto para o bem quanto para o mal), podendo seu propósito variar de acordo com a intenção do manipulador.
(apenas alguns exemplos)
Uma vela bem acesa ela emite sinais que muitas vezes podem surpreender, algumas chegam a mudar a cor da chama ficando azuladas, outras aumentam absurdamente de tamanho suas chamas, algumas chamas podem partir em duas, outras cospem labaredas. A vela é um dos mais antigos instrumentos de magia por isso que o ato de acender uma vela tenha que ser visto com maior responsabilidade e cuidado. E muita concentração para que não haja desvios de canalização.
Muitas vezes as pessoas acendem uma vela para o Anjo da Guarda achando que o Anjo precisa da Luz da vela, mas na realidade essa Luz é para nós mesmos, com esse ato estamos nos iluminando nos religando ao sagrado, trazendo ele mais perto de nós e para nossa proteção.
Quando acendemos uma vela estamos a busca de Paz, de conforto, é o momento que estamos sobre as graças do divino.
Muitas pessoas ficam muito impressionadas por exemplo quando uma vela chora, derrete, sempre acham algo negativo, e nem sempre o é. Primeiramente precisamos verificar alguns detalhes, a qualidade da vela, do material e da parafina, tem velas que compramos para durar 7 dias elas duram 2 e olhe lá, entrada e correntes de ar podem provocar que essa vela queime de uma forma errada, vela acendidas juntas obviamente o calor de uma irá aquecer a outra, apesar de não ser uma regra porque já vi velas unidas queimarem perfeitamente. Muitas vezes as próprias entidades e guias mandam sinais pelas ceras das velas, uma recordação muito bonita que tenho foi uma vez que acendi uma vela para Iemanjá e na cera formou sua imagem.
O sagrado também lê seu coração, então não adianta estar acendendo uma vela e estar pensando bobagens e coisas ruins. Precisa-se ter firmeza, pureza de intenções e muita concentração.
Não entrarei no mérito dos reinos e povos de Exú e Pombogira, porque algumas questões quanto as suas firmezas já entram em méritos de fundamento. E devem ser aprendidos dentro do terreiro.
As cores das velas desses povos e reinos são de acordo com os campos de atuação e magia as quais pertençam. Apenas um ex. Um exú que responda ao reino das matas pode utilizar uma vela metade preta e verde por exemplo.
Um detalhe importante o ato de acender uma vela nunca fica impune, sempre a pessoa deixa seu magnetismo nela, cuidado e reveja para que objetivo esteja utilizando esse instrumento. Se for algo ruim lembre-se você deixou algo seu ali, uma parte sua, e algumas energias vão mas podem voltar e você sentir na própria pele suas intenções. Lembre-se sempre da história do carvão, o mal é como carvão, não ficamos de mãos limpas após tocá-lo. Muita prudência e seriedade neste momento, em caso de duvida consulte um guia idôneo ele saberá te orientar de como proceder.
Espero que com esses toques sutis, possam mostrar a todos que o ato de acender uma vela pode aparentemente ser algo simples mas não o é. Por isso muita cautela, comprometimento e seriedade, ao manipular elementos. A vela é um símbolo de alta magia, um dos instrumentos essenciais em vários ritos religiosos.
Basta enxergar quando nossos guias firmam seus pontos e colocam suas velas, a forma com que manipulam, usam os elementos, as vezes nas situações tão costumeiras que muitas vezes passam desapercebidas pela desatenção dos médiuns, os médiuns deixam de aprender lições preciosas. A vela muitas vezes simboliza a destruição, mas também o renascimento.
ANTES DE ACENDER A VELA NO PLANO FÍSICO OBSERVE SE A VELA QUE AQUECE SUA ALMA TAMBÉM ESTÁ ACESA.

Cristina Alves
Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.

Fases de Maturidade Espiritual do Médium Umbandista.

AS FASES DE MATURIDADE ESPIRITUAL DO MÉDIUM UMBANDISTA.

Se descobrir médium nem sempre é algo tranquilo, na grande maioria dos casos a pessoa começa a se sentir a cereja no cesto de laranjas,  tudo começa com o despertar consciencial, a pessoa começa a se sentir diferente em alguns ambientes, no contato com algumas pessoas, uns começam a ouvir vozes como se alguém tivesse murmurando no seu ouvido, outros começam a ver espíritos que vem e vão, outros a pressentir acontecimentos bem antes mesmo de acontecerem, poderia aqui numerar vários sintomas.
Quando esses sintomas vão se tornando mais ostensivos, a pessoa se nasceu em um berço espírita tudo fica mais fácil se não vai ter que ir buscar ajuda, uma dose de eletricidade acima do normal e descontrolada queima tudo dentro de casa, e uma mediunidade desequilibrada, sem acompanhamento provoca um estrago semelhante. Vários caminhos podem conduzir esse médium até que chegue numa casa espírita ou Umbandista, mas aqui vamos focar no médium Umbandista.
Lembremos que a mediunidade nos foi dada, como lenitivo, aprendizado e reforma, uma oportunidade para que através da prática da caridade e amor ao próximo poderemos nos curar a nós mesmos de nossas mazelas e resgates a serem cumpridos. Que essa trajetória seja antes de mais nada um auto descobrimento de nosso próprio EU.
