sexta-feira, 16 de junho de 2017

Ser Umbandista !



Nos meus longos anos de atividades na Umbanda, sem que venha a ensinar a ninguém; ao contrário, sempre procurando aprender: Tenho notado em terreiros, que muitos médiuns acreditam ainda que são seus mentores, seus guias, seus Orixás que lhes indicam tudo sobre a nossa amada Umbanda.

Agem como frequentadores de outras Religiões, que vão aos seus templos, oram, rezam, e; seguem os rituais determinado por essa ou aquela religião, aguardando e seguindo unicamente o que seus Pastores, Padres, Rabinos, afirmam, e dessa forma, se consideram Religiosos.

Umbanda é coisa Séria. 
Necessita que em cada Centro, Terreiro, o Dirigente, Sacerdote  aja por sua vontade e não por obrigação promovendo palestras, cursos, pois seus Médiuns sempre possuirão questionamentos, dúvidas que serão sanadas ou por estes  ou mediantes cursos indicados pelos mesmos.  
Por não existir dogmas e rituais , permite que cada centro, terreiro tenha sua linha sua forma de agir.todavia cada Médium tem o dever de saber os fundamentos.

Por isso , um Médium que em seu terreiro, seu Centro, não possua palestras, cursos explicativos onde possa indagar algo e saber a resposta, irá com certeza praticar sim sua mediunidade, todavia, sem muito entender  em virtude de  hoje a maioria das incorporações  em sua quase totalidade, ser consciente.

Isso faz com que o mesmo não vá crescendo seus conhecimentos, praticando unicamente o que sente,
sem todavia entender as razões e bases que são necessárias para ir evoluindo sempre.

Umbanda, é uma Religião que evolui sempre, que se questiona sempre, e há de se ter respostas  sempre.

Se um Médium sem aprendizado, sem estudo, inicia dentro de um terreiro ou Centro baseado no que foi  ou é costumeiro no mesmo, acreditando que seus mentores espirituais irão lhes transmitir o que deveriam aprender; certamente, irá em pouco tempo desistir por razões que somente a ele cabe culpa.

Dizer que o Terreiro, Centro é isso, é aquilo, já é sinal de que ele se estudou, fez cursos, não sentira divergência, exercendo a forma que estudou .

Todavia se lhe for negado esse direito ; ele tem razão de informar ao Dirigente(a) a não continuidade , em vista de seus conhecimentos não condizerem com as regras do local, sem que haja constrangimentos, ou utilizar das tais " fofocas " que só dizimam uma egrégora, um Terreiro, um Centro.

Ao contrário, o, a, Dirigente, irá solicitar-lhe que procure repassar aos seus pares estes conhecimentos adquiridos quer seja por meio de palestras, cursos, etc.

O que descrevo é por sentimento concreto que mesmo Umbandista praticante por mais de 5 décadas, não paro de pesquisar, colher informações, participar de cursos  que em sua maioria são fora do Rio de Janeiro mas podem ser realizados viam ON-LINE, tornando-me um eterno aprendiz.

Não posso entender na atualidade, que algum Umbandista que seja do mais novato ao mais antigo, se julgue sabedor de todos " Y" e " X" que se apresentam dentro de nossa amada Umbanda.

Dessa  forma , iremos  colocando a Umbanda mais  convidativa para os que lá compareçam e não vejam como peças teatrais ou piores significados.

Saravá Fraterno a Todos.
Ace