A ANSIEDADEAnsiedadeânsia ou nervosismo é uma característica biológica do ser humano, que antecede momentos de perigo real ou imaginário, marcada por sensações corporais desagradáveis, tais como uma sensação de vazio no estômagocoraçãobatendo rápido, medo intenso, aperto no tóraxtranspiração, e outras alterações associadas à disfunção do sistema nervoso autônomo .

O médium quando chega na casa espírita no terreiro, fica  ali na assistência muitas vezes fica angustiado, olha para um lado, olha para o outro, cruza as mãos, as pernas, não tem posição que o acomode, os médiuns vão passando por ele, o coração dele parece que vai sair pela boca, ele está tão ansioso que não quer perder um detalhe, observa tudo no terreiro, se perguntarem a ele quem pintou tal quadro no terreiro é capaz de dar o nome do pintor e até a data (rsrsrs), quando começa a gira então seu coração não está mais dentro do seu peito está ali pulando no chão como uma bolinha.
A delicadeza nas ilustrações de Nan Lawson - Choco la Design | Choco la Design | Design é como chocolate, deixa tudo mais gostoso.:
Nessa ansiedade toda, no transcorrer da gira, começa a se sentir estranho, mãos que suam, uns sentem um pouco de sonolência, tontura, o corpo que não para de tremer, arrepios que gelam, e ai vem o medo do desconhecido, e fica pensando o que vai acontecer agora comigo?
doação:
Logo é direcionado a estar passando para o passe onde poderá entrar em contato direto com o guia, suas pernas tremem, o guia já sabe o que ele está sentindo, já pega em suas mãos e o conforta, e as sensações vão se acalmando, na realidade se equilibrando entrando na frequência da energia do guia atuante, e começa a vir uma sensação confortável de paz.
É muito importante que o médium relaxe sua mente e corpo nesse momento, enquanto o guia está na aplicação do passe o consulente pode tranquilamente ir fazendo suas preces, ajudando ainda mais em toda troca energética, não se cobre tanto nesse processo, tenha tranquilidade, se concentre nas preces e orações, entrando na sintonia energética.
Infelizmente alguns processos não estão sendo realizados de forma adequada em alguns terreiros, muitos médiuns estão sendo introduzidos dentro de uma corrente espiritual sem antes passar por tratamentos e preparos adequados, e essa fase de equilíbrio é extremamente necessária para quando ele for de fato começar seu despertar consciencial (desenvolvimento mediúnico), um médium, eu costumo falar que ele deve passar por processos de higienização mental e corporal, assistir algumas palestras doutrinadoras, fazer limpezas energéticas com banhos e passes, para que ele fique o máximo em equilíbrio quando de fato for colocar sua roupa branca.
Equilíbrio gera harmonização e sintonia.
Passando por esse processo, ele futuramente será convidado pelo guia chefe a estar ingressando na corrente espiritual daquela egregora.
Na minha humilde opinião como sacerdotisa acho de suma importância conscientizá-lo primeiramente de sua posição dentro da casa. Dentre doutrinas e regras frisaremos as três questões abaixo:
  • Ele será um instrumento da caridade dos espíritos na terra, e não o próprio guia encarnado. Essa colocação vocês irão entender mais a frente o porque dela.
  • Ser médium não implica ter comunicação num estalar de dedos, com os espíritos quando bem entender e como entender, os espíritos superiores não estarão a sua disposição para o café da manhã se é que me entendem. Lembrando que nossos guias e mentores tem tarefas importantes e cruciais espirituais e não estarão a nossa disposição para motivos fúteis.
  • O bom médium não é aquele que tem maior facilidade com os espíritos, mas sim aquele que trabalha sua reforma moral e se sintoniza com os bons espíritos. Isso é primordial, um trabalho diário de conscientização e harmonização consciencial que todo médium deveria ter.
Lembremos também que no transcorrer de nossa trajetória mediúnica passaremos por processos que irão nos transformar como pessoas, porque estaremos em estágios de aprendizado contínuo de reforma íntima e espiritual.
Então vejam que o trabalho mediúnico não é para o outro somente, é principalmente para nós mesmos, nos enriquecendo com os ensinamentos e experiências e nos tornando pessoas melhores. O MÉDIUM SERÁ O GRANDE INSTRUMENTO DE RESGATE DE ALMAS, MAS A ALMA MAIOR A SER RESGATA É A SUA PRÓPRIA. FRISE-SE.
O DESLUMBRAMENTO:  Tenho observado esse aspecto como um grande problema hoje em dia, porque muitas vezes vem associado com a fantasia. O médium deslumbrado é aquele que não fala de outra coisa a não ser sobre os “seus” guias (SEUS?), sobre o terreiro, tudo para ele é algo fantástico, paranormal, se ouve um barulho diferente é o guia caminhando pela casa, se sonha é aviso, se acontece alguma coisa no serviço de errado, são espíritos nefastos querendo obsediá-lo, alguns médiuns nesse estágio inventam histórias que realmente acabam se tornando engraçadas de tão fantasiosas que são, já vi médiuns dizendo que foi plantar uma planta e seu caboclo estava ali todo sujo de terra escolhendo as sementes, outros que seu cosme vinha acordá-lo para trabalhar, outro que sua pombogira escolhia quem a pessoa deveria ou não namorar e ter um relacionamento, fora as supostas vidências, sensacionalistas, eu vi meu Ogum cavalgando com seu cavalo no meu quintal, você caro irmão (ã), poderá pensar … brincadeira né, infelizmente não é não, e se for alimentado tais deslumbramentos e ilusões o médium pode se caminhar para um fanatismo religioso, então o assunto é sério. Grande partes dessas supostas histórias são falsas, mas o médium acredita tão piamente no que criou em sua mente que para ele são reais.
O médium quando começa a dar tais sinais comportamentais, o dirigente responsável deve trazê-lo de volta a realidade, com doutrina e um bom diálogo, porque muitas vezes o médium age assim porque quer se sentir especial, isso é muito típico de médiuns novos, que querem mostrar aos irmãos de santo e ao dirigente o quanto seus guias são fortes e quanto sua mediunidade está aflorada e ostensiva. Um dirigente experiente lida com essas posturas com propriedade, mas deve tomar cuidado para que esse médium não se torne um problema perante seus outros irmãos de corrente, virando uma onda de fatos inusitados onde um tem algo mais sensacionalista para contar que o outro ou até mesmo virando motivo de chacota e piada. Nossos guias estão muitas vezes a nosso redor sim, mas cuidado para que a realidade não ceda lugar a histórias fantasiosas.
Uma outra observação, não utilizem o nome de seus guias para pendengas pessoais, não é bacana nem no mundo físico tais posturas imagina perante o mundo espiritual. Vamos ter condutas mais amadurecidas e responsáveis quando formos usar o nome de nossos guias e entidades. Eles merecem esse RESPEITO.
AMADURECIMENTO ESPIRITUAL, é extremamente necessário, para que esse médium também não vire motivo de chacota, deboche, não passe a ser desacreditado. Porque esse deslumbramento quando não coibido de forma correta, gera aqueles médiuns que não podem estar em um momento social, que acabam por fantasiar presenças espirituais onde não existem e pior alguns extremamente sugestionados acabam fingindo estar acoplados com espíritos em momentos não propícios como festas e eventos, é muito triste ver um médium se comportando assim, mas triste ainda é trazê-lo a realidade e perceber o desapontamento e a vergonha quando a ficha cai e o médium percebe que não fez um papel muito bacana. Detalhe, um guia sabe perfeitamente onde trabalhar e quando acoplar em seu médium não subestimem a INTELIGÊNCIA E SABEDORIA DE UM GUIA IDÔNEO.
"Apesar de você aparecer em forma terrena, sua essência é pura consciência. Você é o guardião destemido da Luz Divina." RUMI:
O médium com o tempo ele vai se centrando, vai se amadurecendo, e com o tempo passa a se sintonizar com mais perfeição com seus guias, até chegar numa etapa que já pode ser trabalhado mais efetivamente como um médium de trabalho ou médium passista.
Neste momento,  emoções controversas começam a surgir.
Fé, Amor e Evolução: Passe espírita” e o “passe Umbandista”:
Quando é dado ao médium essa passagem de estágio mediúnico, logo vem outro sentimento A INSEGURANÇA, e o médium começa a pensar será que estou pronto? Será que não vou fazer asneira ou alguma bobagem? E se o meu guia falar algo que não acontecer e a pessoa vir e desacreditar nele e em mim? E se alguém desafiar meu guia?  Perguntas compreensíveis de um médium RESPONSÁVEL, que tem muito medo de errar e falhar com seus guias e com seu terreiro.
Porque um médium irresponsável, alienado, daqueles que não tem nem dois meses na corrente e já colocaram como passista, não se preocupa com isso em momento algum, para ele o importante é aparecer dar ibope. Vergonha alheia.
Essas e muitas outras perguntas caem na cabeça do médium como marretas, o dirigente vai trabalhando o médium nessa fase, quanto a segurança, motivando sempre o médium estar se preparando quanto a estudos, limpezas, energizações para que o instrumento esteja o mais afinado possível para que o bom músico possa tocá-lo.
Sabemos perfeitamente que todo esse preparo é de suma importância para um bom acoplamento, esse preparo facilita a junção energética com o espírito do guia, para que essa terceira energia seja a mais perfeita possível, sendo forte o suficiente para que o assistido tenha o melhor atendimento.
A palavra chave para essa etapa fora é claro maturidade é CONFIANÇA,  em si mesmo e em seu guia, SERIEDADE E RESPONSABILIDADE tendo plena consciência que estaremos lidando com sentimentos, vidas, e principalmente com a espiritualidade do outro, e isso é algo seríssimo. Uma palavra errada, mal colocada, pode desequilibrar a vida do consulente, então o médium deve ter muito cuidado e fazer de tudo possível para que seu acoplamento espiritual seja o mais perfeito possível.
Fight Club - As crazy as it can get. Goes well when you high ;):
Mas infelizmente alguns médiuns quando percebem que seus guias estão trabalhando bem, atendendo várias pessoas, começam a receber elogios quanto ao trabalho de seus guias, pessoas que vem e dizem que o guia a ajudou, que ela conseguiu uma benção etc, o médium se não se vigiar pode despertar A VAIDADE, ARROGÂNCIA, ORGULHO – o ego exacerbado pode levá-lo a achar que ele é quem está fazendo as graças acontecerem e não mais os seus guias, ou até mesmo enaltecer seus guias colocando os guias de outros irmãos e irmãs no terreiro como se tivessem abaixo dos seus, os desmerecendo, e isso é questão de tempo, gera conflitos, discórdias, fofocas, atritos, que poderiam ser facilmente evitados se tivessem sido observados por um olhar atento de um dirigente sensato e comprometido.
Outros simplesmente o fato de terem passado para passistas, se sentem SUPER IMPORTANTES, EGO INFLADO, e acabam voltando a estaca zero.
O Elogio ofertado para alguém que não tem sabedoria de o receber, é uma arma na mão do insensato. 
Tais atitudes pode levar a queda desse médium, porque seus próprios guias vendo tal comportamento podem para lhe ensinar questões de HUMILDADE  se afastar dele, e ele achando estar acoplado, passando até mesmo a mistificação, questão de tempo será desmascarado e desacreditado perante sua sociedade religiosa, mas essa e outras são as lições necessárias e duras que a espiritualidade proporciona a quem brinca com espíritos e mediunidade. E principalmente não sabe se colocar em seu devido lugar.
HUMILDADE, HUMILDADE, HUMILDADE está palavrinha tão importante e essencial na vida de um médium deveria ser bordada em seu uniforme branco, como lembrete para que o médium nunca desviasse de seu propósito primordial FÉ, AMOR, CARIDADE.
Vamos agora falar do médium comprometido, sério, aquele que se dedica de corpo e alma, no cumprimento de suas funções mediúnicas para o benefício de seu próximo, que toma seus cuidados diários para ser o melhor instrumento para seus guias.
Médiuns assim se dedicam em prol do amor ao seu próximo de corpo e alma.
Qual o médium que nunca sem querer acabou se envolvendo com o problema de um consulente? Ah… mas não pode fazer isso… Sim não pode, tem que ser evitado tal envolvimento. Mas sempre é possível? Não.
Qual foi o médium que nunca foi abordado após o trabalho por um consulente, sendo confundido até com o próprio guia? Muitos, ah mas não pode… MAS ACONTECE.
O MÉDIUM, ele não é um robô, uma máquina que não tem sentimentos, há casos que por mais que evite, ele acaba se envolvendo emocionalmente, se sensibilizando, e é nesse ponto que vamos tocar num problema muito comum, QUANDO OS MÉDIUNS SE SENTEM DEUS, o médium tem tanta fé, tanta crença em seus guias, que em algumas situações ele acha que pode consertar tudo, reformar tudo, salvar todo mundo, mas infelizmente quando isso não acontece, ELE SE FRUSTA aprendendo uma dura lição que por mais que seja um ótimo médium com excelentes guias, nem tudo ele vai conseguir ter um bom resultado, aprenderá que há leis espirituais que não podem ser rompidas, que mesmo que trabalhe muito, ore muito, nem sempre terá um bom resultado.
Aprenderá que terá situações que seus guias não irão poder intervir mesmo se tratando de si mesmo como seu instrumento, sim meus irmãos há situações que nossos guias não poderão intervir mesmo sendo para nós, porque mesmo o médium está sujeito as leis espirituais, ação e reação, causa e efeito, Semeadura, Merecimento, Retorno.
Nem sempre é fácil constatar isso não é mesmo? mas isso faz parte do trabalho de MATURIDADE ESPIRITUAL.
NÃO SOMOS DEUS, E NEM NOSSOS GUIAS O SÃO, E TODOS NÓS SOMOS INSTRUMENTOS DE UM PROPÓSITO MAIOR. MAS HÁ LIMITES ENTRE O CÉU E A TERRA, QUE SÓ DEUS PODE TRANSPOR.
Nem todas as pedras conseguiremos tirar do caminho do outro, algumas pedras serão pisadas, irão machucar os pés, mas só assim se aprende que elas podem machucar.
INGRATIDÃO:  Alguns médiuns batem no peito e dizem: “…eu sei lidar com a ingratidão…” alguns aprendem com a experiência e a maturidade, porque é um fel amargo de se beber que o outro nos oferece, mas ele só é amargo se o engolirmos, não se esqueçam.
Ingratidão nada mais é que o amor que não retornou, que não foi retribuído, que foi ignorado e esquecido.
Está ai uma das lições mais difíceis para o médium aprender em sua trajetória e saber controlar seu emocional, o de aceitar que o outro oferece o que o seu coração está cheio. Simples assim. Perdoando, esquecendo, desapegando e seguindo em frente, há ingratos mas há pessoas justamente ao contrário que tem corações transbordantes de fé, amor, gratidão e por elas já basta para seguir em frente. Se policiem, se vigiem, é fácil quando vemos a ingratidão sendo dirigida ao outro, quando ela vem em nossa direção, é ai que entra e somos testados quanto a nossa maturidade espiritual.
O homem que pratica o bem deve, pois, preparar-se para se ferir na ingratidão. Allan Kardec <a href="http://www.psicologiaracional.com.br/2011/12/gratidao-maior-fonte-de-satisfacao-que.html" target="_blank" rel="nofollow">www.psicologiarac...</a> <a href='/search?q=kardec' class='pintag' title='#kardec search Pinterest' rel='nofollow'>#kardec</a> <a href='/search?q=ingratidão' class='pintag' title='#ingratidão search Pinterest' rel='nofollow'>#ingratidão</a> <a href='/search?q=espiritismo' class='pintag' title='#espiritismo search Pinterest' rel='nofollow'>#espiritismo</a> <a href='/search?q=autodefesa' class='pintag' title='#autodefesa search Pinterest' rel='nofollow'>#autodefesa</a>
RAIVA E VINGANÇA:  aprendam essas duas não são boas conselheiras NUNCA, cuidado médiuns a quem muito  foi dado a muito será cobrado, a magia é uma faca de dois gumes, se utilizardes de seus dons para o mal, irá pagar e irá sentir o gosto amargo da Lei do Retorno. Antes de fazer qualquer coisa contra seu semelhante, contra seu inimigo, pense e priorize sua alma primeiro, ela vale mais que seu inimigo então não a perca se sintonizando no mal. Pense nisso. Quando alguém lhe fizer muito mal entregue nas mãos do Pai Maior primeiramente e verá que sua defesa será sua fé, seus guias nunca deixaram descoberto em dias de frio. Mas haja de acordo com a Lei Sagrada de Umbanda.
Não pratique o mal:
Lembre-se que o maior escudo de um médium é ele se sintonizar nas forças da FÉ, DO AMOR E CARIDADE, se vistam com essas três roupagens, que vocês irão ver que seus inimigos nem o enxergarão, porque a luz do médium da luz cega quem está nas trevas.
VELHICE, SOLIDÃO E DESAMPARO:  Está ai uma fase difícil, quando o médium envelhece, muitas vezes já não está tão atuante, e acaba sendo esquecido pela sociedade religiosa que ele ajudou a construir. Muitos irmãos e irmãs acabam ali abandonados por seus filhos no santo, que se alimentaram de seus conhecimentos e doutrinas e hoje com seus terreiros abertos nem lembram mais de seus pais e mães no santo, e isso é muito triste. Na nossa sociedade religiosa Umbandista nossos velhos devem ser reverenciados, respeitados, mostrando  seriedade e comprometimento, respeitando nossos anciões estaremos fortalecendo nossa história, nossa egregora espiritual, nossas raízes. Não precisa de muito, eles não querem ostentação, apenas uma frase: A benção meu pai, A benção minha mãe, estava com saudades, hoje eu vim te dar um abraço e dizer o quanto Te Amo e quanto você foi importante na minha trajetória, na minha vida.
De tudo um pouco...:
UM BOM FILHO SEMPRE SERÁ UM BOM PAI.
Espero que esse texto ajude a trazer maiores esclarecimentos aos nossos irmãos e irmãs, que os novos entendam que tudo na Umbanda são etapas, fases a serem percorridas e vencidas, não as pule, todas são necessárias e importantes, e que os mais velhos se encorajem e que tenham paciência e amor pelos mais novos.
QUANDO O MÉDIUM SE COLOCA APENAS EM SER ÚTIL A SEU PRÓXIMO, PRESTANDO A CARIDADE QUE A ESPIRITUALIDADE E MEDIUNIDADE LHE CONCEDE, SE TORNA SOLO FÉRTIL PARA A SEMEADURA E COLHEITA DE BONS FRUTOS.
Que nosso Pai Oxalá abençoe a todos.
Cristina Alves – Sigam nosso blog Orixá Essência Divina vinculado ao Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.

Quando um Médium está com Problemas Técnicos, cuidado !

Quando o aparelho (médium) está com problemas técnicos. Cuidados.

Abordamos esse tema em nosso terreiro em nossas palestras, e deixo aqui algumas considerações para a apreciação de todos os irmãos e irmãs.
Há momentos na vida de um médium que ele passa por uma série de problemas, são eles de âmbito pessoal, íntimo, saúde, profissional, e como seres humanos que são nem sempre conseguem separar o joio do trigo, tirar essa carga pesada de suas costas, e isso pode sim refletir de forma danosa em seus trabalhos e obrigações nas rotinas do terreiro que frequentam.
Muitas vezes esses conflitos internos, essas interferências podem passar desapercebidas, e só tornarem evidentes tarde demais.
O dirigente responsável pela ordenança física de um terreiro, tem que ter essa sensibilidade, atenção, amizade com seus filhos no santo, para que os mesmos tenham liberdade de se abrirem e de exporem o que está havendo de errado com eles. Vejam como é importante a amizade, a confiança entre dirigente e filho (a), diálogo sempre.
Quando o médium não está conseguindo controlar esse lado emocional sozinho, separar seus problemas da gira, deve ser socorrido e auxiliado e orientado. Um médium de trabalho assistencial muitas vezes terá que ser retirado do atendimento ao consulentes para que essas interferências internas não acabem sendo infiltradas nas comunicações de seus guias, onde podem ocorrer excessos anímicos graves, onde o maior prejudicado será o assistido.
O médium quando isso ocorre ele nunca sai bem da gira, porque ocorre um choque energético muito grande, e todo esse esforço de forma equivocada, acaba causando uma obstrução energética. Gosto de fazer um comparativo da seguinte forma, imaginem um cano com entupimento, onde a água tente passar, a pressão pode romper o cano, o quebrando, danificando todo sistema hidráulico, e assim é com os campos energéticos na hora do acoplamento quando há uma condução energética com problemas e interferências. O médium como aparelho simplesmente se quebra. É como um aparelho de rádio, mal sintonizado, o guia tenta passar a mensagem e o médium a interpreta de forma errada.
Muitas vezes por mais bons que sejam os guias de um médium, por mais esforçado seja esse médium, ele simplesmente precisa “dar um tempo”, se deixar cuidar, se deixar tratar, sem melindres e vaidades. Uma boa canja e cama nunca fez mal a ninguém.
O dirigente tomar os cuidados necessários, a boa palavra, a prescrição de bons banhos de ervas, banhos energéticos, purificadores, repositores. Aqueles banhos que dão um verdadeiro UP, que todo médium em vários momentos de sua vida vai precisar.
O ato de se prostrar aos pés do Orixá, pedir misericórdia e assistência, aquela devoção e troca energética tão necessária.
Vamos supor que o médium ele consiga separar sua vida pessoal (os problemas), das suas obrigações e deveres do terreiro. Esse médium vai ter que ter uma atenção redobrada para interpretar e conduzir as mensagens dos seus guias, um verdadeiro filtro. Porque sabemos que um médium com problemas emocionais pode sim ser veículo de espíritos nefastos e trevosos, devido a sua fragilidade do momento, e nesse caso médiuns invigilantes podem ser usados por espíritos mistificadores com grande facilidade, e está ai o grande problema, esse médium intuído e influenciado por tais espíritos podem passar uma mensagem errada a uma pessoa e causar graves danos a sua vida, podendo agravar ainda mais o problema que tão carecidamente foi a busca de solução.
O médium vaidoso, arrogante, petulante muitas vezes se melindra em expor seus problemas e fragilidades comprometendo sua imagem e a imagem do seu terreiro devido a sua imprudência. Porque uma coisa é clara, um elogio poucos divulgam agora críticas queimam como rasteiro de pólvora.
O médium tem que trabalhar sua conduta moral e espiritual, sendo um médium humilde, franco, sincero, que respeite seu momento, o momento de quem depende da assistência espiritual de seus guias, um médium responsável, sério e comprometido que sempre tenha a vontade de sempre aprender, estudar, porque lhes garanto isso edifica qualquer médium e agrada imensamente nossos guias amparadores, que terão a sua disposição um excelente interlocutor de suas mensagens.
Friso a todos os irmãos, não está bem, a cabeça não está pensando de acordo, o emocional está conturbado, você sente que o corpo está dando uma pane, os circuitos estão queimando, as luzes da racionalidade estão acendendo e apagando. Está na hora de parar e se cuidar. Acreditem isso não é fraqueza isso é sabedoria.
Feio é você prejudicar outras pessoas, é você colocar a veracidade de sua mediunidade em duvida, feio é você não honrar o nome de seus guias e envergonhar com seu vexame a Umbanda.
Na realidade o médium tem que ser verdadeiro com ele mesmo, sendo vigilante. Entendam meus irmãos na fé, por mais que um médium seja um ótimo médium na grande maioria do tempo, ELE É FALÍVEL, ele sangra, ele não é o próprio Orixá na terra, ele está sujeito aos testes que a escola da vida sempre trás.
Não se sintam obrigados a se mostrar os BAM BAM 24Hs, aprendam ninguém está bem o tempo inteiro. As vezes é mais forte aquele que mostra sua dor e a trata, do que aquele que faz um esforço imenso de mostrar o tempo inteiro ser o que não é, não consegue se enxergar como um ser humano carente de reforma íntima, pois esse é o verdadeiro fraco pois ele estagna, não evolui, sua vaidade e arrogância o cega.
Ah… já ia me esquecendo nós dirigentes também somos falíveis ok, então respeitem seus dirigentes quando os mesmos não tiverem bem, e valorizem seus esforços de estarem sempre ali no terreiro, como uma rocha, aparentemente imbatível, vocês não mensuram o quanto muitas vezes é difícil se dar até a última gota.
E tenham certeza não é fácil muitas vezes, e tornamos nossos próprios algozes devido a nossa própria fala de humildade.
E tenham certeza seus guias te apoiaram sempre.
Que Oxalá tenha misericórdia e nos dê sabedoria.
Cristina Alves
Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.

Médiuns que não aceitam Críticas na Umbanda!

Médiuns que não aceitam críticas – Umbanda

Pensem numa problemática muito comum nos terreiros hoje em dia, é justamente a de que os médiuns NÃO ACEITAM ser confrontados e ficam completamente melindrados, quando colocados sob o crivo da doutrina.
Leiam o que diz o trecho do Livro dos Médiuns e vamos aplicar na Umbanda:
Eu acredito que muitos irmãos já viram aqueles médiuns que se acham o máximo, seus acoplamentos são os melhores, os mais perfeitos, estão acima de qualquer crivo, análise e interpretação.
Imagina… se o dito médium pode ser enganado. Tipo… Eu ser usado por um mistificador, eu o mago dos 7 raios e conhecedor de todos mistérios, hahaha jamais.
Pois é pessoal isso é mais grave do que imaginamos.
Já me deparei com médiuns que chegaram para mim no meu terreiro, com o seguinte perfil:
  • Mãe tenho anos de Umbanda, sou médium passista de atendimento, meus guias já bebem e fumam eteceteras e tals.
QUE MARAVILHA!
Muitos dirigentes cresceriam os olhos e falariam é esses os médiuns que vão fazer a diferença.
Com certeza um médium firme e com experiência faz toda diferença. Desde que, haja veracidade.
Mas a questão é que nem todos que chegam em vossos terreiros dizendo isso, são de fato e estão no patamar do que dizem ser e estar.
Eu particularmente com tantos anos de Umbanda já vi muitos assim.
No meu terreiro, dentro da nossa tradição, o médium pode vir dizendo ser o “papa” da Umbanda ele será colocado em análise sob a ordenança física e espiritual em nossa casa.
Um bom médium não teme tal análise, porque confia na idoneidade e seriedade do seu trabalho, e sabe que tem muito a se doar e aprender.
Muitos desses, quando começam a trabalhar, e começam a serem observados, chega a ser assustador.
Extremamente anímicos, fantasiosos, sugestionáveis. A coisa tá tão grave que o médium está só irradiado, e ele com o suposto guia já está falando. O guia mesmo, metros de distância.
Médiuns que seus “GUIAS” nem um ponto sabem riscar, um riscar de desenhos confusos, médiuns que parecem um pavão de tanto paramentos e apetrechos de seus guias, mas que não sabem nem os fundamentos que envolve tais paramentos, usam como ornamentos.
Bonito de se ver, para grego ver, mas que quando questionados em seus conhecimentos, ficam mais perdidos que cachorro quando cai da mudança.
Nem sempre tais médiuns tem culpa, explico: Tem médium que acham que porque ele está há anos dentro de um determinado terreiro, ele é capacitado, nem sempre é assim, muitos são caçambas vazias, ficaram anos em terreiros péssimos, dirigentes que não sabiam nem para eles, descuidados, daqueles que não estão nem ai para o corpo mediúnico, desde que a mensalidade esteja em suas mãos todo mês. Dão uma atenção maior a seus médiuns quando vão realizar uma festa, um evento, e vão precisar dos filhos para bancar os gastos de suas vaidades. A gente chega a conclusão que tem médium por ai que adora ser usado.
Médiuns que são colocados para atender os consulentes completamente despreparados, nem acoplados perfeitamente estão. Com isso uma chuva de asneiras e bobagens.
Na gira seus guias falam e fazem o que dá na telha. Ops me coloquei mal, guias não, médiuns querendo ser atores, interpretar, dar o show, meros imitadores. Mistificadores? quando cientes com certeza.
E sabe o que é mais triste, o POVO adora um espetáculo, casas cheias de vaidade, arrogância, mas de amparadores, guias idôneos nenhum.
Os únicos espíritos quando há é de espíritos mistificadores e quiumbas.
É de cortar o coração quando um médium escolhe uma casa assim para frequentar, porque são verdadeiras aniquiladoras de bons médiuns, médiuns até promissores mas que com o tempo viram verdadeiros copos (vampirizadores, sugam a vitalidade) vivos de quiumbas e mistificadores.
Quando um médium cai numa casa assim, por questões de sintonia vai atrair espíritos que se sintonizam na energia. Uma casa não idônea, vai atrair espíritos da mesma categoria. Esses tipos de espíritos não suportam ser confrontados, questionados, se irritam quando suas mensagens passavam por um crivo racional de ideais. Lembram-se quando falamos que somos mais influenciados por espíritos do que pensamos, cabe perfeitamente nessa questão, um espírito negativo que venha dominando o mental do seu médium, ele irá dar a ele influências que o tornará arrogante, vaidoso, daqueles médiuns que adoram aduladores. Esse médium se ele entra numa casa com um crivo mais doutrinário esse espírito adoentado quando questionado irá incutir no mental desse médium que aquela casa e dirigente não serve, que ali não é seu lugar, que não gostou do terreiro. Ele o ordena a sair, evidenciando a dominação.
Obviamente que não irá gostar, vocês já viram obsessor, quiumba, mistificador gostar de doutrina? eu nunca. Muito pelo contrário eles gostam de terreiros que não tem doutrina, onde ele possa atuar e realizar seu show. São mestres em enganar e manipular. São terreiros que quem conhece com profundidade o que é Umbanda, enxerga como uma verdadeira baderna.
Acreditem tem médiuns sendo copos a anos.
Eles tem culpa? em partes sim, porque não se colocaram a disposição para o estudo e aprendizagem, nunca se importaram com isso. Nunca se questionaram, por mais sinais dados aparecesse.
“Espiritando”, brincando de guia, que mal tem? até o dia que o destino lhes leva em boas casas e são questionados a se explicarem, e nessa hora o vazio vem, e descobrem que não sabem nada. Vergonha na certa, por mais delicadeza o dirigente se coloque. O vexame é inevitável.
Mas nunca é tarde, para praticar uma espiritualidade idônea e correta. A questão que muitos dos tais “médiuns velhos”, para eles é conivente continuarem seus espetáculos porque suas vaidades e arrogâncias e falta de humildade não permite enxergar tais falhas. Que o espetáculo continue para quiumbas se apresentarem. Uma triste realidade. Cito médiuns velhos porque são os mais difíceis de lidar, mas médiuns novos tem dado tanta dor de cabeça quanto, mas estamos tendo médiuns muito jovens e promissores. Graças a Oxalá.
Muitos saem por ai fritando os outros com suas poderosas ditas entidades, fazendo feitiços contra fulano e beltrano, saem de uma casa para outra, falando e denegrindo sacerdotes um para o outro. Mas eles são? os santinhos do pau oco.
Saibam na espiritualidade a quem muito foi dado a muito será cobrado, e as colheitas chegam. E muitos acabam doentes, dementes. E quem leva a culpa? A Umbanda que muitos a julgam dizendo ser atraso de vida. Mas na realidade esses médiuns é que foram os atrasos para a Umbanda.
Médiuns sejam humildes, busquem aprenderem, espiritualidade e mediunidade exige comprometimento e seriedade. Se vigiem, espíritos trevosos buscam solo fértil, são as ervas daninhas, sejam bons jardineiros no jardim do Orixá, não permitam que matem suas flores.
A mudança parte do princípio que o médium queira mudar. Caso contrário sua decadência e fracasso é certa.
Médiuns simpáticos, carismáticos, esse perfil não os faz bons médiuns. Aparências enganam.
Os guias verdadeiros desses médiuns tentam alertá-los, os conduzem em boas casas, muitos agradecem inúmeras vezes aos guias chefes a assistência e amparo a seus filhos.
Eles escolheram a casa.
Mas alguns desonram os seus próprios guias, a palavra deles, a vontade e ordenança nada vale. Médiuns respeitem seus mestres. A palavra deles é lei. Vocês são veículos deles, e não ao contrário.
Ai um belo dia o médium, simplesmente dá uma pane, se melindra, abandona a boa casa e volta a estaca zero de novo, por pura e simples burrice de não respeitar seus guias e mestres.
E é nesse momento que os guias se afastam. Pois eles entendem que devem respeitar o livre arbítrio, e muitas vezes o médium tem que chegar no fundo do posso, infelizmente.
Esses médiuns costumam na hora do atendimento aos consulentes, terem perfis bem claros, são comumente os tais guias adivinhadores, incutidores de medo, terror, cobranças, os mercenários da espiritualidade. Levando boas pessoas ao erro, ao escândalo, a ruína, a doença, desunião. Pior desmoralizam nossa fé.
Entendam nossos guias nos orientam no caminho do bem. Espíritos que inspiram ao mal, não possuem natureza boa, e são obsessores, mistificadores. Médiuns que se sujeitam a isso por muito tempo, podem cair em obsessores graves, até possessão. Porque o domínio de tais categorias de espíritos se tornam cada dia mais forte e subjugam o médium invigilante e imprudente.
Fico a me perguntar cadê os médiuns de antigamente? envelheceram todos e morreram? Cadê os médiuns que queriam ser filhos, a aprender e se dedicar. Cadê os bons médiuns de hoje? Cadê os bons filhos, amorosos, dedicados e comprometidos. Viraram todos sacerdotes sem serem filhos? Como isso é possível. Alguém pode me explicar? Reflitam.
O astral superior, chora, porque lamenta pela perda dos bons soldados.
Como diz no livro dos médiuns o isolamento proporciona grande dano, e leva esses médiuns a maiores enganos. Por não conseguirem se encaixarem em terreiro algum, acabam optando por trabalharem sozinhos, é mais conivente porque suas manifestações não serão colocadas em análise sustentável e racional. O que é perceptível nessas comunicações é que giram sempre até um certo ponto, baseadas meramente no conhecimento limitado do médium, não há ali de fato uma assistência evoluída com conteúdo. O médium se engessa, não evolui, não se aprimora, não há crescimento. E na realidade ele não dá campo sustentável para os bons espíritos trabalhem. Lembrem-se do solo fértil, grandes árvores crescem em solos preparados e com nutrientes necessários para seu crescimento. Pior ainda quando não receberam missão e mandato superior, inventam de abrir terreiros. Ai é uma catástrofe.
A pior coisa que pode acontecer a um médium é ele se sentir FRUSTRADO, DESMOTIVADO, ENGANADO.
Alguns médiuns por terem tantos anos dentro da religião, acham que sabem tudo, e se acomodam de uma certa forma, não estudam mais, se acham superiores, ninguém pode saber mais que ele, a sua verdade é absoluta. Mandando a real, não existe verdades absolutas no que diz respeito a mediunidade e espiritualidade. Cada comunicação, cada gira, cada caso é uma surpresa, por isso é tão incrível o aprofundamento, é como o azeite da salada, faz toda a diferença.
Mas alguns médiuns se desmotivam justamente porque acham que sabem tudo e são poços de preguiça. Ai ficam nos terreiros parecendo zumbis, culpando a espiritualidade, porque não sentem a mesma vitalidade e energia. Falta-lhes vontade de querer aprender, coragem de se superar, de ser melhor.
Pior ainda é quando se sentiam o máximo em seus saberes, e descobrem que sabiam tão pouco. Ai se sentem pior que tudo, o resto queimado da panela, um nada, infelizmente esse é o fruto da invigilância, do comodismo, do cego guiando cego, E da falta de se questionar sobre certas questões. Se você não semeou, não vai colher.
As vezes é melhor começar do zero, do que continuar fazendo tudo errado.
Umbanda não é lugar de médium que não está a fim. A Umbanda é lugar de médium que veste a camisa do terreiro, é lugar de médium que vibra quando um consulente consegue uma graça, é lugar de médium dedicado, que adora o seu altar, o cheiro do alfazema lhe inebria. A Umbanda precisa de médiuns sérios, comprometidos, que amem o que faz.
O corpo envelhece, mas a alma pode permanecer jovem até os últimos dias. Pensem nisso.
Fé, Amor e Caridade, com os outros, mas não se esqueçam de aplicar consigo mesmos sendo mais generosos e dedicados. Se cuidem, os lobos tem fome, se é que me entendem.
Imagem relacionada
Cristina Alves
Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.

Cantar pontos em casa.